R.B. 11/MAR/15 "A culpa é daszelites"


R.B.

"A culpa é daszelites"

 

São Paulo, 11 de março de 2015 (QUARTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, tentando uma recuperação após 5 pregoes seguidos de queda, acompanhando o movimento ascendente das principais bolsas mundiais e também beneficiada pela expectativa de avanço da proposta de reajuste na tabela do Imposto de Renda Pessoa Física no Congresso e (2) o DÓLAR pode voltar a cair, seguindo a esperada melhora do "humor" na Bovespa e ainda em um "ajuste técnico" diante das fortes altas recentes.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –1,8%, ampliando as perdas acumuladas no mês (-6,4%), novamente com destaque de queda para as ações da Petrobrás (-4,0%), diante a piora do cenário político brasileiro e do recuo do petróleo (-3,5%), e desta vez também seguindo as perdas das principais bolsas mundiais, devido ao aumento da percepção de que o Fed ("BC" dos EUA) está próximo de elevar os juros norte-americanos e (2) o DÓLAR caiu –0,4% à R$ 3,11, devolvendo os ganhos da abertura, quando na máxima atingiu R$ 3,17, em um "ajuste técnico" após subir 9,3% últimos 6 pregões e contrariando o avanço registrado da moeda norte-americana ante outras divisas internacionais.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão –0,7% e China –0,5%, ainda realizando lucros recentes e prejudicadas por leituras desanimadoras sobre o desempenho da economia chinesa, (2) da EUROPA, Inglaterra –2,5%, França –1,1% e Alemanha –0,7%, em meio a temores sobre o desenrolar das negociações com a Grécia e também prejudicadas pela queda do preço do petróleo (-3,5%), que afeta os papeis das empresas de energia e (3) dos EUA, nos menores patamares do dia, S&P –1,7%, DJ –1,8% e NASDAQ –1,7%, em um dia que, por conta do aumento das "apostas" de alta dos juros do país, o dólar se aproximou de seu maior valor em 12 anos frente ao euro e os rendimentos dos títulos públicos europeus registraram recorde de baixa.

 

Visivelmente irritada após ser hostilizada por trabalhadores e expositores que montavam seus estandes no Salão Internacional da Construção, em SP, a presidenta Dilma, com o objetivo de acalmar empresários do setor, voltou a afirmar, desta vez para um auditório praticamente vazio, que a crise econômica é "conjuntural" e que está trabalhando para que até o fim do ano os números do país exibam sinais de recuperação.

 

Reforçando a percepção do "mercado" de que o BC brasileiro atuará cada vez menos na ponta vendedora de dólar, Joaquim Levy, ministro da Fazenda, afirmou ontem que a recente valorização do dólar é resultado de um fenômeno mundial e que a volatilidade cambial dos últimos dias não deve ser repassada à inflação.

 

Aumentando a pressão inflacionária, novamente por culpa da irresponsabilidade e da incompetência do governo Dilma, ontem a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou um aumento de médio de 42,19% para a Ampla, distribuidora que atende 2,5 milhões de consumidores no Estado do RJ.

 

Abandonadas pelo governo federal, prejudicadas pelo forte recuo internacional dos preços do petróleo e cada dia com mais dificuldades financeiras, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar cerca de 10 usinas de açúcar e etanol, de um total de 370 que ainda resistem no Brasil, devem ser fechadas na safra 2015/16, o que elevará para 60 o número total de usinas fechadas no país desde 2008.

 

-    Prejudicadas pela disparada do dólar e pela desaceleração da economia, as vendas de automóveis importados registraram queda de -27,1% no primeiro bimestre de 2015, em comparação ao mesmo período de 2014.

 

Como frutos da alta da taxa de juros e da drástica redução da confiança dos investidores, (1) segundo dados do IBGE em JAN/15 a produção industrial de SP, que tem a maior economia do Brasil, recuou –6,2% na comparação com JAN/14 e (2) em 2014 houve queda de –24% no número de estrangeiros que obtiveram autorização para trabalhar no Brasil.

 

Além de mudar a nomenclatura dos papéis, para atrair mais investidores para o Tesouro Direto ontem o governo anunciou que recomprará todos os dias úteis, e não apenas às quartas-feiras, os referidos títulos públicos vendidos pela internet para pessoas físicas.

 

-    A Petrobrás caiu –4,0%, porem após o fechamento do pregão a empresa anunciou que (1) montou uma força tarefa para incluir as propinas no seu balanço de 2014, o que é importante para convencer a auditoria independente PwC a aprovar suas contas e (2) Murilo Ferreira, ex-presidente da Vale, deve ser eleito presidente do Conselho de Administração da companhia.


Política:
 
Como se fosse um parlamentar da oposição, ontem, fazendo fortes críticas à articulação política do Palácio do Planalto, o senador petista Delcídio Amaral foi eleito presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado e seu primeiro desafio será discutir as medidas de ajuste fiscal anunciadas pelo governo federal.
 
Mesmo sem garantias de vitória, o governo Dilma novamente cedeu e acatou a proposta do Congresso para reajuste escalonado das tabelas do Imposto de Renda, que passa a valer a partir de ABR/15 e que já foi publicada como medida provisória definindo correção gradual de 6,5%, 5,5%, 5% e 4,5%, de acordo com a faixa de renda dos contribuintes, sendo as mais baixas favorecidas por ajustes maiores.
 
Mostrando mais uma vez que o Brasil não é um país sério, o ministro José Antonio Dias Toffoli, que foi indicado por Dilma, nunca passou em um concurso publico e já trabalhou como advogado do PT, inclusive defendendo o mensaleiro José Dirceu, será o presidente do Supremo Tribunal Federal durante o julgamento dos políticos envolvidos na operação da Lava Jato.

 

-    Cada vez mais irritado, ontem, em um recado ao governo e principalmente à presidenta Dilma, o peemedebista Renan Calheiros, presidente do Senado, afirmou que um Congresso "fraco" não faz bem à democracia.

 

Para driblar a paralisia do Supremo Tribunal Federal devido à demora de Dilma em indicar o 11º ministro, o presidente Ricardo Lewandowski anunciará nesta quarta pauta intensiva de julgamentos de súmulas vinculantes e votos-vista, com isto o STF deve analisar 30 processos que tiveram pedidos de vista, entre eles o que regulamenta pagamento de precatórios.

 

-    Falando como quem tem bastante experiência no assunto impeachment, Fernando Collor aconselhou Dilma, durante o encontro de líderes do senado com a presidenta, a procurar a oposição e a não se isolar.

 

O PSDB decidiu por uma subida de tom gradual da defesa do impeachment de Dilma, já que agora a ideia é que as manifestações de domingo, caso tenham sucesso de publico, criem ambiente para que deputados da sigla passem a defender a medida em plenário e na CPI da Petrobras.


Crítica:

 

Com falta de perspectivas de melhora e estimulados pelo governo Dilma, que insiste em dizer que "a culpa é daszelites", e pelo programa norte-americano de vistos chamado EB-5, dá green cards aos empresários estrangeiros que queiram investir em uma empresa nos EUA, é cada vez maior a onda de imigração de brasileiros, e respectivamente de seus recursos, para o terra do Tio Sam.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário