R.B. 24/NOV/14 "A importância de ter uma assessoria profissional"


R.B.

"A importância de ter uma assessoria profissional"

 

São Paulo, 24 de novembro de 2014 (SEGUNDA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em alta, mesmo após fechar a semana passada com o melhor desempenho semanal (8,3%) desde MAI/09, acompanhando a trajetória ascendente das demais bolsas mundiais e com o  "mercado comemorando" a escolha de Joaquim Levy como novo ministro da Fazenda de Dilma e (2) o DÓLAR pode seguir em queda, com "boas chances" de testar o agora "suporte" dos R$ 2,50, acompanhando esperada melhora do "humor" na Bovespa e também a trajetória internacional da moeda norte-americana.

 

Sexta-feira, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 5,0%, registrando a maior alta diária desde 9/AGO/11, com ótimo volume de negócios (R$ 12,4bi), beneficiada pela valorização das commodities, diante das medidas de estímulos anunciadas na China, e impulsionada por especulações positivas sobre a nova equipe econômica do governo Dilma e (2) o DÓLAR caiu –2,1% à R$ 2,52, acompanhando a melhora do "humor" na Bovespa e influenciado pelos leilões de venda do BC, para fechar a semana com a maior baixa semanal (-3,1%) desde SET/13.

 

Também sexta-feira, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,3%, após o premiê japonês, Shinzo Abe, dissolver parte do Parlamento e convocar eleições antecipadas e China 1,4%, após o BC local anunciar que utilizará instrumentos monetários, caso necessário, para aumentar a liquidez do sistema interbancário, (2) da EUROPA, Inglaterra 1,1%, França 2,7% e Alemanha 2,6%, com destaques de alta para as ações do setor energético, diante da valorização internacional do petróleo e (3) dos EUA, com o S&P e o DJ fechando a semana em novos patamares recorde, S&P 0,5%, DJ 0,5% e NASDAQ 0,2%, com destaques de alta para as ações de indústrias cujo desempenho tende a acompanhar a tendência da economia, como Caterpillar (4,3%), Chevron (1,1%) e ExxonMobil (1,0%).

 

Apesar de Joaquim Levy ter um nome respeitado no "mercado", por seu bom trabalho feito no governo Lula e por ser mais ortodoxo, sua escolha como novo ministro da Fazenda não vai acabar imediatamente com todas as margens de especulação de que quem manda na política econômica é a presidenta Dilma.

 

Classificado por "petistas tradicionais" como liberal e contra a política de valorização do salário mínimo, além de ter proximidade com a política econômica do PSDB, Joaquim Levy, futuro Ministro da Fazenda de Dilma, foi acusado em 2006 por Mantega, futuro ex-ministro da Fazenda, de ter uma visão "conservadora e não sintonizada com a política social do governo Lula.

 

Para manter o otimismo do "mercado" em alta, a presidenta Dilma encarregou sua nova equipe econômica de divulgar, no dia em que for anunciada oficialmente, um conjunto de medidas para garantir "a sustentabilidade fiscal" do governo e atrair investimentos para retomar o crescimento da economia, o que certamente deve incluir um inevitável ajuste "gradual e consistente" das contas públicas nos próximos anos.

 

Faltando menor de 40 dias para o final do ano, o governo Dilma finalmente admitiu, na prática, que superestimou sua previsão de receitas e subestimou a de despesas, ratificando formalmente que não cumprirá a meta de poupar R$ 80,8bi para o abatimento da dívida pública.

 

No final desta semana será divulgado o resultado do PIB brasileiro no terceiro semestre de 2014 e, depois de 2 trimestres seguidos de queda, a maioria do "mercado" acredita que a economia tupiniquim cresceu 0,2% ante os 3 meses anteriores, o que mostrará que a atividade econômica deixou a recessão, apesar de seguir estagnada.

 

Com o objetivo de aumentar a sua influência, e também seu monopólio, na região, a BM&FBovespa anunciou que planeja comprar até 15% do capital das principais Bolsas em operação na América Latina e para isso já contratou dois bancos de investimento no mês passado para fazer as aquisições nas Bolsas de México, Colômbia, Chile, Peru e Argentina.


Política:
 
Aumentando consideravelmente a possibilidade de aumento do desmatamento e agradando bastante ao agronegócio, Dilma escolheu a senadora peemedebista Kátia Abreu, que se elegeu pelo antigo PFL e atualmente é presidente da Confederação Nacional da Agricultura, para ser a nova ministra da Agricultura.

 

Mostrando como a corrupção infelizmente é algo que já está incrustado no DNA das grandes empresas brasileiras, nada menos do que 8 das 10 maiores construtoras brasileiras, que movimentam bilhões em obras publicas, foram citadas na Operação Lava Jato da Polícia Federal.

 

Dona de um "cacife eleitoral" de mais de 20 milhões de votos, Marina Silva, que no segundo turno das eleições presidenciais apoiou Aécio, anunciou ontem, depois de se reunir com seu grupo político, que fará uma "oposição independente" no segundo mandato da presidenta Dilma e já acusou a petista de esquecer tabus pregados durante as eleições para tentar retomar a credibilidade econômica do país.

 

O petista Agnelo Queiroz alcançou algumas marcas significativas em sua passagem pelo governo do Distrito Federal, já que (1) obteve o segundo maior índice de rejeição entre os 27 governadores do país, (2) foi o único candidato à reeleição que ficou fora do segundo turno e (3) ficará marcado por enterrar as finanças da unidade da federação mais rica do país.


Crítica:
 
Mostrando mais uma vez "a importância de ter uma assessoria profissional", isenta e qualificada na hora de investir, segundo um estudo recente feito pelo Insper, as taxas cobradas pelos fundos de previdência privada podem corroer até 30% dos rendimentos da aplicação, representando um impacto muito grande no longo prazo.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário