R.B. 10/FEV/15 "Brincando com fogo"


R.B.

"Brincando com fogo"

 

São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, tentando zerar as perdas ainda acumuladas no ano (-1,2%), acompanhando a recuperação das principais bolsas mundiais e beneficiada pela valorização das commodities e (2) o DÓLAR pode cair, realizando lucros após fechar o dia anterior no maior patamar desde 9/DEZ/04 e influenciado pelos leilões de venda do BC.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 1,2%, revertendo uma abertura negativa, quando na mínima recuou –0,8%, com bom volume de negócios (R$ 7,6bi) e impulsionada pelos fortes ganhos nas ações da Vale (4,5%) e das siderúrgicas, como CSN (8,7%) e Usiminas (8,8%), diante das expectativas de que a China anuncie medidas de estímulo e (2) o DÓLAR subiu 0,3% à R$ 2,78, para fechar em alta pela sétima vez nos últimos 10 pregões, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pelas preocupações com a economia brasileira.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,4%, com destaques de alta para as exportadoras, como Kyocera (1,7%) e Daikin (1,3%), influenciadas principalmente por um dólar mais forte ante a moeda local (o iene) e China 0,7%, em um movimento de "caça por barganhas" após a bolsa local ter recuado em 8 das 9 últimas sessões, (2) da EUROPA, Inglaterra –0,2%, França –0,8% e Alemanha –1,7%, novamente com investidores temerosos sobre o destino da renegociação da dívida grega, assim como com os dados negativos vindos da balança comercial chinesa e (3) dos EUA, S&P –0,4%, DJ –0,5% e NASDAQ –0,4%, também influenciadas por temores de que a renegociação da dívida da Grécia será mais difícil do que o imaginado.

 

Cada dia mais pessimista, o "mercado", diante de um cenário de falta de confiança no país, reduziu, desta vez de 0,03%% para 0,00%, suas expectativas para o crescimento da economia brasileira em 2015 e, diante dos inevitáveis reajustes dos preços administrados, elevou, desta vez de 7,00% para 7,15%, suas "apostas" para a inflação medida pelo IPCA neste ano.

 

Na próxima sexta-feira, que coincidentemente cai no dia 13, Aldemir Bendine, o novo presidente da Petrobras, fará uma teleconferência com investidores nacionais e internacionais para tentar tranquilizar o mercado sobre os rumos da empresa diante do escândalo de corrupção e prometerá ganhos aos acionistas, inclusive garantindo rentabilidade em meio à novela do balanço não auditado.

 

Constatando o que qualquer cidadão comum pode ver, segundo Marcos Freitas, doutor em economia e professor do Programa de Planejamento Energético da Coppe/UFRJ, o governo federal criou "confusão" no setor elétrico ao mexer na renovação das concessões de hidrelétricas, que deixou a Eletrobrás "mal das pernas", "depauperou as geradoras" e reduziu sua capacidade de investimento, inclusive em obras conjuntas para mitigar problemas de abastecimento de água.

 

Alertando para a provável criação de um "monopólio privado a partir de bens públicos", que certamente pode prejudicar a competitividade do setor, as tradings de grãos, que são responsáveis por ao menos 15% das exportações brasileiras, tentam impor restrições à fusão entre ALL e Rumo (empresa de logística do grupo Cosan), que deve ser votada amanha pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

 

Fazendo exatamente as coisas que acusou seu adversário de planejar fazer caso fosse eleito, segundo Manoel Dias, ministro da Trabalho, o governo Dilma prepara mais um pacote envolvendo programas trabalhistas que deve somar, entre aumento de arrecadação e corte de gastos, R$ 10bi apenas neste ano.

 

Mostrando mais uma vez que falta comando e que na equipe de Dilma "cada um rema para um lado", segundo Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, não faz sentido o governo retirar alguns incentivos à indústria neste momento, como fez recentemente com o fim da redução do IPI dos automóveis.

 

Segundo José Rubens de La Rosa, diretor-geral da fabricante de ônibus Marcopolo, que exporta cerca de 1/3 dos R$ 4bi que fatura por ano, diante dos agudos problemas de infraestrutura do país, somente uma desvalorização mais forte do real em relação ao dólar é capaz de salvar a indústria em 2015.

 

Aumentando a enorme lista de críticos ao governo Dilma, Mark Mobius, presidente executivo da área de mercados emergentes da Templeton, que é uma gigante global na área de gestão de recursos, alertou que ajustes fiscais baseados mais em aumento de impostos do que em corte de despesas, como o anunciado pela nova equipe econômica do governo brasileiro, passam uma mensagem muito ruim para investidores estrangeiros e domésticos.

 

Pressionando ainda mais a inflação, segundo uma projeção feita pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, o custo de energia elétrica para a indústria brasileira em 2015 deve subir ao menos 43,6% em média, sem contar impactos da revisão tarifária extraordinária e reajustes de tarifas deste ano.


Política:
 
Comandada por gente de confiança do governo Dilma, a área técnica da Câmara preparou um parecer que será levado ao presidente da Casa, Eduardo Cunha, sugerindo o arquivamento do pedido da oposição para a criação de uma CPI para investigar as causas, consequências e responsáveis pela "desestruturação do setor elétrico a partir de 2004".

 

Com medo da reação negativa de suas bases eleitorais, muitos parlamentares da base aliada ao governo Dilma, inclusive alguns petistas, já começaram a se mobilizar para barrar ou atenuar o impacto das medidas de ajuste fiscal propostas pela presidente Dilma e que reduzem benefícios trabalhistas e previdenciários.

 

Como só toma decisões à beira do abismo, Dilma, após ser confrontada com a realidade de sua baixa popularidade, decidiu pedir "ajuda aos universitários" e para isto já marcou uma reunião de emergência com Lula e com o marqueteiro João Santana para traçar uma estratégia de recuperação, que provavelmente incluirá um discurso na TV.

 

Assim como fez Collor, que no inicio da deca de 90 acelerou seu processo de impeachment quando pediu para a população ir às ruas de verde e amarelo, Dilma e o PT estão "brincando com fogo" ao pedirem para seus militantes, a maioria deles desiludidos com seus líderes, irem às ruas para defender o mandato da presidenta.

 

Sem combinar antes com o Palácio do Planalto, o senador peemedebista Romero Jucá, relator do Orçamento de 2015, vai anunciar hoje que destinará na sua proposta R$ 10mi em emendas para cada novo parlamentar do Congresso, o que vai impactar as contas do governo em R$ 2,4bi.

 

O PTB vai acionar o TSE para tentar barrar a migração de parlamentares para o PL, que é o novo partido que Gilberto Kassab, ministro das Cidades, ajuda a criar para depois fundir ao seu PSD.


Crítica:
 
Não importa onde você mora, quão boa ou ruim é a sua escola, qual é sua condição socioeconômica, pois atualmente a maior parte do conhecimento teórico e prático já produzido pela humanidade está disponível na internet, de graça e abertamente, portanto quem tiver a curiosidade e a energia necessárias pode tomar nas mãos os caminhos do próprio aprendizado.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário