R.B. 29/DEZ/16 "Terminando o ano que não acaba"



"Terminando o ano que não acaba"

São Paulo, 29 de dezembro de 2016 (QUINTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve voltar a subir, para fechar o ultimo pregão de 2016 acima dos 60.000pts e acumulando uma valorização anual de 38%, impulsionada pelas “apostas” de que em 2017 o Congresso Nacional aprovará as reformas necessárias e a economia tupiniquim sairá da recessão e (2) o DÓLAR pode subir, reduzindo uma parte da queda acumulada no ano (-17,1%), diante das “apostas” de quem em 2017 a taxa de juros vai subir nos EUA e cair no Brasil.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 1,8%, mesmo com as perdas das principais bolsas mundiais, pois, com baixo volume de negócios (R$ 4,2bi), os investidores se animaram com a alta do petróleo e gostaram da decisão do presidente Temer de vetar parcialmente o socorro a Estados endividados que não se comprometerem com todas as contrapartidas e (2) o DÓLAR subiu 0,2% à R$ 3,28, em linha com a valorização internacional da moeda norte-americana e recuperando parte das perdas dos últimos pregões.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão -0,1%, realizando lucros recentes e com baixo volume de negócios e China -0,4%, prejudicada pelo anúncio de que o órgão regulador de seguros do país proibiu 2 seguradoras de venderem produtos online, (2) da EUROPA, sem uma direção única, Inglaterra 0,5%, França -0,1% e Alemanha 0,1%, com destaques de queda par as ações do setor financeiro, que reage com preocupação a notícias do banco italiano Monte dei Paschi, e destaques de alta para as ações das mineradoras, diante da valorização do minério e das perspectivas de aumento da demanda por infraestrutura pelo novo governo norte-americano e (3) dos EUA, também com poucos negócios, S&P -0,8%, DJ -0,6% e NASDAQ -0,9%, prejudicadas pelo aumento da tensão diplomática com Israel e pelo anúncio de que em NOV/16 as vendas pendentes de imóveis caíram -2,5%, patamar bem pior do que o esperado (0,5%).

Finalmente “terminando o ano que não acaba”, em 2016 aconteceu tudo que poderia acontecer de ruim para o Brasil e para 2017, mesmo que o governo Temer consiga terminar o ajuste fiscal e o Congresso aprove as reformas necessárias (Previdência e Trabalhista), há muito trabalho pela frente e o cenário segue incerto, já que no Brasil a Lava Jato segue atuando, na Europa a crise dos refugiados vai aumentar e nos EUA Trump assume o comando e mostrará suas reais intenções.

Como, por conta da crise econômica, do alto patamar da taxa de juros e da instabilidade política do país, o investidor privado, com toda a razão, coloca o pé no freio, neste ano de 2016 o volume de recursos investidos em Parcerias Público-Privadas caiu -52,6% na comparação com o auferido em 2015.

De certa forma apoiando os projetos de seu ministro da justiça, que quer colocar todos os maconheiros do país na cadeia, o governo Temer, que ao que tudo indica prefere torrar grana com o “remédio” ao invés de colocar dinheiro na prevenção, anunciou ontem um repasse de R$ 1,2bi para construção de mais presídios no país e também para aquisição de novos equipamentos de segurança.

Depois de decidir, com toda a razão, vetar o programa de recuperação criado para Estados em situação de insolvência, o presidente Temer pediu à sua equipe econômica para encontrar outra maneira de socorrer os governadores desses Estados no curto prazo.

Por conta da intensificação da tesão política e do aumento da expectativa de alta dos juros nos EUA após a eleição de Trump, os investidores estrangeiros voltaram a reduzir sua participação entre os principais aplicadores em títulos da dívida mobiliária federal, de 14,90% em OUT/16 e 18,79% em DEZ/16, atingiu 14,44% em NOV/16.

Focando naquilo que é seu principal negócio, a Petrobrás, “desinchando para deslanchar”, aprovou ontem as duas últimas operações de venda de ativos em 2016, que somam juntas o valor de US$ 587 milhões, fechando assim o primeiro ciclo de seu programa de desinvestimentos com uma receita de US$ 13,6bi, apenas US$ -1,5bi abaixo da meta proposta em 2015.

Segundo estimativas do setor, se depender apenas do que ocorrer da porteira para dentro das fazendas, 2017 será um ano espetacular para a agricultura tupiniquim, com ganho de produtividade, expectativa de clima favorável e aumento da área plantada, porem as incertezas estão da porteira para fora onde os “temores” são (1) a implementação de políticas protecionistas pelo governo Trump nos EUA, (2) o elevado patamar dos estoques globais e (3) a manutenção da crise econômica brasileira.

Provando, pela enésima vez, que o livre mercado é sempre a melhor opção, os lojistas brasileiros estão bastante otimistas e gratos com a decisão do governo Temer de permitir a cobrança de preços diferentes dependendo do meio de pagamento, o que inclusive pode ajudar a reduzir a pressão inflacionária e os juros do cartão de credito e as taxas cobradas pelas operadoras, que ficam com uma parte do valor da venda e demoram 30 dias para repassá-lo aos empresários.

Política:

Ontem o deputado André Figueiredo, do PDT do Ceará e que quer ser candidato à presidência da Câmara, foi ao Supremo Tribunal Federal pedir para que a ministra Cármen Lúcia, presidente da Corte, proíba o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, de concorrer à eleição da Casa, marcada para 2/FEV/16.

Em um movimento ainda difuso, enquanto parte da Câmara luta pela harmonia com o Ministério Público, deputados começam a falar em coletar assinaturas para criar uma CPI dos Supersalários logo na volta do recesso parlamentar e o foco seriam procuradores e juízes.

Mostrando toda a incoerência petista, ontem, logo após Lula afirmar que pretende voltar à presidência do PT em 2017, o prefeito petista Edinho Silva, ex-ministro de Dilma que vai governar pela terceira vez Araraquara, afirmou que seu partido precisa reconhecer seus erros e, a partir disso, reivindicar suas conquistas, para continuar tendo relevância no cenário político brasileiro.

Confirmando que “é injusta a justiça tupiniquim”, segundo uma pesquisa da FGV, o tempo médio de vigência de uma liminar até que ela seja julgada coletivamente pelo Supremo Tribunal Federal foi de 403 dias entre 2011 e 2015, porem o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado, determinado, em DEZ/16, pelo ministro Marco Aurélio Mello, foi apreciado e revertido em plenário em apenas 2 dias.

Dando sequencia à pendenga entre legislativo e judiciário, a decisão da Justiça em SP na última semana de cortar o reajuste dos vereadores da capital, concedido por eles próprios, incendiou parte da bancada paulista em Brasília.

Crítica:

Como sabe que para ocorrer um ato de corrupção também é necessário, alem de um corrupto (político ou funcionário publico) e  um corruptor (empresário), um “veículo corruptivo” para distribuir o fruto do furto, os investigadores da Lava Jato avisaram que em 2017 o foco das operações também vai se voltar para o sistema financeiro tupiniquim.

Cobertos de razão, diante da premissa verdadeira de que um Estado sem grana para pagar salários dos funcionários públicos não pode torrar grana com festa, os bombeiros e policiais do RJ querem cancelar a tradicional festa de réveillon da cidade.

Apresentando uma definição fantástica, o jornal britânico "Financial Times" publicou uma reportagem na qual classificou a Odebrecht como uma "máquina de propina", alertando também que para limar a corrupção no Brasil é necessária uma reforma que reduza os custos das campanhas políticas e os incentivos para as fraudes.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário