R.B. 25/JUN/15 "Lideres de araque"


R.B.

"Lideres de araque"

 

São Paulo, 25 de junho de 2015 (QUINTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, reduzindo os ganhos acumulados no mês (2,0%) e no ano (7,7%), influenciada pela desvalorização das commodities e seguindo as perdas das principais bolsas mundiais e (2) o DÓLAR pode voltar a subir, ainda acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e também influenciado pela esperada piora do "humor" na bolsa brasileira.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,1%, revertendo as perdas acumuladas na parte da tarde, quando chegou a recuar –0,3%, beneficiada pelo desempenho positivo das ações da Petrobrás (1,8%) e na contramão das bolsas de NY e (2) o DÓLAR 0,4% à R$ 3,09, em sintonia com o mercado externo, diante da divulgação de dados positivos da economia dos EUA, e com baixo volume de negócios.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,3%, no maior patamar dos últimos 18 anos e com destaques de alta para as exportadoras, diante da valorização do dólar frente a moeda local (o iene) e China 2,5%, beneficiada pela publicação de editoriais da mídia estatal com um tom de estímulo aos investimentos, (2) da EUROPA, Inglaterra –0,1%, França –0,2% e Alemanha –0,6%, diante de "rumores" de que os credores internacionais teriam rejeitado a última proposta de reformas submetida por Atenas e do anuncio de que o índice de sentimento das empresas de JUN/15 ficou abaixo do esperado e (3) dos EUA, devolvendo ganhos recentes, S&P –0,7%, DJ –1,0% e NASDAQ –0,7%, diante da piora do "humor" na Europa e da divulgação de dados melhores do que o esperado da economia norte-americana, o que pode antecipar a elevação dos juros no referido país.

 

Ajustando-se à realidade, o que de certa forma agradou o "mercado", ontem o BC brasileiro (1) piorou, de –0,50% para –1,10%, suas expectativas para o desempenho da economia brasileira em 2015, patamar ainda melhor que o projetado pela pesquisa focus (-1,45%), e (2) elevou, de 7,90% para 9,00%, sua projeção de inflação medida pelo IPCA neste ano, patamar ligeiramente superior na comparação com as "apostas" dos principais analistas brasileiros (8,97%).

 

Como Dilma não tem culhões para fazer uma reforma séria que reduza substancialmente o tamanho da maquina publica, ontem o BC brasileiro avisou que fará "o que for necessário" para reduzir a inflação para 4,5% no final de 2016 e que o trabalho de alta de juros é essencial para que a economia brasileira volte a crescer.

 

Bancadas muitas vezes com dinheiro publico do BNDES e bancando na maioria das vezes as campanhas dos políticos, as empresas de grande porte, que são aquelas com mais de 500 funcionários, são apenas 0,6% das 334 mil indústrias instaladas no país, mas respondem por quase 70% do faturamento do setor industrial.

 

Aumentando impostos e reduzindo o estímulo a investimentos, ontem o plenário da Câmara aprovou, por 253 a 144, o texto-base do projeto de lei que reduz a desoneração da folha de salários, uma das principais medidas do plano de ajuste fiscal do governo Dilma e que eleva em mais de 100% a taxação para a maioria dos 56 setores beneficiados com o programa de desoneração da folha.

 

Segundo a análise de especialistas em contas públicas, a decisão de estender a todas as aposentadorias e as pensões a regra de reajuste do salário mínimo mostra a falta de responsabilidade dos congressistas com o caixa da Previdência Social e pode comprometer a economia no futuro.

 

Podendo indicar que a inflação está começando a perder força, repetindo a mesma variação da segunda quadrissemana do mês (0,54%), na terceira quadrissemana de JUN/15 o IPC de SP, que mede as variações quadrissemanais dos preços às famílias paulistanas com renda mensal entre 1 e 10 salários mínimos, avançou 0,54%.

 

-    A Petrobras subiu 1,8%, diante de novos "rumores" de que o plano de investimentos da empresa deve ser cortado em até -40%, o que pode ajudar a petrolífera a reduzir seu endividamento.


Política:
 
Corroborando com as acusações dos tucanos de que o governo Dilma mente à população, principalmente ao dizer que os direitos trabalhistas e os benefícios conquistados pelos brasileiros estão todos assegurados, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou ontem a suspensão de propaganda do governo federal sobre o ajuste fiscal.
 
Confirmando as suspeitas da Polícia Federal, ontem o doleiro Alberto Youssef voltou a afirmar, em depoimento à Justiça, que realizou pagamentos de propina, no valor total de cerca de R$ 2,4mi, para o ex-deputado petista André Vargas, que está preso preventivamente em Curitiba.

 

Relator da reforma política no Senado, que é o senador peemedebista Romero Jucá, já avisou que vai propor mudanças no projeto aprovado pela Câmara dos Deputados, como a manutenção do mandato de 8 anos para senadores e de 4 anos para os demais cargos eletivos, a proibição das coligações e limitação das doações de empresas a campanhas.

 

Batendo mais forte no governo do que a oposição, a Democracia Socialista, que um grupo do PT cujo principal líder Miguel Rossetto, atual secretário-geral da Presidência, apresentou ontem um documento com severas críticas à política econômica e à nomeação de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda.

 

Revelando como funciona a real politica em Brasília, segundo uma simples verificação de autoria de arquivos de computador, foram as empresas privadas e entidades ligadas à indústria que redigiram e assinaram emendas que foram apresentadas por pelo menos três deputados na Câmara para beneficiar seus setores no projeto que revê as desonerações.

 

como cada vez menos gente tem paciência de escutar a presidenta Dilma, que ao que tudo indica anda fumando folha de mandioca, o lançamento do Plano Nacional de Exportações, que ocorreu ontem, estava tão esvaziado que 40 cadeiras foram retiradas do salão nobre minutos antes do ato.

 

-    O PT teme que o cerco do Ministério Público ao peemedebista Gabriel Chalita, secretário de Educação e potencial vice de Fernando Haddad em 2016, faça Paulo Skaf, que também é peemedebista, pleitear ser candidato a prefeito de SP.


Crítica:

 

De forma covarde, como acontece com a maioria dos "lideres de araque" que o PT criou, o ex-ministro da Fazenda Mantega, que é um dos alvos do julgamento das chamadas "pedaladas fiscais", transferiu para seu ex-braço direito na Fazenda a responsabilidade pelo atraso no repasse de dinheiro a bancos públicos, ressaltando em entrevista que nos primeiro mandato de Dilma a atribuição de liberar os recursos para cumprir com as obrigações do governo junto ao BNDES e ao Banco do Brasil era do referido secretário do Tesouro.

 

Ressaltando que o alto custo da construção da usina estaria inviabilizando um retorno financeiro para as estatais que estão investindo nesse projeto, o Tribunal de Contas da União vai iniciar uma investigação sobre recursos públicos usados na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, maior obra em andamento no país, que já está estimada em cerca de R$ 33bi e cuja maior parte dos recursos para sua construção (cerca de R$ 22bi) vem do BNDES.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário