R.B. 17/MAR/17 "Uma atitude suspeita e nada republicana"



"Uma atitude suspeita e nada republicana"

São Paulo, 17 de março de 2017 (SEXTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, retornando à sua trajetória de alta após a realização de lucros de ontem, beneficiada pelos sinais positivos da economia tupiniquim, como o sucesso dos leilões dos aeroportos e o saldo positivo de empregos em FEV/17, e acompanhando o valorização do petróleo e a alta das principais bolsas mundiais e (2) o DÓLAR pode cair, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pelo esperado “humor” positivo na bolsa brasileira.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu -0,7%, devolvendo uma parte da forte alta do pregão anterior (2,4%), influenciada negativamente pela piora do cenário político tupiniquim e também acompanhando o movimento descendente dos preços do petróleo e (2) o DÓLAR subiu 0,6% à R$ 3,12, assim como a bolsa “ajustando-se” após a forte baixa do pregão anterior, quando registrou a maior queda em 9 meses, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana e diante do desconforto com eventuais atrasos no andamento das reformas no Congresso e possíveis aumentos de impostos.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,1% e China 0,7%, ainda “embaladas” pela decisão de política monetária nos EUA, que indicou que o Fed (“BC” norte-americano) não terá pressa de aumentar juros, e também beneficiadas pelo anúncio do BC japonês de deixar seus estímulos monetários inalterados, (2) da EUROPA, Inglaterra 0,6%, França 0,6% e Alemanha 0,6%, reagindo positivamente à decisão de política monetária dos EUA, que no dia anterior ocorreu após o fechamento dos mercados europeus, e “aliviadas” com o resultado eleitoral na Holanda, onde o candidato populista de extrema-direita não se saiu tão bem quanto temido na disputa pelo Parlamento e (3) dos EUA, realizando lucros, S&P -0,2%, DJ -0,1% e NASDAQ -0,1%, pressionadas por ações de companhias de energia, diante das dúvidas dos investidores com aos cortes na produção dos membros do cartel da OPEP.

O governo quer aproveitar o pacote de notícias positivas para tentar convencer o mercado de que a economia brasileira está "blindada" das dificuldades políticas e, já trabalhando neste sentido, Meirelles, ministro da Fazenda, dirá no encontro ministerial do G20, que ocorre na Alemanha durante este fim de semana, que o Brasil mostrou que tem condições de recuperar o crescimento econômico e de fazer reformas estruturais, e que não foi contaminado pelas revelações da Lava Jato.

Considerado um sucesso pelo “mercado”, ontem o governo Temer conseguiu leiloar, com um bom ágio, os aeroportos de Porto Alegre, Salvador, Florianópolis e Fortaleza, em disputa realizada ontem e, indicando que, com regras claras e fazendo a coisa certa, o Brasil é atraente para investimentos, todos os vencedores da disputa foram empresas europeias.

Como precisa gerar notícias positivas, Temer já foi à publico “colher os frutos” do resultado do leilão de 4 aeroportos tupiniquins e, diante do sucesso da empreitada, o governo, que mostra que não tem medo de privatizar, já começou a planejar a próxima rodada de leilões, que deve ocorrer no início de 2018 e ter um pacote de até 8 aeroportos.

Dando um importante sinal positivo da economia tupiniquim, em FEV/17 o saldo entre demissões e contratações com carteira assinada no Brasil ficou positivo em 35,6 mil, o que termina com um ciclo ininterrupto de 22 meses consecutivos de resultados negativos deste importante indicador.

Indicando, pela enésima vez, que o setor imobiliário tupiniquim, que foi o ultimo a entrar na crise, ainda está distante do fundo do poço, em FEV/17 houve um aumento de 39% de ações movidas na Justiça de SP por causa da falta de pagamentos de aluguéis de imóveis na comparação com FEV/16.

Especializada em prejudicar o desenvolvimento do mercado financeiro tupiniquim, a CVM está apertando o cerco às incorporadoras e redes hoteleiras por ofertas públicas consideradas por ela irregulares de cotas de projetos hoteleiros no modelo de contrato de investimento coletivo.

Em busca de dinheiro para crescer, porem fugindo, com toda a razão, da pequena, monopolista, ineficiente e cara bolsa tupiniquim, as empresas brasileiras Netshoes, de comercio de calçados, e a companhia aérea Azul estão se preparando para lançar ações na Bolsa de Valores de NY.

Política:

Em “uma atitude suspeita e nada republicana”, Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, ofereceu, obviamente com dinheiro publico, um jantar para Serra, Rodrigo Maia, Aécio, Temer e outros políticos, quase todos com processos sendo julgados na referida mais alta corte do país, no qual foram debatidos assuntos perigosos como financiamento público de campanhas, voto lista fechada, anistia ao caixa 2 e, por mais incrível que possa parecer, uma proposta de desconstitucionalização do sistema eleitoral.

Mostrando como será difícil o governo aprovar a sua reforma da Previdência no modelo original, a bancada do PPS, partido do relator da referida reforma e que tem os ministérios da Defesa e da Cultura, “avisou”, por intermédio de seu líder na Câmara, que, sem a inclusão de emendas, não dará um voto sequer ao projeto original de Temer.

Ciente de que as boas notícias estão vindo do campo, o presidente Temer não tem poupado tempo para acompanhar esse setor e, além de participar de vários eventos, anunciou que vai receber no dia 23/MAR/17 a direção da Frente Parlamentar da Agropecuária, que é a combativa bancada ruralista, no Palácio do Planalto.

Com as denuncias contra os tucanos Serra, Alckmin e Aécio na Lava Jato, a defesa da candidatura de João Doria à Presidência em 2018 se tornou discurso corrente dentro do PSDB, já que dirigentes da sigla dizem que não se trata mais de afinidade, mas de escolher entre a chance de vitória e a certeza de uma derrota.

Crítica:

Peitando “o mais tenebroso e desalmado setor da economia mundial”, Trump, que mostra a cada dia que é o cara certo para liderar o Mundo atualmente, “aviou” aos executivos da indústria farmacêutica quer que os preços dos medicamentos baixem e a produção de remédios no pais aumente.

Provando, pela enésima vez, que no Brasil o crime de colarinho branco compensa bastante, pois bandido rico fica pouco tempo na prisão, o doleiro Alberto Youssef, um dos principais personagens da operação Lava Jato, entra hoje, no dia que sua prisão completaria 3 anos, em regime aberto.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário