R.B. 22/DEZ/15 "O mercado não é bobo"


R.B.

"O mercado não é bobo"

 

São Paulo, 22 de dezembro de 2015 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em queda, rumo aos 40.000pts, com os investidores fugindo do país, diante da crescente falta de confiança no futuro, que é por sua vez fruto da péssima capacidade técnica e política do governo Dilma e (2) o DÓLAR pode seguir em alta, consolidando os R$ 4,00 como novo suporte e rumo aos R$ 5,00 até o final de 2016, pressionado pelos "rumores" de que a agência de classificação de risco Moody's, seguindo a S&P e a Fitch, rebaixará ainda este ano sua "nota" do Brasil para grau especulativo.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –1,6%, revertendo uma abertura positiva, na qual chegou a avançar 0,8% sustentada pelo vencimento de opções, para fechar o dia no menor patamar desde 1º/ABR/09 (aos 43.199pts), com os investidores recebendo de forma bastante pessimista a substituição de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no cargo de ministro da Fazenda e (2) o DÓLAR subiu 1,4% à R$ 4,02, na contramão da trajetória internacional da moeda norte-americana, para fechar o dia no maior patamar desde 29/SET/15, influenciado pelo mesmo motivo que derrubou a bolsa brasileira.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão –0,4%, com destaques de queda para as exportadores, como Murata Manufacturing (-2,2%) e Panasonic (-2,6%), diante dos temores de que as medidas de relaxamento monetário do BC local resultarem no fortalecimento da moeda do país (o iene) frente ao dólar e China 1,8%, com investidores prevendo que os fundos de seguros continuarão a comprar as ações de grandes empresas, (2) da EUROPA, revertendo uma abertura positiva, Inglaterra –0,3%, França –1,3% e Alemanha –1,0%, em um pregão marcado pela alta do euro frente ao dólar e por nova queda dos preços do petróleo e (3) dos EUA, tentando iniciar um "rali de Papai Noel" após 2 pregões seguidos de queda, S&P 0,8%, DJ 0,7% e NASDAQ 0,9%, com destaques de alta para as ações dos setores de telecomunicações e de tecnologia, como Apple (1,3%) e Intel (1,2%).

 

Usando o termo "tempestade perfeita", a agência de classificação de risco Moody's, que provavelmente seguirá a S&P e a Fitch e cortará a classificação da dívida do país para grau especulativo, afirmou ontem que é brusca a velocidade com que as projeções de crescimento para o Brasil pioraram, ressaltando que para piorar a situação do país os problemas políticos se agravam a cada dia.

 

Para azedar ainda mais o humor dos investidores, ontem, justamente no dia da posse de Nelson Barbosa como novo ministro da Fazenda, o deputado petista José Guimarães, líder do governo na Câmara, defendeu uma política econômica com menos "ajuste fiscal", mais crédito para consumo, liberação de empréstimos aos estados e aumento da dívida para "reaquecer a economia", ressaltando inclusive que o Brasil precisa de "menos mercado" e "mais Estado".

 

Com o pessimismo aumentando por conta da troca de Joaquim Levy por um ministro da Fazenda alinhado com as cresças econômicas da presidenta Dilma, o "mercado" elevou, pela 14ª semana seguida, suas projeções para o IPCA deste ano, desta vez de 10,61% para 10,7%, e reduziu pela quinta semana consecutiva, desta vez de –3,62% para –3,70%, suas "apostas" para o desempenho do PIB brasileiro em 2015.

 

Claramente sem nenhuma noção das asneiras que fala, ontem a presidenta Dilma, pressionada pela maior recessão desde o período Collor e ameaçada por um processo de impeachment, afirmou, ao dar posse à sua nova equipe econômica, que ajuste fiscal e retomada do crescimento "podem e devem vir juntos".

 

Mostrando que "o mercado não é bobo", Sidnei Moura Nehme, diretor da NGO Corretora, ressaltou que, se a intenção é persistir na mesma linha de austeridade, absolutamente necessária para o País nesta fase de caos na economia e em especial na política fiscal, não havia justificativa para a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no cargo de ministro da Fazenda.

 

Dando novos sinais negativos da economia brasileira, (1) com uma desvalorização de –34% este ano, o real está consolidando sua posição como moeda de pior desempenho este ano e (2) logo após a teleconferência do novo ministro tupiniquim da Fazenda com analistas e investidores, os CDS, que é uma espécie de seguro contra o calote da dívida do país, passou de 500 pontos pela primeira vez desde 29/SET/15.

 

Prejudicando a economia tupiniquim, baseada em exportação de produtos básicos, o petróleo Brent atingiu ontem a menor cotação em mais de uma década, por conta de um aumento incansável na produção mundial que parece destinada a continuar inundando o mercado em 2016.

 

Diante da forte desvalorização do real frente ao dólar, (1) as exportações de soja do Brasil para a China saltaram 297% em NOV/15 na comparação com o mesmo mês de 2014 e (2) nos 11 primeiros meses deste ano os gastos dos turistas brasileiros com viagens internacionais caíram -31% na comparação com o mesmo período de 2014.


Política:
 
Com a justiça tupiniquim usando a premissa de que "pagando bem que mal tem", a Alstom aceitou pagar uma indenização de cerca de R$ 60 milhões para se livrar de um processo em que é acusada de pagar propina para conquistar um contrato de fornecimento de duas subestações de energia, em 1998, para uma empresa do governo de São Paulo, na gestão do tucano Mário Covas.
 
Oportunista, como sempre, o senador tucano Aécio Neves afirmou, logo após a divulgação de uma pesquisa indicando que Michel Temer tem uma enorme rejeição da população, que o referido vice-presidente foi parceiro da gestão que fez o Brasil retroceder 20 anos, ressaltando que os tucanos não devem "nem sequer pensar em cargos" em um eventual governo capitaneado pelo referido peemedebista.

 

O relatório final da CPI do BNDES, em especial a parte que tratará da área de "contratos internos" do banco de fomento, pegará pesado com a JBS, que no começo do governo Lula era um simples abatedouro e hoje é a maior exportadora e processadora de alimentos do mundo.

 

Fazendo um contraponto a Renan Calheiro, o Coronel que preside o Senado Federal, Eduardo Cunha, a ratazana que presidente da Câmara dos Deputados, defendeu ontem a recondução, em MAR/15, do gangster Michel Temer, vice-presidente do Brasil, ao cargo de presidente nacional do PMDB.

 

-    Em um ano, a presidenta Dilma superou o ex-presidente Fernando Collor de Mello (que tem 20%) e agora aparece, para 37% dos brasileiros, como a titular do governo em que mais houve casos de corrupção no Brasil.
-    O empresário João Dória, pré-candidato tucano à prefeitura de SP, está decidido a manter a "linha fina" diante da reação enérgica de colegas de partido contrários ao apoio de Geraldo Alckmin à sua candidatura.

Crítica:

 

Revelando, pela enésima vez, a falta de capacidade técnica e ética do governo Dilma, por um suposto erro contábil, descoberto por Joaquim Levy na reunião do Conselho de Administração do BNDES em 27/MAR/15, que envolveu o BC e obrigou 4 bancos estatais a corrigirem informações sobre a contabilidade desde o fim de 2013, o patrimônio do BNDES passou a R$ 30,7bi em 31/DEZ/14, menos da metade dos R$ 66,3bi publicado antes desta correção.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário