R.B. 19/AGO/11 ‘’Jeito PMDB de fazer politica’’


R.B.

"Jeito PMDB de fazer politica"

 

Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2011 (SEXTA-FEIRA).


Mercados:

 

HOJE

-    A BOVESPA deve voltar a cair, seguindo a nova piora do ''humor'' nas bolsas do ''primeiro mundo'' e o recuo das commodities, porem deve-se ressaltar que o patamar é interessante para investimentos de longo prazo, principalmente diante das perspectivas de redução da Selic no médio prazo.

-    O DÓLAR pode subir, seguindo o provável ''humor negativo'' na Bovespa, porem deve-se ressaltar que a ''trajetória natural'' da moeda norte-americana continua sendo de baixa, já que o governo brasileiro segue pagando a maior e mais atrativa taxa real de juros do mundo (cerca de 6,8% ao ano).

 

ONTEM

-    BOVESPA –3,5%, já abriu em queda, para na mínima recuar –5,1% e, acompanhando a nova piora do ''humor'' nas bolsas de NY e principalmente da Europa, manteve a trajetória descendente ao longo de todo pregão, para fechar o dia nos 53.134pts, também acompanhando o recuo das commodities no mercado internacional.

-    DÓLAR 0,9% à R$ 1,59, já abriu em alta e, acompanhando o ''humor negativo'' na Bovespa, manteve a trajetória ascendente ao longo de todo pregão, para voltar a se aproximar dos R$ 1,60, em meio a uma onda de aversão a risco nos mercados financeiros globais.

-    Na ÁSIA, realizando lucros recentes e seguindo os ''temores'' de redução da demanda global e de crise na zona do Euro, JAPÃO -1,2%, CORÉIA -1,7% e CHINA -1,6%, com destaques de queda para as ações dos setores de commodities e tecnologia.

-    Na EUROPA, acumulando as maiores quedas em mais de 2,5 anos, INGLATERRA –4,5%, FRANÇA -5,4% e ALEMANHA –5,8%, após uma série de dados macroeconômicos colocarem dúvidas sobre a força da recuperação dos EUA, a maior economia do mundo, com destaques de queda para as ações de bancos, como Barclays (-11,0%), Société Générale (-11,0%) e Commerzbank (-10,5%), desta vez diante dos efeitos negativos da proibição de vendas a descoberto de papéis.

-    Nos EUA, em mais um dia de fortes perdas, S&P –4,5%, DJ –3,7% e NASDAQ –5,2%, prejudicadas pela divulgação de novos indicadores apontaram para a fraqueza da economia norte-americana e de outros países do ''primeiro mundo'' e também por um relatório do banco Morgan Stanley que reduziu, respectivamente de 4,2% para 3,9% e de 4,5% para 3,8%, suas previsões de crescimento global em 2011 e 2012, dizendo que os EUA e a zona do euro estão "perigosamente perto de uma recessão" e criticando as autoridades de Washington e da Europa por não agirem de forma mais decisiva para conter a crise de dívida pública.


Economia:
 
Colocando mais ''lenha na fogueira da crise'', Jacques Delors, presidente da Comissão Europeia entre 1985 e 1994, afirmou que a zona do euro está hoje "à beira do precipício", descreveu como inúteis as propostas para reforçar a governança econômica da Europa e concluiiu dizendo que Merkel, a chenceler da Alemanha, e Sarkozy, o presidente da França, estão brincando ao defenderem um volume mínimo de cooperação destinada a limitar qualquer transferência de soberania.
 
No mesmo dia em que os economistas do Ipea ''avisaram'' que a crise internacional é uma oportunidade para o Brasil fazer uma mudança intensa na sua política monetária, Tombini, presidente do BC, afirmou que desaceleração da economia brasileira segue de acordo com o esperado pelo governo e que o Copom vai levar em consideração, na sua decisão sobre os juros no próximo dia 31, um ambiente global mais desafiador e indicadores de atividade no Brasil que mostram desaceleração.
 
Segundo Luciano Coutinho, presidente do BNDES, mesmo com a desaceleração na oferta de crédito no mercado internacional, o banco de fomento brasileiro, classificado por ele como ''sobrecarregado'', mantém sua previsão de reduzir os desembolsos em 2011.
 
Engordando ainda mais as contas publicas do Brasil e mostrando que a economia do país segue crescendo, ontem (18/AGO/11) o Impostômetro, ferramenta que registra quanto o brasileiro paga de imposto aos governos federal, estadual e municipal, atingiu a marca de R$ 900bi no ano, 34 dias antes do que ocorreu em 2010 (21/SET/10)  de setembro. Em 2009, a marca foi atingida em 7 de novembro. Em 2008, em 9 de novembro; e em 2007, em 24 de dezembro. Em 2006 e 2005 esse valor não foi alcançado.
 
Como fruto do bom momento da economia brasileira, (1) nos 6 primeiros meses de 2011 cerca de 93% das negociações salariais realizadas conquistaram reajustes iguais ou acima da inflação, o que representa o segundo melhor resultado registrado pelo Dieese desde 2008 e (2) o mercado aéreo doméstico cresceu 20,07% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado.
 
Mesmo com os juros em patamares ''astronómicos'' e com os problemas e as incertezas enfrentadas pelos países do ''primeiro mundo'', em JUL/11 a demanda das empresas brasileiras por crédito cresceu 3,4% na comparação com o mês imediatamente anterior e 6,6% na comparação com JUL/10.

Política:
 
Insatisfeitos com seu líder na Câmara, que é o deputado Henrique Alves, 38 dos 79 deputados federais peemedebistas se reuniram na tarde de ontem durante duas horas e meia para dizer para reclamar que ele (1) não reúne a bancada com a frequência necessária, (2) não pressiona o governo para preencher nos Estados cargos que ainda permanecem vagos, (3) não passa pela bancada as indicações para cargos importantes nos ministérios controlados pelo PMDB, (4) só pensa na sua eleição daqui a dois anos para suceder o atual presidente da Câmara e (5) só valoriza um dos seus colegas, Eduardo Cunha, pois ele é capaz, se for o caso, de se indispôr com toda a bancada.
 
Mostrando que pode ser durona, mas tem gratidão, Mendes Ribeiro foi o nome escolhido para substituir Wagner Rossi no ministério da Agricultura e entre os fatores que pesam a favor dele foi o fato de ter sido praticamente o único peemedebista gaúcho ao lado de Dilma na campanha de 2010.
 
Confirmando o ''jeito PMDB de fazer politica'', apenas 2 meses após o acidente de helicóptero no litoral da Bahia que tornou pública a proximidade entre o governador do Rio, Sérgio Cabral, e o empresário Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, a administração estadual fluminense voltou a firmar com a empreiteira contratos emergenciais, com dispensa de licitação.
 
A "faxina" no governo da presidenta Dilma, que já derrubou 4 ministros em pouco mais de 2 meses, causa extremo desconforto no PT, já que dirigentes do partido, senadores, deputados e até ministros temem que, com a escalada de escândalos revelados, o governo Lula acabe carimbado como corrupto.
 
Ignorando o anúncio feito pelo presidente do PR, o senador Alfredo Nascimento, de independência do governo Dilma, nenhum dos 12 superintendentes do Dnit, indicados pelo PR, fez qualquer movimento para pedir demissão.

Crítica:
 
Estimulando o aumento do uso de fontes renováveis de energia no Brasil, o custo financeiro da geração de energia no país já está menor do que o da energia elétrica obtida em termelétricas a gás natural e em alguns casos também tem custo inferior ao das usinas movidas a biomassa de cana.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br

Conheça e indique nosso novo Blog ( http://relatoriobrasil.blogspot.com )

Nenhum comentário:

Postar um comentário