R.B. "Apostas para 2017 e avaliação de 2016"



"Apostas para 2017 e avaliação de 2016" 

São Paulo, 30 de dezembro de 2016 (SEXTA-FEIRA).

"Apostas do R.B. para o final de 2017"

Sim, Tiririca, que é palhaço, deputado e "filósofo tupiniquim", estava errado quando em 2010, durante sua campanha eleitoral, afirmou "pior do que está não fica", já que desde então a situação do país só piorou.

Tudo indica que o Brasil está "no fundo do poço", moralmente, politicamente e obviamente também economicamente.

A meta tupiniquim para em 2017 deve ser se livrar da "herança maldita'' dos governos Lula e Dilma e retornar à sua trajetória de crescimento e principalmente de desenvolvimento.

A credibilidade e a capacidade técnica da equipe de Meirelles, ministro brasileiro da fazenda, aliadas a implementação de Reformas, como a da Previdência e a Trabalhista, podem acelerar a queda da taxa básica de juros, elevar a confiança no pais e estimular a retomada da economia.

A operação Lava Jato ainda dará muito "pano para manga", mostrando que todos os partidos são cumplices da corrupção, e o ápice ocorrerá com a provável e inevitável prisão de Lula, que causará "euforia nos coxinhas e revolta nos mortadelas", estes últimos em número cada vez menor.

Por falta de lideranças viáveis as articulações políticas para as eleições presidenciais de 2018 devem ficar para 2018, o que será muito bom para o país.

Nos EUA a economia será impulsionada por medidas "imperialistas" do novo presidente Trump, o que vai pressionar a inflação e aumentar o ritmo de alta dos juros, a China seguirá tentando manter seu ritmo de crescimento e na Europa, já com a recuperação em curso, o problema dos refugiados continuará testando a compaixão da humana.
  
indicador
''aposta'' para 31/DEZ/17
Ibovespa
75.000pts
Dólar/Real
R$ 3,65
Juros - Selic
10,75%
PIB
1,5%
Inflação - IPCA
4,5%
Exportações
US$ 200bi
Desemprego
10,0%



"Avaliação das apostas de 2016"

A "demorada e estrebuchada" queda da ex-presidenta Dilma, que só faltou se acorrentar à cadeira para se manter no poder, turbinou as crises política e econômica, reduzindo consideravelmente a confiança, interna e também externa, no Brasil.

A equivocada matriz econômica petista, baseada na corrupção, no aumento dos gastos públicos, no credito fácil e no consumo irresponsável, cobrou sua conta, com alta da inflação, disparada do desemprego e derrocada histórica do PIB tupiniquim.

A recuperação dos preços das commodities, diante da vitória de Trump, derrubou a cotação do dólar, que também foi influenciado por uma elevação menor que esperada da taxa de juros dos EUA, pela saída da Inglaterra da zona do euro e pelo impeachment da ex-presidenta Dilma.

Por conta de uma desaceleração bem maior do que o esperado da economia tupiniquim, da credibilidade de Meirelles, ministro da Fazenda, e da queda do dólar, a pressão inflacionária foi menor e assim a taxa básica de juros (Selic) teve que subir menos do que o esperado.

Por fim, como o governo passado preferia fazer acordos comerciais com base na ideologia ao invés do lucro, a participação do Brasil no comercio mundial despencou e, em um mudo cada dia mais protecionista, as exportações tupiniquins ficaram bem aquém do esperado, recuando -3,8%* na comparação com 2015.

Indicador
''Aposta'' de 2016
Realizado em 2016*
Ibovespa
65.000pts
60.227pts
Dólar/Real
R$ 4,25
R$ 3,26
Juros - Selic
16,00%
13,75%
PIB
1,0%
-3,5%*
Inflação - PCA
7,0%
6,40%*
Exportações
US$ 250bi
USD 184bi*
Desemprego
9,0%
11,9%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.

PAZ, amor e bons negócios;

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário