R.B. 1/NOV/18 "Bolsomoro"



"Bolsomoro"

São Paulo, 1 de novembro de 2018 (QUINTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em alta com o "mercado animado" com a provável confirmação de Moro no "super" ministério da Justiça de Bolsonaro e novamente acompanhando a melhora do "humor" nas principais bolsas mundiais e (2) o DÓLAR pode cair, retornando à sua trajetória de baixa, influenciado pelos mesmos motivos que devem animar a bolsa tupiniquim e também pela expectativa de aumento do fluxo positivo de recursos externos oriundos de captações e destinados a investimentos.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,6%, para fechar o mês de OUT/18 acumulando uma valorização de 10,2%, ainda "animada" com a formação do governo Bolsonaro e desta vez também acompanhando a valorização das commodities e das principais bolsas mundiais e (2) o DÓLAR subiu 1,0% à R$ 3,72, recuperando perdas recentes, diante da valorização internacional da moeda norte-americana, porem mesmo assim fechando o mês acumulando uma retração de -8,1%, o que representa a maior baixa desde JUN/16.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 2,2% e China 1,3%, ajudadas pelo desempenho positivo dos mercados acionários de NY no dia anterior, para recuperarem uma parte das perdas acumuladas no mês, que foram respectivamente de -9,1% e -7,7%, (2) da EUROPA, também recuperando perdas recentes, Inglaterra 1,2%, França 2,3% e Alemanha 1,4%, beneficiadas pela divulgação de bons resultados corporativos, como da L'Oreal (6,7%), do Santander (2,9%) e da Telefónica (2,8%) e (3) dos EUA, S&P 1,1%, DJ 1,0% e NASDAQ 2,0%, impulsionadas pelo anúncio de que em OUT/18 a economia norte-americana criou 227 mil empregos, resultado muito acima da expectativa de analistas (180 mil), o que impulsionou principalmente as ações dos bancos, como Goldman Sachs (2,8%), Bank of America (2,7%) e Morgan Stanley (2,6%).

Conforme esperado por mais de 95% do "mercado", ontem, após o fechamento do pregão, o Copom decidiu, de forma unanime, manter novamente a taxa básica de juros da economia brasileira em 6,5%, o que representa o menor patamar da história, ressaltando que (1) a economia brasileira ainda se recupera de forma lenta, (2) o cenário externo permanece desafiador e (3) que a inflação deve se arrefecer a partir de NOV/18 por conta da queda do dólar.

Segundo analistas e estrategistas da BlackRock, que é a maior gestora de recursos do mundo, há uma animação dos investidores com as promessas do governo Bolsonaro de atacar o problema fiscal brasileiro por meio de uma reforma da Previdência, além de reduzir o número de ministérios e expandir as privatizações.

Ressaltando que os ganhos adicionais nos ativos do Brasil vão depender do sucesso do novo governo em avançar com as reformas econômicas, particularmente do inchado sistema de previdência, Lisa Schineller, diretora de ratings soberanos da agencia de classificação de riscos S&P, afirmou que a expectativa é que o ajuste fiscal tupiniquim avance de forma gradual e que Paulo Guedes, super ministro da economia de Bolsonaro, parece comprometido com esta agenda, mas que a dúvida neste momento é como se comportará o Congresso.

Guru econômico dos socialistas tucanos que, com o apoio da Folha de SP, quer arrumar uma boquinha no governo Bolsonaro, Armínio Fraga "avisou" que tem uma proposta de reforma da Previdência "brilhante" que pode economizar R$ 1,3tri em 10 ano com medidas como (1) a criação de uma renda mínima para idosos, (2) a instituição da Previdência dos militares, (3) a criação de fundos de pensões nos estados e (4) a equiparação das previdências pública e privada.

Coberto de razão, Sergio Rial, presidente do Santander Brasil, afirmou que a desconstrução de monopólios no sistema financeiro, muitos deles turbinados pelo setor público, é uma das questões primordiais a serem enfrentadas pelo governo Bolsonaro.

Reclamando que ainda vê as portas do país emperradas para o capital estrangeiro, representantes da indústria de mineração tupiniquim acreditam que o novo governo de Bolsonaro implementará medidas liberais que tragam maior segurança jurídica para empreendedores e investidores, atraindo bilhões de dólares em capital privado ao país.

Finalmente dando uma boa notícia para a economia tupiniquim, ontem foi anunciado que o Brasil subiu mais de 15 posições, saindo do 125º e chegando ao nada honroso 109º lugar, no ranking do Banco Mundial que avalia a facilidade de fazer negócios em 190 países.

-    A Vale subiu 5,3%, beneficiada pela alta dos preços do minério de ferro e pela melhora de sua recomendação de compra, promovida pelo UBS.
-    A BRF subiu 3,5%, beneficiada pelo anúncio de que a Rússia voltará a permitir importações de carnes suína e bovina de nove fornecedores do Brasil a partir de hoje.

Política:

Como "bandido defende bandido e policia defende polícia", a provável nomeação do juiz Moro para comandar o "super" ministério da Justiça de Bolsonaro está deixando petistas, raposas velhas da política e membros do Supremo Tribunal Federal desesperados, porém a Polícia Federal, o mercado financeiro e a opinião pública estão em estado de êxtase.

Dando mais motivos para os bandidos tupiniquins tremerem nas bases, o "super" ministério da Justiça que deve ser comandado por Moro vai elaborar um Plano Nacional contra a Corrupção, que se baseia nas experiências positivas aprendidas na Operação Lava Jato.

João Campos, reeleito deputado Federal pelo PRB de Goiás, que também é delegado e pastor evangélico, ganhou força na disputa pela presidência da Câmara, pois tem a simpatia de Bolsonaro, o presidente eleito.

Com um currículo invejável, que começa com sua formação como engenheiro do ITA, e a experiência de ser o único brasileiro a ir para o espaço, o astronauta Marcos Pontes foi escolhido por Bolsonaro para ser ministro da Ciência, Tecnologia e ensino superior, começando assim a reduzir a influência da esquerda nas universidades públicas do país.

Para o desespero de burocratas, vagabundos e rapinadores de dinheiro público, o desenho da Esplanada dos Ministérios de Bolsonaro começa a ganhar contornos finais, indicando uma redução à metade das atuais 29 pastas, o que trará uma enorme economia de recursos e agilizará os processos.

Bandido da pior espécie, Blairo "motosserra" Maggi, ministro da Agricultura de Temer, afirmou ontem que é contra a proposta de Bolsonaro de fundir sua atual pasta com o Ministério do Meio Ambiente, ressaltando que isto traria prejuízos ao país.

Com PT e PSDB aprofundando e reatando o namoro, que pode dar em casamento até atrás das grades, ontem o tucano Aécio e a petista Gleisi, que para manterem o fórum privilegiado desistiram de tentar a reeleição no Senado para concorrerem a uma vaga na Câmara, conversavam, confabulavam e articulavam animadamente no Congresso Nacional.

No curto prazo com medo de perder deputados do seu partido para o PSL e no longo prazo visando apoio para ser candidato à presidente em 2022, Ciro pretende ir a Brasília nas próximas semanas para conversar com Rodrigo Maia, do DEM.

Se insinuando para o novo governo eleito, deputado federal peemedebista Beto Mansur divulgou um vídeo em que diz ser "muito importante" que Bolsonaro comece a governar o Brasil com a reforma da Previdência aprovada.

Já que provavelmente seu esporte principal é jogar dinheiro público no lixo, Sergio Sá Leitão, atual ministro da Cultura, afirmou que é contra a ideia do governo de unir sua pasta à Educação, ressaltando que o melhor seria uni-la à do Esporte.

Defensores da doutrinação socialista as salas de aula, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal votou para manter a liminar de Cármen Lúcia que suspendeu as decisões que determinaram ações policiais em universidades federais que faziam propaganda eleitoral às vésperas do segundo turno das eleições.

Já sem fórum privilegiado, o tucano Beto Richa, ex-governador do Paraná que foi solto pelo "nobre" ministro do STF Gilmar Mendes, virou réus na Operação Radiopatrulha, do Ministério Público paranaense, que investiga um esquema de propina para desvio de dinheiro nas licitações de um programa para recuperação de estradas rurais.

Crítica:

Babacas dizem que Bolsonaro colocar o juiz Moro no ministério da justiça, criando o "Bolsomoro", pode legitimar a narrativa do golpe dos retardados dos petistas, porém o Brasil precisa parar de se preocupar com a opinião do PT e de seus "canetinhas de aluguel" já que, se excluirmos os que votaram no Haddad somente por ser contra o Bolsonaro, os "petistas raiz", que inevitavelmente são idiotas ou cúmplices, atualmente representam menos de 13% do eleitorado.

Antro de corrupção, comandado à décadas pelo presidente Temer, ontem a Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo) foi alvo de uma operação da Polícia Federal que prendeu o presidente da referia Estatal, o superintendente jurídico e o diretor de relações com o mercado.

PAZ, amor e bons negócios;

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: rb@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário