R.B. "Apostas para 2016 e avaliação de 2015"

São Paulo, 1 de janeiro de 2016 (SEXTA-FEIRA).
Assim como entre 2002 e 2009 tudo conspirava à favor do Brasil, no horizonte tupiniquim de 2016 se apresenta uma ''tempestade perfeita'' e até uma eventual queda de Dilma, apesar de certamente injetar animo nos investidores, deixará uma ''herança maldita'' para ser paga.

Nos EUA economia e juros sobem um pouco mais, a China para de reduzir seu crescimento, a Europa segue tentando se recuperar, e aos poucos vai conseguir, e as commodities, na melhor das hipóteses, param de cair.

A falta de capacidade técnica da presidenta e as pressões do PT já fizeram o governo dar uma ''guinada à esquerda'', segurando a taxa de juros e aumentando os gastos públicos, ''se lixando'' para a inflação.

Tudo leva a crer que por aqui a economia vai ''azedar'' mais, com aumento do desemprego, inflação em alta e menos confiança dos investidores e da população, além disto, certamente o clima político vai piorar, diante das eleições municipais e dos desdobramentos das investigações policiais, das CPIs e dos processos de cassação de mandato, de parlamentares e da presidenta.

Apesar de a segunda lei espiritual indiana dizer que ''sempre acontece o que deve acontecer'', desta vez foram feitas duas ''apostas'' para o final de 2016, uma com a manutenção de Dilma no poder e outra levando em consideração a sua queda.
 "Com Dilma"


Indicador
''Aposta'' para 2016
Ibovespa
40.000pts
Dólar
R$ 4,95
Juros
14,75%
PIB
-5,0%
Inflação
10,0%
Exportações
US$ 200bi
Desemprego
11%

 "Sem Dilma"


Indicador
''Aposta'' para 2016
Ibovespa
65.000pts
Dólar
R$ 4,25
Juros
16,00%
PIB
1,0%
Inflação
7,0%
Exportações
US$ 250bi
Desemprego
9,0%



"Avaliação das apostas de 2015"

A reeleição de Dilma em 2014, pautada na mentira e na maledicência e financiada com dinheiro de corrupção, começou a cobrar o preço em 2015.

A equivocada nova matriz econômica tupiniquim, baseada no aumento de gastos públicos, credito fácil e consumo, se esgotou, afetando seriamente as contas públicas e levando o país a uma resseção, agravada internamente pela crise política e externamente pela queda das commodities e pela desaceleração da China.

O elevado patamar do dólar não facilitou as exportações, que em 2015 recuaram cerca de -14% na comparação com 2014, já que o país bate no atual governo um recorde de mais longo período sem assinar nenhum acordo comercial, com isto a balança comercial tupiniquim só fechou o ano em superávit por conta de uma queda maior das importações (-24% na comparação com 2014).

Por fim, o desemprego fecha o ano em forte trajetória de alta, diante da desaceleração da economia e da falta de confiança dos investidores.

Indicador
''Aposta'' de 2015
Realizado em 2015*
Ibovespa
70.000pts
43.350pts
Dólar
R$ 3,00
R$ 3,95
Juros
13,00%
14,25%
PIB
-0,5%
-3,7%*
Inflação
6,0%
10,7%*
Exportações
US$ 250bi
US$ 190bi*
Desemprego
6,5%
8,4%*

(*) valores aproximados, já que falta a divulgação oficial.


PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com




Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil


Nenhum comentário:

Postar um comentário