R.B. 29/NOV/17 "Socialista de nascimento e populista por vocação"



"Socialista de nascimento e populista por vocação"

São Paulo, 29 de novembro de 2017 (QUARTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, devolvendo o irrisório ganho do pregão anterior (0,1%) e reduzindo uma pequena parte da forte valorização acumulada no ano (23,1%), prejudicada pelo recuo das commodities e pela redução das “apostas” de aprovação da Reforma da Previdência e (2) o DÓLAR pode subir, com “boas chances” de fechar o mês de NOV/17 recuperando as perdas ainda acumuladas no ano (-1,2%), acompanhando a esperada piora do “humor” na bolsa tupiniquim e já influenciado pela “briga” para a formação de cotação de fechamento do mês.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,1%, recuperando as perdas da abertura e interrompendo uma sequência de 4 pregões consecutivos de queda, influenciada pelo bom desempenho das principais bolsas mundiais e pelos sinais positivos da economia tupiniquim e (2) o DÓLAR caiu -0,2% à R$ 3,21, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana após Jerome Powell, novo presidente do FED (“BC” dos EUA), que sinalizou que o aperto monetário norte-americano pode ser mais lento caso a inflação da referida maior economia do mundo continue fraca.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, sem uma tendência única, Japão -0,2%, realizando lucros recentes e com baixo volume de negócios e China 0,3%, beneficiada por “rumores” de que Pequim teria proibido fundos mútuos de fazerem grandes operações de vendas nesta semana, (2) da EUROPA, Inglaterra 1,0%, França 0,6% e Alemanha 0,5%, beneficiadas pela divulgação de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que elevou suas “apostas” de crescimento da economia da zona do euro de 2,1% para 2,4% neste ano e de 1,9% para 2,1% em 2018 e (3) dos EUA, novamente nos maiores patamares da história, S&P 1,0%, DJ 1,1% e NASDAQ 0,5%, impulsionadas pela expectativa em torno da aprovação da reforma tributária no Senado e por comentários de Jerome Powell, novo presidente do FED, que afirmou que o BC norte-americano pode avançar mais lentamente no aperto monetário caso a inflação do país continue fraca.

Após ressaltar que o ajuste fiscal brasileiro é um desafio que vai além das eleições de 2018, o Banco Mundial, coberto de razão, alertou que o Brasil poderia economizar até 2 pontos percentuais do PIB se reformulasse suas políticas de compensação tributária às empresas, concentrando sua política industrial no aumento da produtividade e no apoio direto às empresas em detrimento de medidas de gastos tributários ou subsídios indiretos.

Afetando diretamente o desempenho do PIB, o governo Temer decidiu que, para cumprir a regra do teto de gastos, em 2018 o Brasil terá que reduzir em -11% seus gastos com investimentos e custeio da máquina pública, que neste ano já estão no pior nível desde 2009.

Apresentando o primeiro resultado positivo após 6 meses, ontem o Tesouro Nacional anunciou que em OUT/17 registrou um superávit primário (receitas menos despesas antes do pagamento de juros) de R$ 5,1bi, reduzindo o déficit acumulado no ano para R$ -103,2bi, o que ainda é o pior resultado da série histórica, iniciada em 1997.

Segundo a ministra Grace Mendonça, advogada-geral da União, o acordo assinado entre bancos e poupadores, caso seja aceito pelo Supremo, colocará cerca de R$ 10bi em circulação na economia, impulsionando o PIB tupiniquim.

Defendendo os interesses dos trabalhadores, o Ministério Público de Contas pediu ao Tribunal de Contas da União que proíba o uso de recursos do FGTS para capitalizar a Caixa Econômica Federal e, com isso, ajudar o banco a cumprir novas exigências internacionais de solidez financeira.

Impulsionado pelo sucateamento da rede pública, pela permissão de entrada de capital estrangeiro e pelas altas margens auferidas, o setor de saúde privada no Brasil é um dos que apresentam maior crescimento no número de fusões e aquisições até o terceiro trimestre deste ano, com 32 operações no período, contra 8 em 2016 e 6 em 2015.

Acostumado a ser beneficiado por políticas protecionistas, subsídios e estímulos fiscais, Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz no Brasil, avisou que as montadoras tupiniquins fecharão as portas caso ocorra uma abertura comercial abrupta no setor.

Distorcendo a relação entre a oferta e a demanda e beneficiando vagabundos que ganham as coisas sem esforço, construtoras corruptas e políticos populistas, o programa Minha Casa Minha Vida, que é subsidiado com dinheiro público, responde por 77,8% dos 6,3 milhões de lançamentos imobiliários feitos no Brasil desde 2008.

-    A Eletrobrás caiu -1,9% e deve despencar hoje já que ontem, após o fechamento do pregão, por pressão dos velhos Coronéis, como Sarney, Collor e Renan, que querem manter seus feudos no setor elétrico tupiniquim, a Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou um relatório que prevê a necessidade de um referendo para a privatização de todas as empresas ligadas à referida estatal, o que praticamente inviabiliza qualquer operação.
-    A Samsung caiu -5,1% na bolsa da Coreia, após ter a recomendação de suas ações rebaixada pelo Morgan Stanley.

Política:

Para quem achava que com Alckmin na presidência do PSDB acalmaria o ninho tucano, ontem mesmo Arthur Virgílio, prefeito tucano de Manaus, afirmou que está decidido a guerrear nas prévias do partido pelo posto de presidenciável do PSDB na sucessão de 2018.

“Socialista de nascimento e populista por vocação”, ontem, como condição para votar favoravelmente à reforma da previdência, o PSDB enviou para o governo Temer 3 reivindicações de concessões nas áreas de aposentadoria por invalidez, acúmulo de benefícios e nas regras de transição para servidores públicos, o que obviamente se acatado reduzirá ainda mais a eficácia da reforma.

Pagando sua dívida com o comparsa Temer, que atuou fortemente para livra-lo da cadeia, ontem o senador tucano Aécio Neves, que ainda é presidente do PSDB, defendeu que seu partido feche questão a favor da reforma da Previdência.

Confirmando que a “missão é quase impossível”, sob condição de anonimato, um parlamentar que faz a ponte entre o Palácio do Planalto e o Congresso disse que o governo contabiliza hoje entre 230 e 240 votos a favor da reforma da Previdência e, mesmo na projeção mais otimista, o número máximo que se pode imaginar são 275 votos, patamar ainda distante dos 308 necessário para a aprovação da matéria.

Defendendo seu principal bandido com unhas e dentes, inclusive o comparando com São Tomás de Aquino, o programa de TV do PMDB, apresentado ontem à noite, mostrou que o partido acredita sim nas chances eleitorais de uma candidatura presidencial de Temer em 2018.

Com potencial para complicar ainda mais a vida de Lula, hoje Eike Batista prestará depoimento à CPI do BNDES e terá a chance de esclarecer a denúncia de que a OSX pagou propina ao referido bandido e líder petista por meio de José Carlos Bumlai e Fernando Baiano.

A Polícia Federal apreendeu no apartamento de Aécio Neves dois celulares registrados em nome de laranjas e descobriu que o motorista particular do referido tucano foi presenteado por ele com um quadro de Portinari.

Mais próximos do que nunca, o presidente Temer deve se reunir no final de semana com o governador de SP, Alckmin, para discutir a melhor maneira de ocorrer o desembarque do PSDB da Esplanada dos Ministérios.

Com menos de 2% das intenções de voto segundo as pesquisas, Meirelles, ministro da Fazenda, fez um cálculo político estratégico nas últimas semanas e decidiu investir de forma mais incisiva em busca do apoio de Temer e Rodrigo Maia à sua candidatura presidencial em 2018.

Enquanto o ideológico PSDB corre o risco de apenas metade de sua bancada apoiar a nova Previdência, o PP, chamado de fisiológico pelos tucanos, avisou ao presidente Temer que vai entregar 40 dos 46 votos que tem na Câmara.

A minuta do projeto do semipresidencialismo, articulada por Temer e pelo ministro Gilmar Mendes, do STF, prevê a extinção do cargo de vice-presidente e a criação de um “contrato de coalizão”, que seria celebrado pelos partidos que apoiam o presidente para balizar o programa de governo.

Crítica:

Fazendo crescer, novamente, as tensões geopolíticas envolvendo a Península Coreana, a Coreia do Norte, que é comandada por um ditador maluco, lançou ontem mais um míssil balístico no mar do Japão.

Como o brasileiro medíocre “sonha com um emprego público para nunca mais que trabalhar”, foi um fracasso o Programa de Desligamento Voluntário lançado pelo governo Temer para reduzir custos com servidores, que tinha a meta de atrair até 5.000 funcionários públicos e teve adesão de somente 76 pessoas.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário