R.B. 1/JUL/15 "Provando e mostrando"


R.B.

"Provando e mostrando"

 

São Paulo, 1 de julho de 2015 (QUARTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, acompanhando a melhora do "humor" nas principais bolsas mundiais, após o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciar que está disponível para aceitar as condições impostas pelos credores europeus "com pequenas correções" e (2) o DÓLAR pode subir, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana, diante da divulgação de dados positivos da economia dos EUA e da redução, ao menos momentânea, das tensões na Europa.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,1%, acompanhando a melhora do ''humor'' nas bolsas de NY, após um pregão com alguma volatilidade, já que na mínima recuou –0,4% e na máxima avançou 0,7%, e com bom volume de negócios (R$ 6,7bi), para fechar o mês acumulando ganho de 0,6% e o primeiros semestre com alta de 6,1% e (2) o DÓLAR caiu -0,2% à R$ 3,11, influenciado pela ''briga'' para a formação da cotação de fechamento do semestre e na contramão da trajetória internacional da moeda norte-americana.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,6%, recuperando uma pequena parte das perdas registradas no pregão anterior (-2,9%) e com destaques de alta para a Fast Retailing (1,8%) e para a KDDI (2,1%) e China 5,5%, impulsionada pela divulgação de novos estímulos pelo governo local, como a redução do imposto de selo sobre a compra de ações, (2) da EUROPA, em mais um dia de perdas, causadas principalmente pela falta de sinais claros sobre qual rumo será tomado pela crise da dívida grega, Inglaterra -1,5%, França -1,6% e Alemanha -1,2%, desta vez com destaques de queda para as mineradoras, como BHP Billiton (4,0%) e Anglo American (-3,2%) e (3) dos EUA, recuperando no final do dia uma pequena parte das perdas registradas no pregão anterior, S&P 0,3%, DJ 0,1% e NASDAQ 0,6.%, com os investidores reagiu positivamente à notícia de que a Grécia apresentou um novo pedido de ajuda financeira à União Europeia, fazendo algumas concessões exigidas pelos credores internacionais, e a divulgação de dados animadores da economia norte-americana, como o índice de atividade dos gerentes de compras de Chicago, que subiu de 46,2pts em MAI/15 para 49,4pts em JUN/15.

 

Se tornando o primeiro país desenvolvido a dar calote, ontem, conforme já se esperava, a Grécia não pagou a dívida de 1,6bi de euros que tinha com o FMI, com isto o país fica impedido de receber novos financiamentos, elevando os temores de entrar em colapso econômico e sair da zona do euro, porem na manhã de hoje o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou que está disponível para aceitar as condições impostas pelos credores europeus "com pequenas correções".

 

Ressaltando que está "confiante" que Grécia e União Europeia encontrarão "uma solução adequada para ambos os lados", Joaquim Levy, Ministro brasileiro da Fazenda, afirmou ontem que o Brasil está em situação "relativamente confortável" e "não deve se precipitar" no enfrentamento das consequências do calote da Grécia, ressaltando que o país tem reservas cambiais e um eficiente programa de Swap.

 

-    Sofrendo as consequências da derrocada do setor imobiliário, cujas vendas despencaram, para o mês de JUL/15 os varejistas do setores de design e decoração prometem uma segunda temporada de liquidação e de descontos que podem chegar a até –80%.

 

Como fruto da retração da atividade econômica e do aumento da taxa básica de juros, a Selic, nos 5 primeiros meses deste ano o setor publico brasileiro acumulou um superávit de apenas R$ 25,6bi, resultado (1) -19% inferior aos R$ 31,5bi verificados no mesmo período de 2014, (2) que é o pior da história das estatísticas oficiais do governo, (3) que reduziu as chances de cumprimento da meta fixada para este ano (R$ 66,3bi ou 1,2% do PIB) e (4) que elevou a dívida bruta brasileira para 62,5% do PIB, o que representa o maior patamar já registrado na contabilidade pública e um forte aumento na comparação com o valor registrado no mesmo período do ano passado (54,3% do PIB).

 

Pressionando mais a inflação e com a população ainda pagando a conta da burrada que a presidenta Dilma cometeu em 2012 ao forçar a redução das tarifas de energia para fazer populismo, a partir de sábado os consumidores residenciais e industriais da Eletropaulo, em SP, terão mais um aumento nas suas contas de luz, desta vez de 17,04%  e 11,73% respectivamente.

 

Principalmente por conta de leis trabalhistas e tributárias confusas, complexas e sempre em mudança, segundo uma pesquisa feita pela consultoria Grant Thornton com 2.571 empresários de 36 países, 49% dos empresários brasileiros afirmaram já ter terceirizado os serviços de folha de pagamento, contra 25% na na média global.

 

Contando com a simpatia da Petrobrás, que está preocupada com a falta de caixa nos próximos anos para bancar seus investimentos, avançou mais um pouco no Congresso a proposta para mudar as regras de exploração do pré-sal, que atualmente determina não só que a referia Estatal seja a operadora única como tenha no mínimo 30% de todos os campos de exploração no país.

 

-    A Vale caiu -4,7%, afetada pelo recuo das mineradoras na Europa, pela forte baixa do preço do minério de ferro e pela revisão em baixa da perspectiva de preços tanto por parte do governo australiano como por parte de várias corretoras.


Política:
 
Contrariando a vontade de quase 90% da população e atendendo aos desejos do governo Dilma, que insiste em defender bandidos, ontem à noite o Plenário da Câmara rejeitou a Proposta de Emenda Constitucional que previa a redução da maioridade penal de 18 anos para 16 anos de idade para os crimes considerados graves.
 
Com o objetivo de agradar os taxistas, mesmo que isto prejudique os consumidores e a livre iniciativa privada, ontem a Câmara Municipal de vereadores de SP aprovou, por 48 a 1, o projeto de lei que proíbe o uso de aplicativos de carona remunerados na cidade, como o inovador Uber, que agora para passar a valer precisa da ser sancionado pelo prefeito petista e populista Fernando Haddad.

 

Repetindo a mesma história, o lobista Milton Pascowitch, que é o mais novo delator da Operação Lava Jato,  relatou a investigadores do caso que intermediou o pagamento de propina ao PT e ao ex-ministro José Dirceu para garantir contratos da empreiteira Engevix com a Petrobras.

 

Apesar de Dilma avisar que vai vetar, ontem, em mais uma derrota do governo, o Senado aprovou um projeto de lei que reajusta os salários dos servidores do Poder Judiciário Federal em média em 59,5% nos próximos 4 anos, o que segundo cálculos preliminares teria um impacto negativo de R$ -25,7bi nas contas publicas.

 

-    Com medo de ser preso e acuado pela crise política, o ex-presidente Lula está em Brasília para tentar amenizar as críticas à presidenta Dilma e para pedir ajuda do PT e da cúpula do PMDB para liderar uma nova base de apoio ao governo.

 

Aproveitando que tem a caneta da mão, o deputado peemedebista Eduardo Cunha, que também é presidente da Câmara, retém sem decisão, há várias semanas, 8 requerimentos para abertura de investigação na Corregedoria da Casa contra 28 parlamentares, incluindo ele próprio.

 

Apesar de dizer atualmente que não respeita delatores, no debate na TV Bandeirantes no segundo turno de 2014, a presidenta Dilma defendeu a delação premiada, citando várias leis assinadas por ela regulamentando o instituto para dizer que isso possibilitou a investigação na Petrobras.


Crítica:

 

"Provando e mostrando" como o governo Dilma e o PT conseguem ter apoio na mídia, a Rede Globo e as 5 emissoras de propriedade do Grupo Globo receberam, entre 2003 e 2014, um total de R$ 6,2bi em verbas de publicidade estatal federal.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário