R.B. 4/MAR/16 "Histórica 24ª fase da Lava Jato"


"Histórica 24ª fase da Lava Jato"

 

São Paulo, 4 de março de 2016 (SEXTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em alta, para fechar em território positivo pelo quinto pregão consecutivo, com os brasileiros "extasiados e esperançosos" com a já histórica 24ª fase da Lava Jato, que finalmente chegou à Lula e (2) o DÓLAR pode seguir em queda, para fechar o dia abaixo dos R$ 3,80, diante da expectativa de forte aumento do fluxo de recursos externos por conta do mesmo motivo que deve impulsionar a bolsa brasileira.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 5,1%, para fechar o dia no maior patamar desde 24/NOV/15 (aos 47.193pts), auferindo a maior alta percentual desde 29/OUT/09 e registrando um incrível volume de negócios (R$ 13bi), impulsionada especialmente pelo forte aumento das chances de queda da presidenta Dilma, de prisão do ex-presidente Lula e de morte política do PT e (2) o DÓLAR caiu –2,1% à R$ 3,81, para fechar em território negativo pelo quarto pregão seguido e no menor patamar desde 10/DEZ/15, influenciado exclusivamente pelo noticiário político-policial que animou a bolsa brasileira.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 1,3%, em alta pela terceiro dia consecutivo, mais uma vez sustentada por sinais positivos da economia dos EUA e China 0,4%, com os investidores à espera do Congresso Nacional do Povo, uma importante reunião política que começa no fim de semana e durante a qual Pequim deverá anunciar planos para estimular a economia, (2) da EUROPA, realizando lucros após 5 pregões seguidos de alta, Inglaterra –0,3%, França –0,2% e Alemanha –0,2%, com destaque de queda para as ações da companhia química Evonik (-12,0%), após a empresa sinalizar uma queda em seu lucro principal ajustado em 2016, e das farmacêuticas Roche e GlaxoSmithKline, após a agência de classificação de riscos Moody's cortar a perspectiva da indústria farmacêutica global para "estável" ante "positivo" e (3) dos EUA, com baixa volatilidade S&P 0,3%, DJ 0,3% e NASDAQ 0,1%, sustentando-se em alta diante da relativa estabilização do preço do petróleo, em um dia em que os investidores foram cautelosos em fazer grandes movimentos, à espera dos dados do mercado de trabalho norte-americano.

 

Comandado por uma presidenta sem capacidade técnica e política e que para piorar é cercada e assessorada por corruptos, oportunistas e picaretas, o Brasil registrou no ano passado uma queda de –3,8% no seu PIB, o que representa o pior resultado desde 1990 e, como a economia segue em queda neste ano de 2016, o país caminha para o pior desempenho bienal desde o século 20.

 

Os números mais negativos do PIB brasileiro em 2015 são, (1) a queda de –14,1% dos investimentos, que acumulam 10 trimestres de baixa, (2) a retração de –4,0% no consumo das famílias, o que é o pior desempenho em pelo menos 25 anos e o primeiro resultado negativo em 11 anos, (3) o recuo, pela primeira vez desde 1990, de –2,7% no setor de serviços, que responde por cerca de 70% do PIB e (4) a derrocada de –6,2% da produção industrial, que voltou para o mesmo patamar de 2011.

 

Desmontando o discurso hipócrita da presidenta Dilma de que a crise tupiniquim é causada por problemas externos, a retração de –3,8% do PIB brasileiro em 2015 só foi melhor que as graves crises enfrentadas por Ucrânia e Venezuela, que no ano passado encolheram respectivamente –10,4% e –5,7%.

 

Mostrando que, com a manutenção de Dilma na presidência do país, as coisas podem piorar ainda mais, diante do caos político e da falta de confiança do setor produtivo e dos consumidores, neste ano de 2016 as projeções dos economistas já apontam para uma disparada do desemprego e uma retração superior a -4% do PIB.

 

Sem explicar como fará este milagre, ontem, em resposta à retração histórica do PIB brasileiro em 2015, o Ministério da Fazenda se ateve a afirmar, por meio de uma nota, que a economia tupiniquim poderá voltar a crescer ainda neste ano pois o governo tem realizado uma série de iniciativas que permitirão a retomada da renda e do emprego.

 

Apesar da disparada aqui no Brasil, que inclusive tem pressionado a inflação, segundo uma agencia da ONU os preços globais dos alimentos ficaram estáveis em FEV/16, se mantendo próximos de mínimas de 7 anos, conforme altas em óleos vegetais e carne compensaram quedas em cereais, açúcar e laticínios.


Política:
 
Aumentando para mais de 70% as chances de queda do governo Dilma, de prisão do ex-presidente Lula e de morte política do PT, ontem foi divulgada a delação premiada do senador petista Delcídio do Amaral, que aliás por força da Lei foi negada pelo referido picareta, na qual é revelado que (1) a presidenta interferiu na Lava Jato, sabia de tudo do acerto da refinaria de Pasadena, foi responsável direta pela nomeação de Nestor Cerveró na diretoria da Petrobrás e atuava intensamente para tentar soltar criminosos, como Marcelo Odebrecht e José Carlos Bumlai e (2) o maior bandido da história do Brasil mandou pagar pelo silencio de Nestor Cerveró, comprou o silêncio de Marcos Valério e pressiona CPI do CARF para proteger sua família.

 

Fazendo mais alegre a sexta-feira de todo brasileiro honesto e trabalhador, na manhã de hoje a Polícia Federal realizou a 24ª fase da Operação Lava Jato na casa do ex-presidente Lula, que inclusive já foi levado de forma coercitiva para depor em Curitiba, onde despacha o juiz federal Sergio Moro, para explicar o seu envolvimento com as empreiteiras que roubaram a Petrobrás e com o pecuarista José Carlos Bumlai.

 

Transformando, pela primeira vez na história do Brasil, o presidente da Câmara Federal em réu, ontem, por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal acatou a denuncia de corrupção e lavagem de dinheiro contra o deputado peemedebista Eduardo Cunha, que por sua vez já enfrenta um pedido de cassação de mandado na Câmara.

 

Comentando a bombástica delação premiada do senador petista Delcídio do Amaral, Celso de Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal, afirmou que as instituições brasileiras são sólidas o suficiente para suportar qualquer tipo de repercussão ou consequência, ressaltando que na República são todos iguais perante a lei e a Constituição.

 

Se esquecendo de dizer que meses atrás Delcídio do Amaral era o líder do governo no Senado, José Eduardo Cardozo, agora ministro da Advocacia-Geral da União, afirmou que o referido senador petista não tem credibilidade e está fazendo a delação premiada para se vingar pois não foi socorrido pelo PT quando foi preso.

 

Certamente também com o rabo preso, já ontem, animada com a delação premiada de Delcídio do Amaral, a oposição decidiu voltar a trabalhar com foco no pedido de impeachment da presidenta Dilma e a estratégia inicial é tentar atrair cada vez mais parlamentares do PMDB para o processo.

 

Nas reuniões com congressistas do PDT e do PRB, a presidenta Dilma foi aconselhada a deixar o PT e, apesar de não ter reagido ao ouvir a sugestão, alguns aliados já avaliam que sua desfiliação do partido seria a única forma de reduzir a crise e de tentar salvar seu pescoço da degola.


Crítica:
 
Orquestrada pelo brilhante juiz federal Sergio Moro, a "histórica 24ª fase da Lava Jato", que finalmente chegou à Lula, só foi executada pois certamente já existe material mais que suficiente para colocar o referido ex-presidente na cadeia e começar uma limpeza ética e moral na política tupiniquim, com reflexos inclusive em membros da oposição.

 

Ontem, após a queda de -3,8% do PIB em 2015, a menção direta a ela na delação de Delcídio do Amaral e a decisão pela manutenção da prisão preventiva do marqueteiro João Santana, Dilma foi dormir de cabeça quente, porem a petista terá hoje um dia muito pior, diante da já histórica 24ª fase da Lava Jato, que finalmente chegou à Lula.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso site: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário