R.B. 21/OUT/15 "Pá de cal"


R.B.

"Pá de cal"

 

São Paulo, 21 de outubro de 2015 (QUARTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, devolvendo os ganhos registrados no pregão anterior, prejudicada pelo recuo das commodities e pela nova divulgação de dados negativos da economia chinesa, que é o principal destino das exportações tupiniquins e (2) o DÓLAR pode subir, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pelo mesmo motivo que deve derrubar a bolsa brasileira.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu -0,8%, realizando lucros após 3 pregões seguidos de alta, pressionada principalmente por vendas de investidores estrangeiros e influenciada pelos ''rumores'' de uma possível revisão do déficit das contas do Governo Central em 2015 e (2) o DÓLAR subiu 0,4% à R$ 3,90, em alta pelo terceiro pregão consecutivo, para romper com facilidade a ''resistência'' dos R$ 3,90, o que não acontecia desde 5/OUT/15, acompanhando a piora do ''humor'' na bolsa brasileira, diante da cautela com as indefinições do cenário interno.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,4%, ajudada pela perspectiva de mais medidas de estímulo por parte do BC local, que terá uma reunião na semana que vem e China 1,1%, diante das ''apostas'' de que Pequim amplie seus arsenal de estímulos monetários e fiscais e com destaques de alta para as petrolíferas, (2) da EUROPA, realizando lucros recentes, Inglaterra -0,1%, França -0,6% e Alemanha -0,2%, prejudicadas por declarações de autoridades do BC Europeu afirmando que o nível de estímulos atual é adequado e com destaques de queda para as ações de empresas de commodities, como BHP Billiton (-1,1%) e ArcelorMittal (-2,9%) e (3) dos EUA, realizando lucros após 3 pregões consecutivos de alta, S&P –0,1%, DJ –0,1% e NASDAQ –0,5%, com destaque de queda para as ações da IBM (-5,7%), que anunciou uma receita muito abaixo das estimativas.

 

Com mais de 90% do "mercado apostando" que a Selic será mantida em 14,25%, já que apesar da alta da inflação a economia do país segue encolhendo, hoje, após o fechamento do pregão, termina a reunião do Copom brasileiro que certamente anunciará que a taxa básica de juros tupiniquim seguirá no maior patamar desde AGO/06.

 

Mostrando uma total falta de habilidade em lidar com as contas públicas, integrantes da área econômica admitiram que, se houver o pagamento de todos os gastos represados nas pedaladas fiscais identificados pelo Tribunal de Contas da União, existe uma enorme possibilidade de o déficit primário tupiniquim chegar próximo a R$ -70bi neste ano de 2015.

 

Rasgando a lei de responsabilidade fiscal, hoje o governo Dilma deve oficializar um déficit primário de até R$ –50bi nas contas públicas do país deste ano, o que vai representar o segundo ano consecutivo com rombo neste critério no Orçamento da União.

 

Henrique Meirelles, o escolhido de Lula para o lugar de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda, mostrou o quanto é arrogante, pretensioso e vaidoso, já que segundo "rumores", para assumir o comando da equipe econômica de Dilma, ele exige nomear o ministro do Planejamento e o presidente do BC.

 

Dando mais um sinal negativo da economia brasileira e indicando que o Natal de 2016 será péssimo, segundo uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, em OUT/15 o indicador que mede a intenção de consumo das famílias ficou em 78,4pts, o que representa uma queda de –35,5% na comparação com OUT/14 e também o menor patamar desde o início da série histórica, em 2010.

 

Mesmo ainda sem uma tecnologia capaz de "estocar o vento", como sugeriu recentemente a presidenta Dilma, as tarifas mais competitivas e os custos cada dia mais baixos fizeram do setor eólico o destaque do leilão de energia A-5, voltado a projetos a serem entregues em cinco anos, a partir de 1º de janeiro 2021.

 

Por conta da menor demanda global por produtos básicos, da falta de parcerias comerciais com grandes economias e do acirramento da competição em mercados estratégicos, a indústria brasileira tem que exportar cada dia mais por menos, já que em 2015 o preço médio da tonelada enviada pelo país ao exterior alcançou US$ 1.500, o que representa uma queda de –15% na comparação com 2014, um recuo de –25% na comparação com 2011 e também o menor nível desde 2009, quando o mundo ainda vivia os efeitos da crise financeira global.

 

-    A Petrobrás subiu 1,1%, após uma vitória parcial da empresa na Justiça dos EUA, em ação movida por 11 fundos que compraram ações da estatal brasileira.


Política:
 
Podendo representar a "pá de cal" que faltava para acabar definitivamente com o já minúsculo apoio popular que tem o governo Dilma, o deputado Ricardo Barros, que é relator da lei orçamentária de 2016, "avisou" ontem que pretende propor um corte de R$ –10bi na previsão de despesas com o Bolsa Família no ano que vem, valor que equivale a 35% do total de recursos direcionados ao programa.

 

Totalmente "comprado e blindado" pelo governo Federal, o peemedebista Renan Calheiro, presidente do Senado, anunciou ontem que concederá um prazo de até 45 dias para a presidenta Dilma apresentar sua defesa ao parecer do Tribunal de Contas da União que rejeitou suas contas de 2014.

 

Com a habilidade de quem mente sem fazer nenhuma força, em resposta ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que classificou o governo do PT como o mais corrupto do mundo, a presidenta Dilma afirmou ontem, diretamente da Finlândia, que não há corrupção na sua gestão, ressaltando também que não teme os pedidos de impeachment por parte da oposição.

 

Sem medo de ser assassinado como aconteceu com Celso Daniel, o advogado e ex-vereador petista Alexandre Romano, que é o mais novo delator da Lava Jato, afirmou em seus depoimentos que dividia propinas ligadas a contratos do Ministério do Planejamento com o ex-ministro Paulo Bernardo e com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari.

 

Para reforçar seus argumentos, além do parecer do Ministério Público do TCU, a oposição vai anexar ao pedido de impeachment da presidenta Dilma ao menos 4 decretos assinados pelo governo em 2015 que aumentaram em R$ 800mi as despesas do Executivo sem autorização dos parlamentares.

Crítica:

 

Prejudicando cada dia menos a população, que recorre a caixas eletrônicos e a contas on-line, e mostrando cada dia mais "o quanto são dispensáveis", ontem os bancários, que estão em greve desde o começo de OUT/15, rejeitaram mais uma proposta de reajuste, desta vez de 7,5%, feita pelos representantes das instituições financeiras, ressaltando que querem 16% e aumento.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário