R.B. 26/JUL/16 "Uma séria ameaça"



"Uma séria ameaça"

El Colorado, 26 de julho de 2016 (TERÇA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em queda, ainda realizando lucros recentes e em compasso de espera antes da reunião do FED (“BC” dos EUA), porem deve-se ressaltar que o patamar é interessante para compras, já que em AGO/16 o Brasil deve se livrar definitivamente de Dilma e (2) o DÓLAR pode seguir em alta, influenciado pelas crescentes “apostas” de que, nos próximos meses, a taxa básica de juros vai subir nos EUA e cair no Brasil.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu -0,3%, realizando lucros recentes, com baixo volume de negócios (R$ 5,7bi), prejudicada pela recuo internacional das commodities e acompanhando as perdas das demais bolsas mundiais e (2) o DÓLAR subiu 1,1% à R$ 3,29, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e impulsionado pelos leilões de compra do BC.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão -0,1% e China 0,1%, próximas da estabilidade e em clima de cautela antes de decisões de política monetária dos bancos centrais dos EUA e do Japão nesta semana, (2) da EUROPA, beneficiadas pelo anúncio de que a confiança empresarial alemã melhorou, Inglaterra 0,2%, França 0,2% e Alemanha 0,5%, com destaque de alta para as ações da aérea de baixo custo Ryanair (6,3%), após a companhia dizer que continua a caminho de seu maior lucro este ano e (3) dos EUA, realizando lucros após o S&P e o DJ fecharem nos maiores patamares da história, S&P -0,3%, DJ -0,4% e NASDAQ -0,1%, com destaques de queda para as empresas do setor e energia, como Exxon (-2,4%) e Chevron (-1,9%), prejudicadas pelo recuo do petróleo (-2,2%).

Fazendo “uma séria ameaça”, Meirelles, ministro brasileiro da Fazenda, “avisou” que, se os nossos congressistas “fanfarrões” não aprovarem logo a proposta de criar um teto para os gastos públicos, o país terá escolhido uma opção preocupante e terá um preço a pagar, como novas rodadas de aumento de impostos e juros mais altos por longo período, o que obviamente travará o crescimento.

Mostrando confiança na equipe econômica do governo Temer e começando a acreditar que a taxa básica de juros tupiniquim pode cair nos próximos meses, o “mercado” reduziu, de 7,26% para 7,21%, suas “apostas” para o IPCA, principal índice de a inflação do país, neste ano de 2016.

Como, pagando em alguns títulos uma taxa de juros real, que desconta a inflação, de cerca de 6% ao ano, o governo Temer tem vendido cada dia mais títulos públicos, em JUN/16 a dívida pública federal subiu 2,77% na comparação com MAI/16, atingindo R$ 2,99tr.

Indicando que a Olimpíada do RJ não servirá nem para impulsionar as vedas do setor esportivo, a projeção das vendas de vestuário é de um aumento de apenas 1,7% neste ano na comparação com 2015, o que não repõe nem a inflação estimada para o período (7,21%), e para o segmento de calçados o cenário é ainda mais tenebroso, com expectativas de queda de -5,7% no faturamento na mesma base de comparação.

Diante das crescentes expectativas de finalização do processo de impeachment de Dilma, de recuperação da economia brasileira, da aprovação de medidas da ajuste fiscal e que queda dos juros, a bolsa, que já foi o melhor investimento do primeiro semestre deste ano, com alta de 18,9%, deve se destacar também no segundo semestre e, segundo Sandra Blanco, consultora de investimentos da Órama, uma opção é investir em fundos de ações, já que eles são administrados por gestores que ficam o tempo todo analisando as ações e são mais ágeis para tomar decisões.

-    O Yahoo! caiu -2,7%, após o anúncio de compra da companhia pela Verizon, cujas ações recuaram -0,5%, por US$ 4,8bi.
-    O Banco do Brasil subiu 3,3%, após o Deutsche Bank ter elevado a recomendação do papel para compra.

Política:

Ganhando mais tempo na propaganda gratuita de rádio e TV e colocando uma mulher na chapa para poder rivalizar com a peemedebista Marta Suplicy, ontem Celso Russomanno, PRB, fechou um acordo com o PTB e terá Marlene Machado como vice em sua chapa à Prefeitura de SP.

Segundo Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral que já afirmou que o PT é uma facção criminosa, as eleições municipais deste ano serão um "experimento institucional", diante do impacto da Lava Jato no sistema político do país e também das novas regras eleitorais, que impõem restrições ao financiamento das campanhas.

Como agora o Brasil tem um presidente que respeita a propriedade privada e o estado democrático de direito, a Polícia Federal invadiu o Palácio Capanema, no centro do RJ, na manhã de ontem, para encerrar a ocupação iniciada há 2 meses por vagabundos contrários ao impeachment da ex-presidenta Dilma.

Dando mais um sinal de covardia, conforme prometido aos “nobres senadores”, o presidente Temer, sancionou ontem a medida provisória que trata de mudanças no setor aéreo tupiniquim, porem, ajudando as ineficientes e caras companhias aéreas brasileiras, vetou o aumento a ampliação em até 100% para a participação de capital estrangeiro nestes empresas.

Considerado exótico e/ou maluco pela maioria dos paulistanos, ontem o prefeito Haddad, ao lado do bandido e ex-presidente Lula, lançou oficialmente sua candidatura à reeleição, em uma chapa com PC do B, PDT, PR e PROS e ressaltando que sua eventual vitória será uma forma de "impedir o retrocesso no país" e "dar uma resposta ao Brasil".

Crítica:

Cometendo um crime, inclusive previsto na Constituição brasileira, um grupo de idiotas do Sul do Brasil, que se consideram uma “raça superior”, deseja separar Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul do Brasil e, sem medo da Lei, organiza um plebiscito informal marcado para 2/OUT/16, com 4.000 "urnas" nos 3 Estados.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário