R.B. 16/JUN/15 "Mestres Lula e Dirceu"


R.B.

"Mestres Lula e Dirceu"

 

São Paulo, 16 de junho de 2015 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve voltar a cair, para fechar em território negativo pelo quarto pregão seguido, reduzindo assim a valorização ainda registrada no mês (0,7%) e no ano (6,3%), diante da manutenção do "humor negativo" nas principais bolsas mundiais e na economia tupiniquim e (2) o DÓLAR pode seguir em alta, ainda acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e também influenciado pelos mesmos motivos que devem derrubar a bolsa brasileira.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –0,4%, com baixo volume de negócios (R$ 7,9bi) para um dia de vencimento de opões, acompanhando as perdas das principais bolsas mundiais e prejudicada pela divulgação de novos dados negativos da economia brasileira e (2) o DÓLAR subiu 0,4% à R$ 3,12, revertendo uma abertura negativa, com baixo volume de negócios e acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana diante das expectativas para a decisão de política monetária do BC dos EUA.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão –0,1% e China –2,0%, com os investidores cautelosos em meio à falta de avanço nas negociações sobre a Grécia e à espera da decisão de política monetária do Fed ("BC" dos EUA), (2) da EUROPA, Inglaterra –1,1%, França –1,7% e Alemanha –1,9%, especialmente afetadas pelo colapso das negociações entre a Grécia e os credores europeus, o que tem aumentando os temores de um iminente calote de Atenas e derrubado as ações de bancos, como National Bank of Greece (-9,8%), UniCredit (-3,8%) e Santander (-2,2%) e (3) dos EUA, acompanhando as perdas das demais bolsas mundiais, S&P –0,5%, DJ –0,6% e NASDAQ –0,4%, também prejudicadas pela divulgação de dados abaixo do esperado da economia do país.

 

Forçando cada vez mais a barra, provavelmente por acreditar que seu eventual calote no FMI teria consequências profundas para o euro, Alexis Tsipras, primeiro-ministro da Grécia, ignorou pedidos de líderes europeus para agir rapidamente, acusou os credores gregos (FMI e União Europeia) de pilhar os país nos últimos anos e disse que não vai ceder às suas exigências de fazer novas reformas para que o país possa receber mais ajuda financeira.

 

Mostrando um pessimismo constante e crescente com a economia brasileira, o "mercado" novamente reduziu, desta vez de –1,30% para –1,35%, suas "apostas" para o desempenho do PIB brasileiro em 2015 e elevou, desta vez de 8,46% para 8,79%, suas expectativas para a inflação oficial medida pelo IPCA neste ano.

 

Agora privatizando os jogos de azar no Brasil, o governo Dilma, mesmo prevendo arrecadar menos da metade do que esperava, fará em JUL/15 uma licitação para a loteria instantânea, a raspadinha, e ao que tudo indica já existem 7 interessados estrangeiros na disputa, entre eles a norte-americana Scientific Games, umas das maiores empresas de loterias do mundo.

 

Apesar do aperto do crédito feito pelo BC para conter a inflação, a percentagem da dívida em relação à renda anual subiu de 46,2% em MAR/15 para 46,3% em ABR/15, o que representa o maior patamar registrado pelo BC desde quando a autarquia começou a registrar os dados há 10 anos.

 

Com as exportações beneficiadas e facilitadas pela disparada do dólar e com as importações prejudicadas pela desaceleração da economia interna, na semana passada a balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 678mi, fazendo com isto o acumulado do ano, pela primeira vez em 2015, registrar um saldo positivo de US$ 349mi.

 

-    Superando o valor auferido no mês anterior (0,52%) e assim mostrando que, mesmo com a elevação da Selic, a inflação segue em alta, o IGP-10 de JUN/15 subiu 0,57%.

 

-    A Petrobras caiu –0,2%, mesmo após ter sua "nota" de recomendação elevada pelo JPMorgan.


Política:
 
Alegando que foi coincidência, apenas 1 dia após subir o tom contra o PT, em reação a críticas e vaias que recebeu de militantes do partido, Eduardo Cunha, presidente da Câmara, se reuniu ontem com 30 representantes de 10 movimentos que pedem o impeachment ou a renúncia da presidenta Dilma.
 
Seguindo os passos dos "mestres Lula e Dirceu", segundo investigações da Policia Federal, Antonio Palocci, ex-ministro de Lula e de Dilma, também abriu uma empresa de consultoria que, somente entre 2007 e 2010, quando ele exercia o mandato de deputado federal, faturou a bagatela de R$ 34,9mi de 60 clientes de diferentes setores da economia, como firmas de planos de saúde, bancos e construtoras.

 

Perdendo mais uma ótima oportunidade para ficar calado, Aécio, presidente nacional do PSDB, mostrou mais uma vez toda sua fragilidade ao afirmar que é "confortador" para o PSDB reunir vários nomes com a possibilidade de disputarem a presidência do Brasil, como Alckmin, porem ressaltou que o assunto deve ser discutido apenas "no momento certo".

 

Obviamente orientado pelo Palácio do Planalto, o jovem deputado peemedebista Hugo Motta, que com apenas 26 anos é o presidente da CPI da Petrobras, "avisou" que, por ora, não agendará na CPI o depoimento do diretor-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, cuja convocação foi aprovada na última quinta-feira.

 

Reduzindo direitos trabalhistas, algo que em tese seria impensável em um governo de um partido que se diz "dos trabalhadores", Dilma já discute o texto de uma medida provisória ou projeto de lei para criar uma fórmula progressiva de cálculo das aposentadorias, apesar de a presidente ainda não ter decidido oficialmente se vetará a alternativa aprovada pelo Congresso, a chamada fórmula 85/95.

 

Segundo o relatório sobre as contas do governo federal em 2014, que será votado amanhã pelo Tribunal de Contas da União e que pode ser a prova que falta para tirar o PT do poder, os erros seguidos de projeções econômicas, com uso de parâmetros, em geral, otimistas, elevaram artificialmente as previsões de receita do orçamento federal e deram origem às manobras usadas por Dilma Rousseff fechar suas contas, as chamadas "pedaladas fiscais".


Crítica:
 
Mostrando a quem serve e qual o motivo da sua condução para o cargo, ontem, na véspera de sua posse como ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Edson Fachin, que aliás já fez até propaganda eleitoral para a presidenta Dilma, afirmou que o instrumento da delação premiada não pode ser tratado como prova.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário