R.B. 4/ABR/17 "Explica a escandalosamente elevada taxa de juros praticada no país"



"Explica a escandalosamente elevada taxa de juros praticada no país"

São Paulo, 4 de abril de 2017 (TERÇA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, devolvendo “com juros” os ganhos do pregão anterior, influenciado pelo recuo das commodities, acompanhando as perdas das demais bolsas mundiais e pressionado pelo julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE e (2) o DÓLAR pode subir, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana e a esperada piora do “humor” na bolsa tupiniquim.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,3%, com baixo volume de negócios (R$ 6,4bi) e na contramão das principais bolsas mundiais, sustentada pelo bom desempenho das ações do setor financeiro, que se recuperaram de baixas recentes e (2) o DÓLAR caiu -0,4% à R$ 3,12, também na contramão da trajetória internacional da moeda norte-americana, acompanhando o “humor positivo” na bolsa tupiniquim e influenciado pelo resultado melhor que o esperado da balança comercial brasileira em MAR/17.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, com poucos negócios devido ao feriado na China, Japão 0,4%, recuperando-se da mínima em 7 meses que atingiu no pregão anterior e impulsionado por ações ligadas ao consumo doméstico, (2) da EUROPA, intensificando as perdas ao longo do dia, Inglaterra -0,6%, França -0,7% e Alemanha -0,5%, em um movimento de cautela após uma explosão em um metrô em São Petersburgo, a Rússia, e com destaques de queda para as ações dos bancos, como Barclays (-1,6%), Deutsche (-2,8%) e Commerzbank (-1,3%) e (3) dos EUA, ensaiando uma realização de lucros recentes, S&P -0,2%, DJ -0,1% e NASDAQ -0,3%, prejudicadas pelo mesmo motivo que derrubou as bolsas europeias e também pressionadas pelo recuo das commodities e pelo anúncio de que o índice de atividade industrial do país ficou aquém do esperado em FEV/17.

Diante das dificuldades enfrentadas para a retomada da economia tupiniquim, o “mercado” (1) reduziu, de 9,0% para 8,75%, suas “apostas” para a taxa básica de juros do país no final deste ano, (2) diminuiu ainda mais, desta vez de 4,12% para 4,10%, suas expectativas para o IPCA de 2017, patamar cada dia abaixo do centro da meta (4,5%) e (3) manteve em 0,47% suas projeções para o PIB deste ano.

Tentando “manter a banda tocando enquanto o Titanic afunda”, ontem o BC brasileiro “garantiu”, em seu Relatório de Estabilidade Financeira referente ao segundo semestre de 2016, que apesar da elevação do risco de crédito concedido a empresas, do crescimento do desemprego e da piora da situação fiscal de Estados, o sistema bancário tupiniquim está preparado para lidar com um cenário de crise.

Prevendo arrecadar R$ 13bi com multas, ontem a Receita Federal informou que os contribuintes que quiserem aderir à nova repatriação, ou regularização de recursos ilegais no exterior, devem apresentar suas declarações e pagamento de multa e imposto até 31/JUL/17.

Finalmente apresentando o principal motivo que, além da falta de educação financeira da população, “explica a escandalosamente elevada taxa de juros praticada no país”, ontem foi divulgado que os 4 maiores bancos do Brasil (Caixa, Banco do Brasil, Bradesco e Itaú) concentram 79% do mercado de crédito no país.

Como, em tempo de “vacas magras” na economia mundial, “pirão pouco o meu primeiro”, no ano passado o número de barreiras erguidas contra produtos brasileiros por outros países aumentou de forma significativa, atingindo o nível mais elevado observado desde o início da década.

Confirmando que a operação “carne fraca” não prejudicou o comercio exterior tupiniquim, em MAR/17 a balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 7,1bi, o que representa o melhor resultado para o referido mês da série histórica, que começa em 1989, impulsionada principalmente por um crescimento de 20,1% das exportações na comparação com MAR/16.

Política:

“Batendo o pé” em um ponto fundamental da proposta, o deputado Arthur Oliveira Maia, relator da reforma da Previdência, “aviou” que pretende apresentar amanhã o seu parecer favorável a idade mínima de 65 anos para aposentadoria, sem diferenciar homens e mulheres.

Contrariando as vontades de Lula, o chefe da organização criminosa que quer a senadora Gleisi Hoffman no comando, o também senador petista Lindbergh Farias disse a apoiadores que manterá sua candidatura à presidência do PT.

Após FHC afirmar, com sua “elegância de sempre”, que iria gerar muita confusão eleições indiretas agora, em caso de cassação da chapa Dilma-Temer, o “nobre” presidente Temer foi para SP jantar com caciques tucanos no Palácio dos Bandeirantes.

Apesar de ser o autor da ação que hoje coloca em risco o mandato de Temer, o senador tucano Aécio Neves adota linha semelhante à de FHC e agora diz que “o melhor para o país é que Temer conclua o mandato fazendo as reformas que colocou em pauta”.

Mostrando que o modus operandi continuou após a saída de Sergio Cabral do governo do RJ, segundo Jonas Lopes Neto, filho do ex-presidente do TCE Jonas Lopes e delator ao lado do pai, o esquema de corrupção no Tribunal de Contas do Estado do RJ bancou R$ 900 mil em despesas do atual governador Luiz Fernando Pezão.

Começa hoje, e termina no mínimo em 4 meses, o julgamento, que também poderia ser classificado como “espetáculo teatral”, armado por Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, para julgar a chapa Dilma-Temer, que comprovadamente usou caixa 2 nas últimas eleições presidenciais e que tentará inocentar o atual presidente do Brasil.

Diante das especulações em torno de uma candidatura de João Doria em 2018, pessoas próximas ao governador Alckmin sugeriram que ele volte sua atenção para Brasília e tenha por lá um articulador de confiança de sua pré-campanha a presidente.

Tentando se fortalecer com o apoio de descontentes e de investigados, como ele, pela Lava Jato, o senador peemedebista Renan Calheiros, que é do seu partido no Senado, convocou a bancada do PMDB e ministros da sigla para um jantar na noite de hoje na sua casa.

“Atirando contra o próprio partido”, o deputado petista Vicente Cândido, relator da reforma política na Câmara, afirmou ontem que vai colocar em seu relatório a tipificação específica do crime de caixa 2, que é a movimentação de recursos eleitorais sem o conhecimento da Justiça.

Crítica:

Em sua coluna semanal na folha, Benjamin Steinbruch, diretor-presidente da CSN e 1º vice-presidente da Fiesp, sem nenhuma “vergonha na cara” afirmou, ilustrando como pensam os “grandes empresários tupiniquins”, que as investigações da Política Federal contra empresas corruptas, como a JBS e a Odebrecht, estão “dinamitando as empresas nacionais”.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário