''Apostas'' de 2006 até 2018





"Avaliação das apostas de 2018"

A prisão de Lula, maior bandido da história do país, e derrota eleitoral da organização criminosa petista, certamente foram os principais eventos de 2018, fazendo o brasileiro ter renovado seu otimismo com o futuro do país.

Apesar de atolado em denúncias de corrupção que podem leva-lo a cadeia no início de 2019,  Temer consegui fazer a economia voltar a crescer, mas o Congresso Nacional, ainda infestado de bandidos e corruptos, não teve capacidade de aprovar nenhuma reforma importante.

O PIB fraco, que ficou bem próximo do que esperávamos, elevou a taxa de desemprego para patamares um pouco acima do previsto, derrubou a inflação para aquém das nossas apostas, permitindo que a taxa de juros caísse e fosse mantida no menor patamar da história.

A guerra comercial dos EUA com a  China, os preços estáveis das commodities, a ótima safra agrícola tupiniquim, a fraca demanda interna, o bom desempenho dos países desenvolvidos e a desvalorização do real, acima do esperado pelo R.B., ajudaram nas exportações, que cresceram bastante e fecham bem próximas à nossa previsão.

Por fim a bolsa brasileira, animada com a vitória da direita nas eleições presidenciais e com o discurso liberal de Paulo Guedes, super ministro de Bolsonaro, teve um bom desempenho, superando bastante nossas “apostas” iniciais.

Indicador
''Aposta'' de 2018
Realizado em 2018
Ibovespa
70.000pts
87.887pts
Dólar/Real
R$ 3,60
 R$ 3,88
Juros – Selic
7,0%
6,50%
PIB
1,0%
1,1%
Inflação - PCA
4,5%
3,75%
Exportações
US$ 220bi
US$ 239bi
Desemprego
11,0%
11,6%

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.


"Avaliação das apostas de 2017"

A delação de Joesley provou, de forma insofismável, que, conforme “confessou” o ministro Luís Barroso, do STF, atualmente “é impossível não sentir vergonha do Brasil”, que também segundo ele precisa ter sua democracia “refundada”.

Com mais “traquejo” político do que a ex-presidenta Dilma, Temer se acorrentou na cadeira presidencial, mantendo-se lá através da distribuição de cargos, verbas e benefícios aos piores políticos do Congresso Nacional, o que causou um rombo ainda maior nas contas públicas do país.

Meirelles, até agora, conseguiu segurar no “fio do bigode” mais um rebaixamento na classificação do Brasil pelas agências internacionais, a atividade econômica fraca derrubou a inflação para baixo do piso da meta do BC (3,00%) e para baixo do esperado por nós (4,5%), permitindo que a taxa de juros fosse reduzida para o menor patamar da história, o que impulsionou a bolsa brasileira, que fecha bem próxima das nossas “apostas”.

Os preços das commodities em alta, a ótima safra agrícola tupiniquim, a fraca demanda interna, o bom desempenho dos países desenvolvidos e a desvalorização do real ajudaram nas exportações, que cresceram bastante e fecham exatamente na nossa previsão.

Por fim, como atualmente, mesmo com a taxa de juros no menor patamar da história, tem que se ter muita coragem para investir no Brasil, o PIB teve um desempenho bem pior do que esperávamos e a taxa de desemprego ficou maior do que apostávamos.

Indicador
''Aposta'' de 2017
Realizado em 2017*
Ibovespa
75.000pts
76.492pts
Dólar/Real
R$ 3,65
R$ 3,31
Juros – Selic
10,75%
7,00%
PIB
1,5%
0,98%*
Inflação - PCA
4,5%
2,95%*
Exportações
US$ 200bi
USD 200,1bi
Desemprego
10,0%
12,0%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.

"Avaliação das apostas de 2016"

A “demorada e estrebuchada” queda da ex-presidenta Dilma, que só faltou se acorrentar à cadeira para se manter no poder, turbinou as crises política e econômica, reduzindo consideravelmente a confiança, interna e também externa, no Brasil.

A equivocada matriz econômica petista, baseada na corrupção, no aumento dos gastos públicos, no credito fácil e no consumo irresponsável, cobrou sua conta, com alta da inflação, disparada do desemprego e derrocada histórica do PIB tupiniquim.

A recuperação dos preços das commodities, diante da vitória de Trump, derrubou a cotação do dólar, que também foi influenciado por uma elevação menor que esperada da taxa de juros dos EUA, pela saída da Inglaterra da zona do euro e pelo impeachment da ex-presidenta Dilma.

Por conta de uma desaceleração bem maior do que o esperado da economia tupiniquim, da credibilidade de Meirelles, ministro da Fazenda, e da queda do dólar, a pressão inflacionária foi menor e assim a taxa básica de juros (Selic) teve que subir menos do que o esperado.

Por fim, como o governo passado preferia fazer acordos comerciais com base na ideologia ao invés do lucro, a participação do Brasil no comercio mundial despencou e, em um mudo cada dia mais protecionista, as exportações tupiniquins ficaram bem aquém do esperado, recuando -3,8%* na comparação com 2015.

Indicador
''Aposta'' de 2016
Realizado em 2016*
Ibovespa
65.000pts
60.227pts
Dólar/Real
R$ 4,25
R$ 3,26
Juros - Selic
16,00%
13,75%
PIB
1,0%
-3,5%*
Inflação - PCA
7,0%
6,40%*
Exportações
US$ 250bi
USD 184bi*
Desemprego
9,0%
11,9%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.


"Avaliação das apostas de 2015"


A reeleição de Dilma em 2014, pautada na mentira e na maledicência e financiada com dinheiro de corrupção, começou a cobrar o preço em 2015.

A equivocada nova matriz econômica tupiniquim, baseada no aumento de gastos públicos, credito fácil e consumo, se esgotou, afetando seriamente as contas públicas e levando o país a uma resseção, agravada internamente pela crise política e externamente pela queda das commodities e pela desaceleração da China.

O elevado patamar do dólar não facilitou as exportações, que em 2015 recuaram cerca de -14% na comparação com 2014, já que o país bate no atual governo um recorde de mais longo período sem assinar nenhum acordo comercial, com isto a balança comercial tupiniquim só fechou o ano em superávit por conta de uma queda maior das importações (-24% na comparação com 2014).

Por fim, o desemprego fecha o ano em forte trajetória de alta, diante da desaceleração da economia e da falta de confiança dos investidores.

Indicador
''Aposta'' de 2015
Realizado em 2015*
Ibovespa
70.000pts
43.350pts
Dólar
R$ 3,00
R$ 3,95
Juros
13,00%
14,25%
PIB
-0,5%
-3,7%*
Inflação
6,0%
10,7%*
Exportações
US$ 250bi
US$ 191bi
Desemprego
6,5%
8,4%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.


"Avaliação das apostas de 2014"

Em 2012 os países do ‘’primeiro mundo’’ chegaram ao ‘’fundo do poço’’, em 2013 as principais economias globais começaram a se recuperar e em 2014 os EUA, mostrando sua ‘’força‘’, saiu da crise e começou a crescer, porem o Brasil, preso a ideologias ultrapassadas e a políticas econômicas estúpidas, perdeu ainda mais credibilidade externa, agravada pelas denúncias de corrupção na Petrobrás, o que afugentou investimentos e causou a alta do dólar (12,7% no ano) e queda da bolsa (-2,9% no ano).

A desaceleração do ritmo de crescimento da economia da chinesa e a queda dos preços das commodities foram responsáveis por uma parcela substancial da baixa do Ibovespa, afetando a Vale (-36,5% no ano) e a Petrobrás (-37,5% no ano), que também sofreu com sérias denúncias de corrupção e foi novamente usada pelo governo para segurar a inflação e impulsionar o PIB.

O aumento das importações, causado pela baixa competitividade da indústria nacional, e o forte recuo das exportações, também reflexo da desaceleração da China e da crise financeira na Argentina, fizeram a balança comercial brasileira fechar o ano com o primeiro déficit desde 2000.

Por fim o desemprego fecha o ano ainda em baixos patamares, muito mais por conta da redução do número de pessoas que querem trabalhar, já que vivem de programas assistencialistas do governo, do que por conta do aumento do número de postos de trabalho.

Indicador
''aposta'' de 2014
Realizado em 2014*
Ibovespa
82.000pts
50.007pts
Dólar
R$ 2,30
R$ 2,66
Juros
9,50%
11,75%
PIB
3,0%
0,1%*
Inflação
5,5%
6,5%*
Exportações
US$ 250bi
US$ 222bi*
Desemprego
4,5%
4,8%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.




"Avaliação das apostas de 2013"

2011 foi o ano em que os ''esqueletos saíram do armário'', em 2012 os países do ‘’primeiro mundo’’ chegaram ao ‘’fundo do poço’’ e em 2013, mesmo com a recuperação das principais economias do mundo, no Brasil a inflação apertou, os juros subiram e a condução da política econômica perdeu credibilidade, o que afugentou investimentos e causou a alta do dólar (15,2% no ano) e queda da bolsa (-15,5% no ano).

A derrocada das ações do grupo X, principalmente a OGX (-94,5% em 2013) foi responsável por uma parcela substancial da queda do Ibovespa, que também foi afetado pelo desempenho ruim da Petrobras (-9,0% em 2013), novamente usada pelo governo para segurar a inflação e impulsionar o PIB, e pelo forte recuo das ações da Vale (-15,2% em 2013) que, em um ano de aumento da produção e redução da demanda mundial por minério de ferro, foi prejudicada por decisões jurídicas desfavoráveis.

O aumento das importações e o leve recuo das exportações fez a balança comercial brasileira fechar o ano próxima do equilíbrio, o que é muito negativo após anos consecutivos de elevados superávits.

Por fim o desemprego fecha o ano no menor patamar da história, muito mais por conta da redução do número de pessoas que querem trabalhar, já que vivem de programas assistencialistas do governo, do que por conta do aumento do número de postos de trabalho. 

Indicador
''aposta'' de 2013
Realizado em 2013*
Ibovespa
85.000pts
51.507pts
Dólar
R$ 1,90
R$ 2,36
Juros
7,50%
10,00%
PIB
4,5%
2,3%*
Inflação
5,5%
5,8%*
Exportações
US$ 250bi
US$ 240bi*
Desemprego
4,8%
4,6%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.




"Avaliação das apostas de 2012"


Devido a fatores externos, como a ''dificuldade’’ de se rolar dividas insustentáveis nos países da Europa e nos EUA, e a fatores internos, como as interferências do governo no ‘’livre mercado’’ para reduzir as margens dos bancos e das elétricas e também fazendo e a Petrobrás ‘’pagar o pato’’ para segurar a inflação, em 2012 o desempenho do Ibovespa ficou aquém do esperado.

Para tentar impulsionar a economia brasileira, abalada pela desaceleração da China e pela recessão na Europa, o governo brasileiro reduziu a Selic para o menor patamar da história (7,25%), ajudando a manter a inflação acima dos 5,0% e a taxa de desemprego no menor patamar da história.

Por fim o dólar foi impulsionado por ‘’ações e bravatas’’ do governo para elevar as exportações, que por sua vez fecharam muito próximas das projeções do R.B.

 Indicador
''aposta'' do R.B.
realizado*
Ibovespa
82.000pts
60.952pts
Dólar
R$ 1,70
R$ 2,04
Juros
9,0%
7,25%
PIB
4,0%
1,0%*
Inflação
5,0%
5,7%*
Exportações
US$ 250bi
US$ 247bi*
Desemprego
5,7%
4,8%*



"Avaliação das apostas de 2011"

Principalmente devido a fatores externos, como (1) a ''descoberta'' de dividas insustentáveis nos países da Europa e (2) a fraqueza da economia dos EUA, em 2011 o Ibovespa e o PIB ficaram bem aquém do esperado e o risco-Brasil subiu muito. Diante da redução da Selic, que aliás ficou exatamente como previsto no início do ano pelo R.B., a inflação e o dólar fecharam bem acima das suas projeções iniciais, porem as exportações subiram mais que o esperado e fecham o ano com recorde histórico, assim como o desemprego, que encerra o ano no menor patamar da história.

indicador
''aposta'' do R.B.
realizado*
Ibovespa
85.000pts
56.754pts
Dólar
R$ 1,65
R$ 1,87
Juros
11,0%
11,00%
PIB
4,5%
2,9%*
Inflação
4,5%
6,5%*
Risco-Brasil
140pts
210pts
Exportações
US$ 220bi
US$ 250bi*
Desemprego
5,5%
5,2%*



"Avaliação das apostas de 2010"


Influenciado pelo péssimo desempenho da Petrobrás (-22,9% no ano) e por fatores externos, como (1) a ''descoberta'' de dividas insustentáveis nos países da Europa, (2) a fraqueza da economia norte-americana e (3) as medidas restritivas adotadas pela China, o Ibovespa ficou bem aquém do esperado, porem, diante do ótimo desempenho da economia interna, o dólar, a inflação, o risco-Brasil, as exportações e os juros ficaram muito perto ou exatamente como previsto, com o desemprego superando positivamente as ''apostas'' do R.B..

indicador
''aposta'' do R.B.
realizado*
Ibovespa
85.000pts
69.304pts
Dólar
R$ 1,65
R$ 1,66
Juros
11,0%
10,75%
PIB
7,0%
7,6%*
Inflação
5,8%
5,9%*
Risco-Brasil
170pts
177pts
Exportações
US$ 200bi
US$ 200bi*
Desemprego
6,3%
5,7%*



"Avaliação das apostas de 2009"

A recuperação da economia norte-americana à crise de crédito e o impacto menor que o esperado desta no Brasil fizeram as previsões para o Ibovespa, dólar, risco-Brasil e desemprego serem superadas positivamente, porém, o desempenho aquém do esperado das exportações e a redução dos investimentos internacionais, levou à retração maior que prevista do PIB, ao controle da inflação e ao corte dos juros para o menor patamar da história, este último exatamente como previsto.

indicador
''aposta'' do R.B.
realizado*
Ibovespa
60.000pts
68.300pts*
Dólar
R$ 1,85
R$ 1,74*
Juros
8,75%
8,75%
PIB
2,5%
0,0%*
Inflação
4,5%
4,3%*
Risco-Brasil
250pts
196pts*
Exportações
US$ 170bi
US$ 152bi*
Desemprego
7,8%
6,8%



"Avaliação das apostas de 2008"

A crise de crédito nos EUA fez a economia mundial entrar em recessão em 2008, com isto as previsões para Ibovespa, risco-Brasil e dólar foram desastrosas, porem o bom desempenho da economia interna foi o motivo do erro das projeções para a inflação e parara os juros e do acerto para as projeções do PIB e do desemprego.

indicador
''aposta'' do R.B.
realizado*
Ibovespa
83.000pts
37.550pts
Dólar
R$ 1,70
R$ 2,33
Juros
10%
13,75%
PIB
5,9%
5,9%*
Inflação
4,5%
6,1%*
Risco-Brasil
100pts
419pts
Exportações
US$ 170bi
US$ 198bi
Desemprego
7,7%
7,6%



Avaliação das “apostas” do R.B. feitas para o final de 2007

indicador
''aposta'' do R.B.
realizado*
Ibovespa
62.000pts
63.800pts *
Dólar
R$ 1,80
1,77 R$ *
Juros
10,25%
11,25%
PIB
5,1%
5,1%*
Inflação
4,5%
4,3%*
Risco-Brasil
130pts
200pts*
Exportações
US$ 150bi
US$ 157bi*
Desemprego
8,5%
8,2%*



Avaliação das “apostas” para o final de 2006

indicador
aposta do R.B.
realizado
Ibovespa
42.000pts
44.526*
Dólar
R$ 2,15
R$ 2,15*
Juros
13%
13,25%
PIB
5,0%
3,0%*
Inflação
5,0%
3,0%*
Risco-Brasil
150pts
195pts*
Exportações
US$ 150bi
US$ 135bi*
Mínimo de 2007
R$ 400
R$ 380
Desemprego
8,0%
9,3%*




*valores muito aproximados, já que ou faltava o último pregão do ano ou a divulgação oficial.


PAZ, amor e bons negócios;


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: rb@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil