R.B. 22/SET/15 "Transferindo dinheiro publico para as agencias de publicidade e para os meios de comunicação"


R.B.

"Transferindo dinheiro publico para as agencias de publicidade e para os meios de comunicação"

 

São Paulo, 22 de setembro de 2015 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em queda, ampliando as perdas já acumuladas no ano (-6,8%), desta vez influenciada pela queda das principais bolsas mundiais, afetadas pela redução das expectativas de crescimento da China e pelo recuo das commodities e (2) o DÓLAR pode cair, em um "ajuste técnico" após as fortes altas recentes, influenciado pelos leilões de venda do BC e seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –1,4%, com baixo volume de negócios para um dia de vencimento de opções (R$ 7,7bi), na contramão da trajetória ascendente das principais bolsas mundiais e ainda prejudicada pelas perspectivas cada dia mais negativas para a economia e para a política brasileira e (2) o DÓLAR subiu 0,7% à R$ 3,98, no maior patamar desde 10/OUT/02, mesmo diante de 2 leilões de venda do BC, acompanhando a piora do "humor" na bolsa brasileira e influenciado pelo fluxo negativo de recursos externos.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão não operou devido a feriado local e China 1,9%, apagando perdas da abertura, em meio à expectativa de que a visita de Xi Jinping aos EUA esta semana leve à cooperação em projetos de infraestrutura, (2) da EUROPA, Inglaterra 0,1%, França 1,1% e Alemanha 0,3%, recuperando-se de perdas recentes, com o otimismo no mercado após as eleições na Grécia, no último domingo, e destaques de alta para as ações dos fabricantes de medicamentos, como a Nordisk (2,9%) e Shire (1,1%), que tiveram sua recomendações de compra elevadas e (3) dos EUA, retornando à trajetória de alta após e sessões seguidas de queda, S&P 0,5%, DJ 0,8% e NASDAQ 0,1%, diante de declarações de 2 dirigentes regionais do Fed, Jeffrey Lacker, de Richmond, e James Bullard, de St. Louis, ressaltando que a economia norte-americana recuperou-se o suficiente para justificar uma elevação das taxas de juro de curto prazo neste ano.

 

Causando mais impactos negativos na economia brasileira, o BAD, que é a sigla para Banco Asiático de Desenvolvimento, rebaixou na madrugada de hoje sua previsão de crescimento da China em 2015 para 6,8%, abaixo dos 7,2% estimados pela entidade em MAR/15, citando principalmente o enfraquecimento da demanda externa, que é um dos principais motores da segunda maior economia do mundo, e o baixo patamar do valor das matérias-primas, incluindo o petróleo e os alimentos.

 

Piorando constantemente suas expectativas econômicas para o Brasil, o "mercado" (1) rebaixou, desta vez de –2,44% para –2,70%, suas "apostas" para a retração do PIB em 2015 e (2) elevou, desta vez de 9,28% para 9,34%, suas previsões para a inflação oficial, medida pelo IPCA, neste ano.

 

Mostrando que o "mercado" pode ser considerado otimista ao prever uma retração de "apenas" –% para o PIB brasileiro este ano, em JUL/15 o IBC-Br, que é um índice que serve como referência para avaliar o ritmo da economia tupiniquim ao longo dos meses, recuou –4,25% na comparação com JUL/14.

 

Ajudando a reduzir ainda mais as vendas e assim desinflar mais rapidamente a bolha do mercado imobiliário brasileiro, que ao que tudo indica deve causar uma queda de no mínimo –30% no preço médio dos imóveis, ontem a Caixa Econômica Federal, que é a maior financiadora habitacional do país, anunciou, pela terceira vez no ano, uma nova rodada de aumento nas taxas de juros para a compra da casa própria.

Ontem, exatamente  uma semana após o presidente do BC, Alexandre Tombini, ser criticado por senadores governistas e da oposição por manter os juros elevados em um momento de recessão, o economista Altamir Lopes, que é funcionário de carreira do BC, foi anunciado como o novo diretor de Política Econômica da instituição, que é responsável pela elaboração das projeções de inflação e pelos principais documentos divulgados pela referida autoridade monetária, como o Relatório Trimestral de Inflação e a ata do Copom.

 

Usando até questões ambientais para defender seu ajuste fiscal, Joaquim Levy, ministro da Fazenda, afirmou ontem que aumentar a cobrança de Cide (o imposto sobre os combustíveis) sobre a gasolina favorece a economia verde, pois estimula o consumo de etanol.


Política:
 
Aumentando a lista de petistas enjaulados, ontem João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa no âmbito da operação Lava Jato e na mesma ação penal Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, recebeu uma pena de 20 anos e 8 meses de detenção pelos mesmos crimes.

 

Controlando todas as ações do governo, o que é lastimável, a presidenta Dilma Rousseff iniciou ontem as primeiras negociações para colocar em prática a reforma ministerial, mas ouviu de lideranças do PMDB que o partido, mesmo perdendo possivelmente 3 cargos de primeiro escalão, não pretende indicar novos nomes para o ministério.

 

Tentando uma reação diante da proliferação das discussões sobre o impeachment no Congresso, a presidenta Dilma decidiu escalar um time de ministros que atuam diariamente para dissuadir, obviamente em troca de cargos e de recursos para seus currais eleitorais, antigos aliados e até opositores de embarcar no movimento por seu afastamento.

 

Diante da falta de convicção de que há apoio suficiente para manter os vetos a propostas que representam gastos bilionários aos cofres públicos, a presidenta Dilma pediu aos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, que impeçam a realização da sessão conjunta do Congresso marcada para a noite de hoje.

 

A recusa de Michel Temer em indicar um nome para o ministério de Dilma foi vista por peemedebistas como a consolidação do descolamento do vice em relação à presidente, já que sem um pedaço na Esplanada atribuído a ele, o referido vice-presidente fica "alforriado" para tomar as decisões que considerar convenientes.

 

-    A presidenta Dilma não foi chamada para participar e o PT usará apenas o ex-presidente Lula em suas inserções de TV e rádio na próxima semana para defender o legado do partido e, nas palavras de um dirigente petista, "mostrar que há luz no fim do túnel".

-    Com a convicção de que o ajuste fiscal afasta o partido dos movimentos sociais, o PT, sob a condução do ex- presidente Lula e de seu presidente Rui Falcão, decidiu levar à presidenta Dilma uma proposta de redução da taxa de juros e taxação de grandes fortunas.

-    Após a cúpula do PMDB se recusar a indicar nomes para a nova equipe que a presidenta Dilma está montando, o governo, com cada dia mais medo do impeachment, passou a cogitar entregar o Ministério da Saúde ao partido, ampliando a influência do aliado.


Crítica: 

 

"Transferindo dinheiro publico para as agencias de publicidade e para os meios de comunicação" do governo Dilma, nos 4 anos de seu primeiro mandato, gastou, segundo dados oficiais, R$ 9,0bi em publicidade estatal, valor 23% superior do seu antecessor, o também petista Lula, que consumiu R$ 7,3bi no seu segundo mandato, e mais do que o dobro do que gastou o tucano FHC (R$ 4,1bi) também no seu segundo mandato.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário