R.B. 2/SET/15 "Apanhando pela esquerda e pela direita"


R.B.

"Apanhando pela esquerda e pela direita"

 

São Paulo, 2 de setembro de 2015 (QUARTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, tentando uma recuperação técnica após 3 pregões consecutivos de queda, acompanhando a leve melhora do cenário externo, porem deve-se ressaltar que o cenário de curto prazo ainda é negativo, principalmente diante da cada vez mais inevitável redução da "nota" do Brasil pelas agencias de classificação de risco e (2) o DÓLAR pode cair, também em um ajuste após fechar o pregão anterior no maior patamar desde 13/DEZ/02, seguindo esperada recuperação da bolsa brasileira.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –2,5%, para fechar em baixa pelo terceiro dia seguido, novamente com bom volume de negócios (R$ 6,7bi), acompanhando as perdas das principais bolsas mundiais e influenciado pelo crescente aumento das ''apostas'' de que o Brasil vai perder o grau de investimentos e (2) o DÓLAR subiu 1,7% à R$ 3,69, atingindo assim o maior patamar desde 13/DEZ/02, mesmo com os leilões de venda do BC, já que foi influenciado pelos mesmos motivos que derrubaram a bolsa brasileira e aumentaram a fuga dos investidores do país.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão –3,8% e China –1,2%, prejudicadas pela divulgação de dados piores do que o esperado do setor industrial chinês, que atingiu o menor patamar em 3 anos, e pelo anúncio de que Pequim vai deixar de reforçar o mercado acionário, (2) da EUROPA, Inglaterra –3,0%, França –2,4% e Alemanha –2,4%, diante de preocupações com a economia chinesa e com os impactos na zona do euro diante da crescente onda de imigração e (3) dos EUA, iniciando SET/15 em baixa depois de ter registrado em AGO/15 o pior mês para as ações em mais de 3 anos, S&P –3,0%, DJ –2,8% e NASDAQ –2,9%, já que dados ruins da China ofuscaram os índices positivos da economia norte-americana, como os gastos com construção, que subiram para seu nível mais alto em mais de 7 anos, impulsionados por um aumento na construção de casas, fábricas e usinas de energia.

 

Segundo a analista Shelly Shetty, da agência de classificação de risco Fitch Ratings, a revisão na meta de superávit primário do governo para pagar sua dívida está muito abaixo do cenário-base usado pela referida agencia em ABR/15, quando o Brasil recebeu a penúltima classificação dentro da faixa considerada como grau de investimento.

 

Apesar de se dizer contra a privatização da Petrobras, o governo Dilma, diante da urgência em aumentar as suas receitas, planeja a a venda de ativos de estatais, como a empresa elétrica Celg e parte da BR Distribuidora, para reduzir a pressão sobre o Tesouro, que já espera um déficit de R$ –30bi nas contas públicas no ano que vem.

 

Ao invés de reduzir gastos públicos para colocar em ordem suas contas, o governo Dilma divulgou ontem uma série de medidas com o objetivo de aumentar a arrecadação, o que obviamente vai prejudicar ainda mais a economia brasileira, como (1) o fim da isenção de IOF para empréstimos do BNDES, (2) o aumento da base de cálculo para a tributação de direitos autorais e de imagem recebidos por meio de pessoa jurídica, (3) a elevação dos impostos sobre vinhos e destilados, (4) o fim da desoneração da folha de pagamento e (5) o reajuste, de 3,65% ou 9,25%, do PIS/Cofins para computadores, tablets, smartphones, modems e roteadores.

 

Dando mais um sinal negativo da economia brasileira, em JUL/15, que aliás teve temperaturas bem acima da média histórica, o consumo de energia pelas residências brasileiras registrou uma retração de –2,9% na comparação com JUL/14, o que representa a maior queda nesta base de comparação dos últimos 10 anos.

 

Segundo projeções otimistas do boletim FipeZap, que devem ser bastante questionadas, o preço médio do metro quadrado dos imóveis brasileiros anunciados para venda deve subir 0,9% em 2015 e em JUN/16 deve registrar uma queda de -4,8% na variação acumulada nos últimos 12 meses.

 

Em AGO/15 o Brasil registrou um superávit comercial de US$ 2,7bi, valor mais do que o dobro do saldo registrado há 1 ano, porem isto ocorreu por conta da disparada do dólar e da retração da economia brasileira, que causou uma forte redução de –33,7% nas importações na comparação com AGO/14, já que as importações caíram –24,3% na mesma base de comparação.

 

-    A Smiles recuou -8,7% e a Gol caiu -8,2%, após a referida companhia aérea informar que concluiu a contratação de empréstimo de US$ 300 milhões por meio da subsidiária Gol LuxCo, em operação que faz parte dos acordos com a parceira americana Delta Air Lines para reforçar sua liquidez.


Política:
 
"Apanhando pela esquerda e pela direita", ontem o governo da presidenta Dilma foi criticado na TV (1) pelo PSOL, que pediu a cabeça do ministro da Fazenda e afirmou que a ministra da Agricultura apoia o trabalho escravo, e (2) pelo PMDB, que afirmou que o Brasil precisa de mudança e que nada pode parar a verdade.
 
Ressaltando que, assim como a presidenta Dilma, não respeita delatores, ontem Marcelo Odebrecht, presidiário e presidente afastado da empreiteira Odebrecht, afirmou à CPI da Petrobras rejeita a hipótese de um acordo de colaboração premiada na Operação Lava Jato e que considera natural ter tratado de negócios da sua empresa com o ex-presidente Lula.

 

Após "brincar de gato mia" e ficar 3 horas calado na CPI da Petrobrás, o ex-ministro José Dirceu foi indiciado pela Polícia Federal pelo por formação de quadrilha para desvios de recursos em contratos da estatal investigados pela Operação Lava Jato.

 

Também apanhando pela esquerda e pela direita, ontem a presidenta Dilma recebeu criticas do (1) economista Delfin Neto, que afirmou que o país caminha para uma "tragédia fiscal" e (2) do jurista Hélio Bicudo, fundador do PT, que apresentou ontem, na Câmara dos Deputados, um pedido de impeachment contra ela.

 

Ainda remando para o lado oposto do governo, que trabalha para aumentar a arrecadação, ontem a Câmara dos Deputados aprovou o texto principal do projeto de lei que amplia o número de contribuintes que podem entrar no Supersimples, sistema tributário para empresas de menor porte, elevando o teto do faturamento anual destas empresas de R$ 360 mil para R$ 900 mil.


Crítica:
 
Tomando mais uma "bola nas costas" da Argentina, a Petrobrás recorreu à Suprema Corte do país vizinho para não perder o controle de uma área de exploração de petróleo e gás na província de La Pampa, já que a concessão da área chamada Jagüel de los Machos termina no próximo dia 6/SET/15 e o governador kirchnerista Oscar Mario Jorge já comunicou a empresa brasileira que vai transferir o controle dos campos de exploração para a estatal Pampetrol.
 
Representando uma vitória para os lobistas dos segmentos de cervejas e refrigerantes, representados principalmente pela Ambev, que ficaram fora da medida, entra em vigor em 1/DEZ/15 o aumento na tributação de vinhos e destilados, nacionais e importados, que segundo previsões do governo Dilma vai gerar uma arrecadação extra de R$ 1bi no próximo ano.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário