R.B. 2/JUL/19 "Aquecendo o mercado de ofertas públicas de ações"



"Aquecendo o mercado de ofertas públicas de ações"

São Paulo, 2 de julho de 2019 (TERÇA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, realizando lucros recentes, com os investidores aguardando o andamento da reforma da Previdência e assistindo mais uma oitiva de Sergio Moro, herói nacional, aos bandidos do Congresso e (2) o DÓLAR pode subir, também em um "ajuste técnico", acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pela esperada piora do "humor" na bolsa tupiniquim.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,4%, beneficiada pelo fechamento do acordo entre o Mercosul e a União Europeia, pela retomada das negociações comerciais entre EUA e China, pela valorização internacional das commodities e (2) o DÓLAR caiu -0,1% à R$ 3,84, influenciado pelos mesmos motivos animaram a bolsa tupiniquim e devem elevar o fluxo positivo de recursos externos oriundos de exportações, captações e principalmente investimentos no setor produtivo da economia.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 2,1% e China 2,2%, "animadas e aliviadas" com o "cessar-fogo" nas tensões comerciais entre Washington e Pequim, (2) da EUROPA, Inglaterra 1,0%, França 0,5% e Alemanha 1,0%, acompanhando o movimento ascendente das bolsas asiáticas e norte-americanas e também beneficiadas pela valorização das commodities e (3) dos EUA, com o S&P batendo uma novo recorde histórico de alta, S&P 0,8%, DJ 0,4% e NASDAQ 1,1%, com destaques de alta para as ações do setor de tecnologia, como Qualcomm (1,91%) e Broadcom (4,3%), diante do anúncio de suspensão de parte das sanções norte-americanas contra a gigante tecnológica Huawei.

Mostrando de forma cada vez mais clara que existe espaço para o Copom cortar a taxa básica de juros, o "mercado" (1) reduziu pela 18ª vez seguida, agora de 0,87% para 0,85%, suas "apostas" para o crescimento do PIB brasileiro em 2019 e (2) diminuiu, de 3,82% para 3,80%, suas projeções para a inflação medida pelo IPCA neste ano, patamar ainda mais abaixo do centro da meta do BC (4,25%).

Acreditando que novas reduções da taxa básica de juros, que já está no menor patamar da história, devem incentivar os investimentos privados no setor produtivo da economia, o Ministério da Economia, que tem um viés liberal, "avisou" que pretende começar neste ano a redução do volume de financiamento concedido pelo BNDES, como parte da política de reduzir a participação de bancos públicos no crédito, que devem se voltar para temas como privatizações, mercado de gás e saneamento.

Em um cenário de desemprego elevado e de economia quase parada, segundo o Ibevar (instituto do varejo), a taxa média de inadimplência de pessoas físicas deve alcançar 4,71% neste mês de JUL/19, patamar 0,31% maior que no mesmo mês de 2019.

Ampliando seu escopo, a medida provisória da liberdade econômica deve ser alterada no Congresso para (1) permitir que turistas estrangeiros obtenham reembolso dos impostos embutidos no preço de produtos comprados no Brasil e (2) dar permissão para que mais empresas sejam autorizadas a funcionar em domingos e feriados.

A síntese da proposta de reforma tributária que está sendo finalizada pelo Ministério da Economia e que o ministro Paulo Guedes pretende enviar ao Congresso ainda em JUL/19, caso se confirme a expectativa de aprovação pela Câmara da reforma da Previdência, é a fusão de 4 tributos mais a contribuição sobre a folha de pagamentos num único imposto.

Otimista, Carlos Abijaodi, diretor da Confederação Nacional da Indústria, afirmou que o "final feliz" do acordo entre Mercosul e União Europeia deve tornar um pouco mais fácil o Brasil concluir outras negociações comerciais.

Aumentando a competitividade, reduzindo os custos das obras públicas e inibindo a corrupção, o acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia prevê que empresas de um dos blocos participem de licitações e de compras governamentais do outro.

Mostrando que o acordo entre Mercosul e União Europeia veio em ótima hora (1) nos 6 primeiros meses deste ano as exportações brasileiras para o bloco europeu recuaram -11,9% na comparação com o mesmo período de 2018 e (2) neste ano os brasileiros saíram da lista dos 10 principias países fornecedores de alimentos para os europeus.

Com o Brasil reorganizando suas relações comerciais, a balança comercial brasileira encerrou o primeiro semestre deste ano com um saldo positivo de US$ 27,1bi, resultado -8,9% menor que o auferido no mesmo período de 2018.

"Aquecendo o mercado de ofertas públicas de ações", que ao que tudo indica deve passar por mais um ciclo bastante positivo no Brasil, a Neoenergia, que até agora é o maior IPO do ano, subiu 7,7% no seu primeiro dia de negociações na bolsa tupiniquim.

-    A Vale, que subiu 3,5%, impulsionada pela alta dos preços do minério de ferro, que avançaram mais de 4% na China diante da perspectiva de redução da produção da referida commoditie na Austrália.
-    A Boeing caiu -2,1% na bolsa de NY, depois que o JPMorgan cortou as estimativas de lucros para a empresa em 2019, ainda devido ao imbróglio referente às entregas de aeronaves 737 Max.

Política:

Um dos principais alvos dos manifestantes no último domingo, Rodrigo Maia, o nefasto presidente da Câmara, se reúne hoje às 10h30 com os governadores de Nordeste para tratar de reinclusão de Estados e municípios no texto da reforma da Previdência.

Como, contrariados por Paulo Guedes, querem manter benefícios e condições especiais para policiais civis e federais, até 22 deputados do PSL, partido do presidente Bolsonaro, ameaçam votar contra a reforma da Previdência.

Obstinados em tirar Lula da cadeia, os deputados de oposição, capitaneados pela organização criminosa petista, tentarão hoje encurralar o brilhante ministro Sergio Moro que, fortalecido pelas manifestações de domingo, será ouvido as 14 horas em sessão conjunta de 3 comissões da Casa (de Constituição e Justiça, de Trabalho e de Direitos Humanos).

Reverberando a voz das ruas, Roberto Castelo Branco, presidente da Petrobras, afirmou que o ministro da Justiça, Sergio Moro, e a força-tarefa da Operação Lava Jato devem ser considerados heróis por terem livrado a estatal de esquema de corrupção.

No momento em que aliados de Bolsonaro no Congresso articulam propostas para acabar com o que chamam de "ativismo judicial", Dias Toffoli, o nefasto presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, intensificou encontros com parlamentares e partidos políticos fora de sua agenda oficial para blindar a corte.

O Grupo de Trabalho sobre Suborno da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) disse hoje estar "seriamente preocupado" com o avanço da proposta no Congresso tupiniquim que poderá punir juízes e procuradores por atos de abuso de autoridade.

Raquel Dodge, procuradora geral da república, pediu para Edson Fachin, ministro do STF, negar mais um pedido de Lula para suspender a ação penal na qual é suspeito de receber como propina da Odebrecht um imóvel para sediar seu instituto, que está praticamente pronta para ser julgada pelo juiz Luiz Antonio Bonat.

Crítica:

Linhas auxiliares da organização criminosa petista, os sindicatos ligados à Federação Única dos Petroleiros protocolaram ontem mais uma ação contra a venda de refinarias pela Petrobras e já prometem mobilizações para tentar impedir esta importante operação.

PAZ, amor e bons negócios;

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: rb@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário