R.B. 9/AGO/11 "Limonada do limão"


R.B.

"Limonada do limão"

 

São Paulo, 9 de agosto de 2011 (TERÇA-FEIRA).


Mercados:

 

HOJE

-    A BOVESPA deve subir, iniciando um ''lento e longo'' movimento de recuperação das perdas acumuladas no ano, diante da provável recuperação dos preços das commodities, da esperada redução das tensões globais e dos sinais de que, com menos crescimento das economias do ''primeiro mundo'', o Brasil terá menos inflação e consequentemente a Selic vai parar de subir.

-    O DÓLAR pode cair, finalmente retornando à sua ''trajetória natural'' após várias altas consecutivas, seguindo os mesmos motivos que devem levar a melhora no ''humor'' na Bovespa e o ''crescente e constante'' fluxo positivo de recursos externos.

 

ONTEM

-    BOVESPA -8,1%, já abriu em queda e, mais uma vez acompanhando as perdas das bolsas de NY, manteve a trajetória descendente ao longo de todo pregão, com bom volume de negócios (R$ 9,6bi), para fechar o dia com a maior baixa percentual desde OUT/08, reagindo ao rebaixamento da ''nota'' dos EUA pela agência Standard & Poor's.

-    DÓLAR 1,4% à R$ 1,61 já abriu em alta e, também acompanhando o ''humor negativo'' nas bolsas mundiais, manteve a trajetória ascendente ao longo de todo pregão, para fechar o dia com a maior alta percentual desde JUN/10.

-    Na ÁSIA, sendo as primeiras a reagir ao rebaixamento da ''nota'' dos EUA, JAPÃO -2,1%, com destaques de queda para as exportadoras do setor de tecnologia, CHINA –3,8%, recuando para a pior pontuação em mais de 1 ano, com destaques negativos para as petrolíferas e para as produtoras de metais e CORÉIA –3,8%, a quinta queda consecutiva e no menor pontuação em quase 10 meses, com agressivas vendas por parte de investidores de varejo.

-    Na EUROPA, mesmo diante da noticia de que o BC comprará bônus soberanos da Espanha e da Itália, INGLATERRA –3,4%, FRANÇA –4,7% e ALEMANHA –5,0%, com destaques de queda para os papéis de empresas pertencentes aos setores cíclicos da economia, como mineradoras, montadoras e companhias de tecnologia.

-    Nos EUA, com as piores desvalorizações desde DEZ/08, S&P –6,7%, DJ -5,5% e NASDAQ –6,9%, diante do agravamento dos temores de recessão, exacerbados pela redução da ''nota'' do país pela S&P e da percepção de que Washington é incapaz de solucionar os problemas da crescente dívida e do lento crescimento econômico.


Economia:
 
Como se fosse Chávez reclamando dos ''Yankes Imperialistas'', um europeu puro reclamando dos imigrantes africanos ou até Hitler reclamando dos judeus, ontem Obama, presidente dos EUA, afirmou que, apesar da redução da ''nota'' dos EUA pela S&P, os mercados ainda acreditam no crédito norte-americano e que os país continua 100% seguro para os investidores, já que tem as melhores universidades, as melhores empresas e os mais inventivos empreendedores.
 
Após ''garantir'' que a economia brasileira está em uma situação "muito mais sólida" do que em 2008, Dilma, repetindo as palavras de Lula em 2008, também pediu que o brasileiro não deixe de consumir, como forma de ajudar a proteger o Brasil da crise econômica internacional, porem ressaltou que não é um momento para "brincar e sair por aí gastando o que não temos".
 
Tentando fazer ''limonada do limão'', o BC brasileiro afirmou que a piora no cenário internacional vai contribuir para uma desaceleração "um pouco mais forte" que a esperada na economia mundial, refletindo nos preços de commodities, na perspectiva de lucro das empresas e também na pressão inflacionária no Brasil.
 
Dando novos sinais positivos da economia interna, (1) em JUL/11 o número de brasileiros que planejavam realizar uma viagem até JAN/12 cresceu 37,6% na comparação com JUL/10, (2) no primeiro semestre deste ano o faturamento das indústrias brasileiras cresceu 5,8% na comparação com o mesmo período de 2010, (3) nos 6 primeiros meses deste ano o número de falências requeridas em todo o país registrou uma retração de -6,5% ante o mesmo período no ano passado e (4) os shopping centers brasileiros registraram vendas 8% maiores no primeiro semestre na comparação com o mesmo período do ano passado.
 
Com a economia mundial em retração e o BC dando sinais de que não deve mais elevar a Selic, o ''mercado'' finalmente reduziu, desta vez de 6,31% para 6,28%, suas ''apostas'' para o IPCA de 2011 e, de 12,75% para 12,50%, suas projeções para a taxa básica de juros no final deste ano.
 
Gastando mais do que arrecada, com uma dívida enorme e com um crescimento econômico pífio, a França agora é o país mais vulnerável, entre aqueles com notas de risco soberano classificadas como AAA, e pode ser o próximo a perder o status de melhor qualidade de crédito.
 
Mostrando que os ''gringos apostam no Brasil'', diante do bom desempenho da economia brasileira nos últimos anos e da retração nos países do ''primeiro mundo'', o ritmo anual de ingresso de marcas estrangeiras no segmento de franquias do país mais que dobrou do período de 2000-2007 para o último triênio.
 
Citando o momento ruim do mercado de ações, Gabrielli, presidente da Petrobrás, ''avisou'' ontem que sua empresa poderá adiar a venda de participações que possui, movimento que faz parte do seu plano de desinvestimento de US$ 13,6bi.
 
Segundo Edison Lobão, ministro de Minas e Energia, o governo anunciará nos próximos dias medidas para garantir a oferta de etanol no país, indicando que o percentual do combustível que é adicionado à gasolina, atualmente em 25%, pode se reduzido e que também estuda medidas de caráter financeiro para ajudar os produtores e até, em ultimo caso, a importação de etanol dos EUA.
 
Acima do resultado do mesmo período do mês anterior (0,26%), porem abaixo do esperado pelo ''mercado'' (0,35%), o IPC da Fipe apresentou variação positiva de 0,33% na primeira quadrissemana de AGO/11.

Política:
 
''Zombando do cego o zarolho'', Sarney, presidente do Senado brasileiro, classificou como "vergonhosas" as negociações nos EUA que resultaram na elevação do limite da dívida do governo norte-americano, ressaltando que o país deu um "péssimo exemplo" ao usar politicamente o episódio na disputa entre Democratas e Republicanos.
 
Ontem, durante seu discurso de posse, Celso Amorim, novo ministro brasileiro da Defesa, afirmou que dedicará seu tempo à frente da pasta à proteção das fronteiras e dos recursos nacionais do Brasil, como o pré-sal, ressaltando que ser um país pacifico não pode ser confundido com ser um país desarmado e indefeso.
 
Mostrando todo o ''amor'' que existe entre os 2 principais tucanos na ''ativa'' em SP, ontem Alckmin, governador de SP, voltou a defender o nome de Serra para a Prefeitura da capital paulista e disse que, se ele aceitar concorrer, não há necessidade de prévias no partido.
 
O Ministério Público Eleitoral de SP impugnou junto ao Tribunal Regional Eleitoral a certificação de regularidade estadual do PSD, sigla que Kassab, o prefeito da cidade, pretende utilizar após ter deixado o DEM.

Crítica:
 
Segundo o brasileiro José Graziano, que recentemente foi eleito diretor-geral da FAO, que é o braço da ONU para Alimentação e Agricultura, os biocombustíveis não são inimigos no combate à fome, a fome não ocorre por falta de dinheiro e o padrão de consumo das elites é insustentável.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br

Conheça e indique nosso novo Blog ( http://relatoriobrasil.blogspot.com )

Nenhum comentário:

Postar um comentário