R.B. 23/DEZ/15 "Apresentando a conta"


R.B.

"Apresentando a conta"

 

São Paulo, 23 de dezembro de 2015 (QUARTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subiu, recuperando mais uma parte das perdas acumuladas no ano (-13,3%), acompanhando o movimento ascendente das principais bolsas mundiais e a valorização das commodities e (2) o DÓLAR pode cair, ainda devolvendo mais uma pequena parte da forte alta acumulada no ano (51,1%), influenciado pela esperada melhora do "humor" na bolsa brasileira e pelos leilões de venda do BC.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,6%, com baixo volume de negócios (R$ 4,7bi) e tentando esboçar uma recuperação parcial da baixa acumulada nos últimos 12 meses (-13,3%), principalmente com Petrobrás (2,3%) e Vale (3,2%), diante da valorização internacional das commodities e (2) o DÓLAR caiu –0,6% à R$ 3,99, também em um movimento de acomodação após a forte alta do pregão anterior, em uma sessão tranquila e com oscilações limitadas pela liquidez mais modesta.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, novamente sem uma tendência única, Japão –0,2%, em queda pelo terceiro dia consecutivo, ainda influenciada pelo frustrante anúncio do BC local de ajustes em seu programa de relaxamento para impulsionar a economia e combater a deflação do país e China 0,3%, após o governo local anunciar medidas para enfrentar problemas de longo prazo, como o excesso de capacidade industrial, e também para equilibrar melhor o mercado imobiliário, (2) da EUROPA, em um dia marcado por volume reduzido de negócios, por causa da aproximação dos feriados, Inglaterra 0,8%, França 0,1% e Alemanha 0,1%, com a recuperação dos preços das commodities beneficiando as ações dos setores de energia e mineração, como BP (2,9%), BG (3,3%), Shell (2,9%), Glencore (3,4%) e Anglo American (5,7%) e (3) dos EUA, em alta pela segunda sessão seguida, S&P 0,9%, DJ 1,0% e NASDAQ 0,6%, desta vez beneficiadas pela recuperação dos setores de energia, matérias-primas e industrial, que foram fortemente castigados ao longo do ano.

 

Com o governo cuidando das contas publicas com a mesma irresponsabilidade com que Dilma cuida dos seus investimentos pessoais, segundo dados oficiais do Tesouro Nacional, em NOV/15 o estoque total da dívida pública federal brasileira cresceu 2,66% na comparação com OUT/15, atingindo o patamar recorde de R$ 2,7tri, pressionado principalmente pela evolução da dívida interna.

 

"Apresentando a conta", a ser paga por todos os brasileiros, da incompetência administrativa do governo Dilma, a recessão brasileira de 2015, além de causar aumento do desemprego (de 4,8% em NOV/14 para 7,5% em NOV/15), vai custar ao país cerca de R$ 240bi, que são bens agrícolas e industriais que deixaram de ser produzidos e serviços que não foram prestados.

 

Ressaltando que nunca viu tanto pessimismo com o país e que está esgotado o modelo de desenvolvimento baseado em expansão do crédito, redistribuição de renda e consumo interno, Carlos Braga, professor de Economia Política Internacional no IMD, que é uma das escolas de negócios mais relevantes do mundo, alertou que o Brasil precisa se voltar para fora e se dedicar ao aumento das exportações.

 

Afetando a produção futura, a atividade de exploração de petróleo no Brasil fechará 2015 com o pior resultado desde a abertura do setor ao investimento privado, em 1998, o que é fruto da retração nos investimentos da Petrobrás, abalada por escândalos de corrupção, e também das companhias privadas, diante da forte que do petróleo no mercado global.

 

Podendo destravar os investimentos em infraestrutura, segundo advogados especializados, com a publicação de uma medida provisória que altera regras sobre a leniência, uma onda de empresas vão se apresentar à Controladoria-Geral da União para fechar acordos, que funcionam como uma delação premiada para pessoas jurídicas.

 

Como fruto do aumento da inadimplência, que subiu de 5,0% em OUT/15 para 5,2% em NOV/15, e principalmente da enorme falta de educação financeira dos brasileiros, a taxa média de juros cobrada nos cartões de credito atingiram estratosféricos 415,3% ao ano no mês passado, o que representa o maior patamar desde o início da atual série histórica, em MAR/11.

 

Registrando uma leve melhora após cair vertiginosamente em NOV/15 ao seu patamar mais baixo desde 2008, em DEZ/15 o índice que mede o nível de confiança do pequeno e médio empresário no Brasil para o primeiro trimestre de 2016 subiu 6,9% e chegou a 58,9pts.

 

Apesar do país não fechar acordos comerciais com ninguém, Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, afirmou que o Brasil vai registrar superávit comercial de até US$ 35bi em 2016, patamar muito acima do resultado projetado para este ano (US$ 17bi).


Política:
 
Se aproximando cada vez mais do maior bandido da história do Brasil, a Receita Federal abriu uma ação para fiscalizar a movimentação financeira do Instituto Lula, que recebeu vultosas doações de empresas envolvidas na Operação Lava Jato, que apura um esquema de corrupção na Petrobras, como as empreiteiras Odebrecht e Camargo Corrêa.

 

Mostrando que ser amigo do ex-presidente Lula tem se tornado uma enorme roubada, o BNDES, que está há 1 ano sem receber do grupo empresarial de José Carlos Bumlai, que por sua vez está preso e já virou réu na Operação Lava Jato, ingressou com um pedido de falência "imediata" das empresas dele.

 

Contrariando a recomendação do Tribunal de Contas da União, o senador governista Acir Gurgacz, do PDT de Roraima e relator das chamadas pedaladas fiscais na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, apresentou ontem seu parecer pedindo a aprovação com ressalvas das contas de 2014 da presidenta Dilma, o que ainda precisa ser referendado pelo Congresso e pode abrir um perigoso precedente para todos os prefeitos e governadores do país descumprirem a Lei de responsabilidade fiscal.

 

Mudando ligeiramente o tom de seu discurso, ontem a presidenta Dilma afirmou pela primeira vez que o processo de impeachment, por si só, não é golpe, porem ressaltou que o processo vira golpe quando não há nenhum fundamento legal e garantiu que tem uma vida ilibada.

 

Na tentativa de evitar que o processo de cassação contra Eduardo Cunha seja reiniciado, o relator do caso no Conselho de Ética, Marcos Rogério, pretende impedir que o recurso ingressado pela tropa de choque do referido peemedebista seja analisado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

 

Em mais um episódio de fogo amigo, embora seja visto como "um dos nossos" pelo PT, petistas afirmam que Nelson Barbosa terá pouco tempo de lua de mel com o partido do governo, ressaltando que já em JAN/16 cobrarão do novo ministro da Fazenda "alguma novidade" para reanimar a economia.


Crítica:

 

Segundo Kleber Cabral, vice-presidente da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais, o projeto de repatriação de recursos no exterior, defendido pelo governo Dilma como uma forma de arrecadar até R$ 160bi, é uma lei da anistia a sonegadores, que ficarão protegidos por sigilo fiscal e pagarão menos imposto do que os demais contribuintes.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário