R.B. 28/JUL/14 ‘’Está sem moral até para dar aula em escola primária’’


R.B.

"Está sem moral até para dar aula em escola primária"

 

El Colorado, 26 de julho de 2014 (SEGUNDA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, ampliando a valorização acumulada na semana passada (1,4%), no mês (8,7%) e no ano (12,6%), ainda influenciada positivamente pelas ''apostas'' de derrota de Dilma, já que a eventual eleição do candidato da oposição certamente trará de volta a confiança na economia brasileira e (2) o DÓLAR pode cair, seguindo a esperada melhora do ''humor'' na Bovespa e também influenciado pela redução das tensões geopolíticas.

 

Sexta-feira, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu -0,3%, realizando lucros recentes e acompanhando as perdas das demais bolsas mundiais, em um dia de baixo volume de negócios (R$ 4,8bi) e (2) o DÓLAR subiu 0,3% à R$ 2,23, seguindo a alta da moeda americana no exterior, diante dos conflitos geopolíticos.

 

Também sexta-feira, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão -0,1% e China -0,3%, realizando lucros após se aproximarem das máximas em 3 anos, mesmo diante da noticia de que a atividade industrial da China teve sua expansão mais rápida em 18 meses em JUL/14, (2) da EUROPA, Inglaterra -0,4%, França -1,8% e Alemanha -1,5%, influenciadas pela divulgação de dados econômicos e de balanços de empresas piores do que o esperado e (3) dos EUA, S&P -0,5%, DJ -0,7% e NASDAQ -0,5%, pressionada pelo recuo das ações de empresas de consumo, após Visa e Amazon relatarem resultados decepcionantes e caírem respectivamente -3,6% e -9,6%.

 

Como atualmente Mantega, ministro brasileiro da fazenda, ''está sem moral até para dar aula em escola primária'', Dilma, em busca de uma estratégia de comunicação para dirigir a economia, procura um porta-voz econômico para sua campanha pela reeleição com ''cacife e principalmente capacidade técnica'' para debater com economistas do PSDB e do PSB.

 

''Obrigados'' a se retratarem depois, os bancos Santander e Goldman Sachs, cobertos de razão, enviaram aos seus clientes relatórios ressaltando que, em caso de vitória de Dilma, ocorrerá uma reversão da alta recente da Bolsa, um aumento dos juros mais longos e uma piora na economia brasileira.

 

-    Na contramão do índice de otimismo de empresários de 34 países, os brasileiros estão mais pessimistas com as incertezas na economia nos próximos 12 meses e ainda menos confiantes com o futuro.

-    De forma populista e eleitoreira, o governo Dilma anunciou uma série de medidas para estimular o crédito, como a redução dos depósitos compulsórios a prazo e à vista.

 

Como a carne bovina subiu 20% nos últimos 12 meses, mesmo com o esperado churrasco da Copa do Mundo, nos 15 primeiros dias de JUL/14 as vendas desta proteína animal nos frigoríficos caíram entre 20% e 30% na comparação com o mesmo período de 2013.

 

Apesar de ser a região em que a presidenta Dilma teve a maior queda nas intenções de voto, o Nordeste vive neste ano situação inversa à do resto do país em termos econômicos, já que a atividade econômica cresceu acima de 4% nos cinco primeiros meses deste ano, resultado superior à média nacional (0,6%).

 

-    A Petrobras subiu 0,9%, diante do anuncio da divulgação de um estudo no exterior dizendo que as ações da empresa ainda estão 20% abaixo do seu ''preço justo''.

-   O Bradesco caiu -0,8% e o Itaú caiu -0,4%, diante do anuncio de mais uma medida ''populista e eleitoreira'' do governo Dilma para estimular o credito.

-    A Hypermarcas caiu -0,1%, porem após o fechamento do pregão a empresa anunciou que seu lucro líquido no segundo trimestre deste ano foi de R$ 122mi, o que superou as expectativas do ''mercado'', que estavam em R$ 111,6mi, e representou um crescimento de mais de seis vezes na comparação com o mesmo período de 2013.


Política:

 

Com apenas 4% das intenções de voto e sofrendo com a rejeição do seu ''companheiro'' Haddad, a equipe de Alexandre Padilha, ex-ministro da saúde e atual candidato do PT ao governo de SP, está com problemas financeiros e precisou recorrer à Dilma para tentar contornar as alegadas limitações de caixa.

 

Paulo Skaf, candidato do PMDB ao governo de SP, está sendo pressionado por seus eleitores a se posicionar sobre seu possível apoio à Dilma na reeleição, porem o peemedebista, com toda razão, tem muito receio de atrelar sua imagem à da presidenta, que por sua vez tem alto índice de rejeição no maior colégio eleitoral do Brasil.

 

Mesmo o aval do comando peemedebista, Rena Calheiros, presidente do Senado, costurou o recebimento de uma ajuda de campanha de R$ 35mi do PT ao PMDB de Alagoas, o que obviamente abriu mais uma crise entre os dois partidos, os maiores da coligação pela reeleição da presidenta Dilma.


Crítica:

 

Falando em ''boa fé'', o que é uma tremenda ''cara de pau'' para quem está à beira de dar o segundo calote em seus credores em menos de 12 anos, o governo da Argentina destacou que é impossível cumprir a decisão do tribunal dos EUA determinando o pagamento total a investidores que processam o país.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil 



Nenhum comentário:

Postar um comentário