R.B. 9/JAN/19 "Quem precisa de quem"



"Quem precisa de quem"

São Paulo, 9 de janeiro de 2019 (QUARTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve voltar a subir, mesmo após bater mais um recorde histórico de alta (aos 92.031pts) no pregão anterior, beneficiada pelo aumento das “apostas” de aprovação de uma reforma da Previdência mais profunda e novamente seguindo o “humor positivo” das principais bolsas mundiais e a valorização das commodities e (2) o DÓLAR pode cair, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pelo clima positivo dos investidores com o governo Bolsonaro, que derrubou o risco Brasil para o menor patamar em 8 meses (183pts).

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,4%, retornando à sua trajetória de alta após a realização de lucros do pregão anterior, beneficiada pelo movimento ascendente das principais bolsas mundiais, impulsionada pela valorização das commodities e animada com a proposta “mais ousada” de reforma da previdência que deve ser apresentada pelo governo Bolsonaro e (2) o DÓLAR caiu -0,5% à R$ 3,71,  para fechar o dia no menor patamar desde 1/NOV/18, influenciado pelos mesmos motivos que animaram a bolsa tupiniquim e também pelas expectativas de aumento do fluxo positivo de recursos externos oriundos de exportações, captações e “investimentos”.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, sem uma tendência única, Japão 0,8%, com as exportadoras beneficiadas pela desvalorização da moeda local (o iene) frente ao dólar e China -0,3%, devolvendo os ganhos do pregão anterior, (2) da EUROPA, Inglaterra 0,7%, França 1,1% e Alemanha 0,5%, acompanhando o movimento ascendente das bolsas de NY, impulsionadas pela valorização das commodities e beneficiadas por avanços nas negociações do animadas Brexit e (3) dos EUA, em alta pelo terceiro pregão seguido, S&P 1,0%, DJ 1,1% e NASDAQ 1,1%, diante do avanço das negociações com Pequim, o que impulsionou principalmente as ações do segmento industrial, como Boeing (3,8%), Caterpillar (1,2%) e 3M (1,4%), tendo em vista que as empresas são mais sensíveis ao comércio global e têm forte exposição à economia chinesa.

Hoje, certamente indicando de maneira mais clara quais serão os próximos passos a serem dados pela autoridade monetária norte-americana, será divulgada a ata da última reunião do FED (“Copom” dos EUA).

Indicando que “em 2019 a Europa pode ser o problema”, ontem foi anunciado que (1) em NOV/18 a produção industrial alemã recuou -1,9% na comparação com OUT/18 e -4,7% na comparação com NOV/17 e (2) o índice de sentimento econômico da zona do euro, que mede a confiança de setores corporativos e dos consumidores, caiu de 109,5pts em NOV/18 para 107,3pts em DEZ/18, atingindo assim o menor patamar desde JAN/17.

Aumentando as chances de acordo, negociadores das 2 maiores economias do mundo, que são EUA e China, retomaram conversas, em Pequim, numa tentativa de superar divergências comerciais que começaram com acusações por Washington de que a China tem forçado empresas norte-americanas que operam no país asiático a transferir tecnologia.

Animando os investidores, (1) Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, “avisou” que já na próxima semana o presidente Bolsonaro apresentará sua proposta para a reforma da Previdência e (2) Paulo Guedes, superministro da Economia, afirmou que a proposta de reforma da Previdência a ser enviada ao Congresso vai incluir um regime de capitalização.

Dando novos sinais positivos da economia tupiniquim, (1) a indústria automotiva brasileira projeta alta de 11,4% nas vendas em 2019 na comparação com o ano passado e (2) segundo o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento, em 2019, após 3 anos seguidos de retração, as vendas de cimento devem crescer 3% na comparação com 2018.

Deixando bem claro que “acabou a farra”, ontem, em apresentação a representantes do setor produtivo, Carlos Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, “avisou” que sua equipe está proibida de discutir subsídios.

Modernizando o Brasil, a recente regulamentação da duplicata eletrônica, que acaba com a possibilidade de fraude em que um devedor consegue financiamentos de mais de um credor com uma mesma duplicata, implicará um aumento de cerca de 30% na oferta de serviços de antecipação de recebíveis.

-    A Airbus subiu 3,7% na bolsa de Paris, diante do anúncio de que a companhia atingiu sua meta de entregar 800 aeronaves comerciais em 2018.

Política:

Exímio conhecedor dos “atalhos do legislativo tupiniquim”, o deputado democrata Rodrigo Maia, que quer se reeleger na presidência da Câmara, ressaltou ontem que uma proposta de reforma da Previdência única tem “mais chances de sucesso” do que uma proposta que seja fatiada.

Mostrando “quem precisa de quem”, o governo chinês, principal comprador de produtos básicos tupiniquins, convidou parlamentares brasileiros, principalmente do partido do presidente Bolsonaro (o PSL), para passarem 10 dias no referido país asiático conhecendo novas tecnologias.

Vítima da incompetência eleitoral de Marina Silva, o partido REDE, que elegeu apenas 1 deputado federal, pediu ao STF para derrubar nova regra da Câmara que vai tirar dos partidos nanicos o direito a liderança e cargos comissionados.

Colocando o maior bandido da história do país mais próximo de sua segunda condenação, Rogério Aurélio Pimentel, ex-segurança de Lula, voltou a citar, em suas alegações finais no processo do sítio de Atibaia, o recebimento de envelopes de dinheiro da Odebrecht e ressaltou também que foi “capataz” das obras feitas por empreiteiras no imóvel.

Cumprindo o mais rápido que pode suas promessas de campanha, Bolsonaro (1) comunicou para o ONU a saída do Brasil do Pacto Global para a Migração, (2) já tem em suas mãos o decreto para facilitar a posse de armas, que deve ser editado na semana que vem e (3) determinou a paralisação de todos os processos de aquisição, desapropriação ou outra forma de obtenção de terras para o programa nacional de reforma agrária no país, medida que atinge também os cerca de 1,7 mil processos para identificação e delimitação de territórios quilombolas.

Crítica:

Com 18 anos de trabalho na instituição, Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente do Brasil, foi promovido para a assessoria especial da presidência do Banco do Brasil, substituindo um petista desqualificado que estava no cargo, o que obviamente foi um prato cheio para a oposição e para a impressa socialista tupiniquim.

Obviamente com medo de perder sua “bocona”, Tirso Meirelles, presidente do Sebrae-SP e que somente em 2018 recebeu R$ 400 milhões de dinheiro público, “alertou” que o corte proposto por Paulo Guedes nos recursos do Sistema S representará uma ruptura significativa nas atividades da entidade e representará um risco na sobrevivência dos pequenos negócios.

PAZ, amor e bons negócios;

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: rb@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário