R.B. 2/DEZ/14 "Caindo na real"


R.B.

"Caindo na real"

 

São Paulo, 2 de dezembro de 2014 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, em um movimento de "caça de barganhas" após a forte baixa registrada no pregão anterior, acompanhando o desempenho positivo das principais bolsas mundiais e a recuperação dos preços das commodities e (2) o DÓLAR pode seguir em queda, acompanhando a esperada melhora do "humor" na bolsa brasileira e influenciado pelas "apostas" de que o Copom  vai elevar a taxa básica de juros na reunião que começa hoje e termina amanhã.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –4,5%, para fechar o dia com a maior baixa diária dos últimos 2 meses, acompanhando as perdas das principais bolsas mundiais, diante da divulgação de dados mostrando desaceleração do setor manufatureiro chinês, e prejudicada principalmente por "rumores"de criação de novas tributações no Brasil para reequilibrar as contas públicas do governo e (2) o DÓLAR caiu –0,7% à R$ 2,55, influenciado pela manutenção dos leilões de venda do BC pela notícia de que a referida autoridade econômica vai dar início à rolagem do lote de swaps com vencimento em JAN/15.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, sem uma tendência única, Japão 0,7%, no maior nível em 7 anos e com destaques de alta para as ações das companhias aéreas, como Japan Airlines (4,2%) e ANA Holdings (4,0%), que por sua vez são beneficiadas pela baixa do petróleo e China –0,1%, encerrando um rali de 7 pregões, impactada pelos planos de Pequim de adotar um sistema de seguro para depósitos bancários e pelos confrontos entre policiais e manifestantes em Hong Kong, (2) da EUROPA, Inglaterra –1,0%, França –0,3% e Alemanha –0,2%, prejudicadas pela recente queda dos preços do petróleo, dados industriais piores do que o esperado na China, pelo aumento da preocupação com a inflação e pela desaceleração do crescimento global e (3) dos EUA, também realizando lucros recentes, S&P –0,7%, DJ –0,3% e NASDAQ –1,3%, com destaque de queda para as ações da Apple, diante da divulgação de dados abaixo do esperado das vendas do Black Friday.

 

Apontando um aumento nas incertezas sobre a capacidade do país cumprir sua meta de redução de débito, na madrugada de hoje a a agência internacional de classificação de risco Moody's rebaixou sua "nota" para a dívida soberana do Japão em um patamar, para o nível A1, o que fez com que o iene (moeda japonesa) tivesse a maior desvalorização em 7 anos em relação ao dólar.

 

Cada dia mais pessimista, o "mercado" (1) elevou, desta vez de 6,45% para 6,49%, suas projeções para o IPCA de 2015, o que aliás se aproxima do teto da meta do BC (6,50%) e (2) reduziu, desta vez de 0,80% para 0,77%, suas "apostas" para o crescimento do PIB brasileiro no ano que vem.

 

Dando mais um sinal negativo da economia brasileira, após apresentarem uma leve recuperação em OUT/14, as vendas de automóveis ficaram abaixo das expectativas em NOV/14, já que no mês passado foram emplacados 279,8 mil carros de passeio e comerciais leves, o que representa uma queda de -4% na comparação com o mês anterior e um recuo de –2,9% na comparação com NOV/13.

 

"Caindo na real", já que Falta apenas 1 mês para o fim do ano, o governo Dilma finalmente reconheceu que, mesmo com a alta do dólar, neste ano de 2014 as importações devem superar as exportações do país, o que será o primeiro déficit comercial brasileiro anual desde 2000.

 

Com o Brasil exportando cada dia menos, já que o governo Dilma prefere fazer negócios com base na ideologia e não no pragmatismo, em NOV/14 as importações superaram as exportações em US$ 2,4bi, elevando o déficit comercial do país no ano para US$ –4,2bi, o que representa o pior resultado desde 1998, quando o déficit até novembro foi de US$ -6,1bi.

 

-    Em NOV/14 o percentual de paulistanos endividados caiu -1,5% na comparação com OUT/14 e com isto a proporção de famílias endividadas chegou a 43,8%, o que representa o resultado mais baixo desde FEV/02.

-    O comércio virtual brasileiro faturou R$ 1,2bi no Black Friday deste ano, o que representa uma alta de 51% em relação ao mesmo dia do ano passado.

 

Engordando o caixa da Petrobrás, diante da desvalorização internacional do petróleo e da recente alta dos combustíveis no Brasil, o consumidor brasileiro está pagando pela gasolina entre 20% e 24% mais do que no exterior e no diesel a diferença é de cerca de 15% na mesma base de comparação.

 

-    A Ambev caiu –5,0%, após o jornal "Valor Econômico" publicar, citando fontes, que o valor da autuação fiscal por amortização de ágio da incorporação da InBev Holding Brasil ultrapassa R$ 5bi.

-    A Oi recuou -5,8%, após a empresa anunciar que celebrou contrato de exclusividade com o grupo europeu de telecomunicações Altice por um período de até 90 dias para negociação dos termos finais da venda dos ativos da Portugal Telecom.


Política:
 
Para conseguir apoio para sua "maracutaia fiscal", algo que aliás é vital para que a presidenta Dilma não seja condenada por crime de responsabilidade, o Palácio do Planalto publicou, em uma edição extra do "Diário Oficial da União", um decreto ampliando os limites para a liberação de verbas indicadas por congressistas no Orçamento da União.

 

Disposta a tudo para ter mais apoio parlamentar, a presidenta Dilma afirmou, minutos antes de oficializar a indicação do senador Armando Monteiro, do PTB de Pernambuco, como o novo ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que desejava conversar mais com o partido e que espera o apoio das bancadas em seu segundo mandato.

 

Com o objetivo de impor suas políticas bolivarianas, o comando do PT aprovou no sábado passado um  documento que prega pressão dos movimentos sociais sobre o Congresso Nacional em defesa de decretos apresentados pela presidenta Dilma, entre eles para convocação de plebiscitos e regulamentação dos conselhos populares.

 

Certamente fazendo um "grande jogo de cena", a JBS, que foi a maior doadora da campanha de Dilma na eleição presidencial deste ano, supostamente demonstrou insatisfação com a escolha da senadora peemedebista Kátia Abreu para o Ministério da Agricultura.

 

A presidenta Dilma deve definir nesta semana pelo menos três nomes de sua cota pessoal para o segundo mandato, (1) Miguel Rossetto, que vai ocupar a Secretaria-Geral da Presidência, (2) Tereza Campello, que será mantida no Ministério do Desenvolvimento Social e (3) e Giles Azevedo, que deve ser nomeado ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos.Azevedo deve ter uma sala no Palácio do Planalto, atendendo a pedido da presidente para que seu fiel assessor fique próximo. Nome de total confiança da petista, ele é o encarregado de cumprir missões mais discretas e reservadas da presidente.


Crítica:
 
Em busca de poder, que por sua vez atrai dinheiro, nas eleições deste ano os políticos brasileiros gastaram a bagatela recorde de R$ 5,0bi em suas campanhas eleitorais, valor que é um pouco menos da metade do que a empresa Mars One pretende investir para fazer a coisa mais incrível, ao menos até agora, da historia da raça humana, que é enviar uma pessoa para morar em Marte.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário