R.B. 29/OUT/14 ''Zombando da cara do Brasil''


R.B.

"Zombando da cara do Brasil"

 

São Paulo, 29 de outubro de 2014 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em alta, acompanhando a melhora do ''humor'' externo e ainda ''apostando'' que a presidenta Dilma indicará um nome que agrada o ''mercado'' para o ministério da Fazenda e (2) o DÓLAR pode seguir em queda, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pelos leilões de venda do BC.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 3,6%, em um movimento de recuperação depois de ter encerrado a segunda-feira no patamar mais baixo desde ABR/14, com bom volume de negócios (R$ 9,3bi), com destaque de alta para as ações da Petrobrás (5,2%) e com os investidores esperando que a presidenta Dilma escolha um nome ''pró-mercado'' para comandar o Ministério da Fazenda e (2) o DÓLAR caiu –1,9% à R$ 2,48, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana e devolvendo parte da forte alta registrada no dia anterior, por conta dos mesmos motivos que levaram à valorização da bolsa.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,8% e China 2,1%, impulsionadas por uma perspectiva mais positiva para a economia da China e pela divulgação de bons balanços corporativos, (2) da EUROPA, recuperando-se das quedas do dia anterior, Inglaterra 0,6%, França 0,4% e Alemanha 1,8%, porem com poucos negócios diante da cautela antes do anúncio da decisão de política monetária do Fed (''BC'' dos EUA) e (3) dos EUA, S&P 1,2%, DJ 1,1% e NASDAQ 1,7%, impulsionadas por dados positivos da economia norte-americana divulgados pela manhã e apontando uma retomada na confiança do consumidor e no mercado imobiliário.

 

Segundo um relatório divulgado ontem pela agência de classificação de risco Moody's, a presidenta Dilma tem o desafio imediato de recuperar a confiança dos investidores e apresentar "um novo começo crível" para a economia brasileira, que atualmente tem problemas profundos e estruturais e necessita de reformas para fazer o país retomar o crescimento no médio prazo e recuperar a posição fiscal.

 

Mostrando um enorme potencial de crescimento, segundo um estudo Federação Nacional de Previdência Privada e Vida, apesar de 66% dos brasileiros dizerem que se preocupam com o futuro, menos de 20% contratam algum tipo de seguro para situações de emergência ou planejamento para estudos e aposentadoria, o que mostra que a maioria da nossa sociedade ainda considera este serviço como uma obrigação do Estado.

 

Descumprindo promessas eleitoreiras logo na semana seguinte da reeleição, ontem o governo Dilma (1) assessores presidenciais ''avisaram'' que não descartam uma alta da taxa básica de juros na última reunião do Copom, que ocorrerá em DEZ/14 e (2) ''rumores'' indicam que, com o objetivo de agradar o ''mercado'', o governo estuda um aumento "simbólico" no preço dos combustíveis ainda neste ano.

 

Com o governo Dilma ''devolvendo as contribuições eleitorais'' para as montadoras, ontem, para tentar estimular as vendas de veículos no final deste ano, a Caixa e o BancoPan anunciam juros mais baixos para os financiamentos a pessoas físicas em mais de 8.000 concessionárias do país.

 

Apesar de subir 3 posições, o Brasil ainda ocupa o nada honroso 120° lugar no ranking de ambiente para negócios do Banco Mundial, que avalia diversos indicadores, como o número de procedimentos, tempo e custo para a abertura de empresas, ambiente jurídico para cobrar dividas ou obter crédito, ficando atrás de países como Equador (115), Chile (41) e México (39).

 

Como reflexos de uma economia estagnada, (1) a inadimplência das empresas no Brasil cresceu 13,4% em SET/14 ante igual mês do ano passado, o que representa a maior alta na comparação anual desde OUT/12 e (2) em SET/14 a indústria da construção registrou retração nos níveis de atividade e emprego.

 

Este ano apenas uma companhia fez sua estreia na Bovespa, que caminha para ser o pior ano em aberturas de capital no país em pelo menos uma década, porem, empresas com faturamento anual médio de R$ 100mi a R$ 200mi e que têm em comum a perspectiva de alto crescimento nos próximos anos, principalmente dos setores de educação, tecnologia e saúde, já estão à caça de capital de investidores financeiros para acelerar planos de expansão, trilhando o mesmo caminho que levou à Bolsa nomes como Kroton, Totvs e Odontoprev.

 

-    Puxada pela forte demanda por anúncios em celulares e tablets, as receitas do Facebook cresceram 59% no terceiro trimestre, ultrapassando as expectativas de Wall Street.

-    Nos 9 primeiros meses deste ano foram feitas 640 operações de fusões e aquisições no Brasil, o que representa o maior número desde 2002, início da série histórica elaborada pela consultoria PwC.

 

-    A Petrobrás subiu 5,2%, diante das expectativas sobre um possível anúncio, em breve, de reajuste dos preços dos combustíveis.

-    A Vale caiu 0,2%, afetado pela baixa do preço do minério de ferro no mercado à vista chinês e pelas notícias de que o Goldman Sachs reduziu o preço-alvo das ações da companhia.


Política:
 
Os nomes mais cogitados atualmente para substituir Mantega no Ministério da Fazenda são (1) Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, que é o ''sonho de consumo do mercado'', mas que não aceitaria ter que seguir as ordens de Dilma, (2) Henrique Meirelles, ex-presidente do BC de Lula, que também é querido no mercado, mas não tem a simpatia da presidenta, (3) Nelson Barbosa, ex-secretário-executivo de Mantega, que não é bem visto pelo mercado e representaria uma continuidade e (4) Aloísio Mercadante, que certamente deixaria o mercado bem preocupado e que obedece a presidenta sem pestanejar.

 

Como já se esperava, Lula ''mandou avisar'' que em 2018 disputará a presidência do Brasil novamente e, já se preparando para isto, certamente irá interferir mais no governo Dilma, atuando de forma mais efetiva para evitar que a atual presidenta reproduza erros cometidos no seu primeiro mandato, como o distanciamento dos movimentos sociais, o parco diálogo com empresários e o excesso de centralização nas ações.

 

Já que na democracia representativa brasileira os deputados e senadores são eleitos exatamente para criar leis, com a oposição do presidente da Câmara, do presidente do Senado e até de petistas, durou pouco mais de 24 horas a proposta esdrúxula da presidenta Dilma de fazer a reforma política por meio de um plebiscito.

 

Mostrando que a vida da presidenta não será fácil, 2 dias após ser reeleita, Dilma sofreu sua primeira derrota na Câmara dos Deputados, já que os parlamentares aprovaram ontem um projeto que susta os efeitos de um decreto da petista que vincula decisões governamentais de interesse social à opinião de conselhos e outras formas de participação popular.


Crítica:
 
Como sabe que ''para todo malandro existe um otário'', que muitas vezes se achando esperto cai na malandragem novamente, a Prumo Logística, empresa originada da LLX de Eike Batista, anunciou que vai fazer uma emissão de novas ações com o objetivo de captar entre R$ 455mi e R$ 650mi para supostamente fazer investimentos nos novos terminais Porto do Açu, no Norte Fluminense.

 

''Zombando da cara do Brasil'', ontem, apenas 2 dias depois da reeleição de Dilma, os nobres ministros do STF decidiram que Dirceu, comandante do mensalão e condenado a 7 anos e 11 meses de prisão, pode sair da cadeia e cumprir o resto da sua pena em liberdade.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário