R.B. 6/JUL/11 ''Velho turrão que não quer largar o osso''


R.B.

"Velho turrão que não quer largar o osso"

 

São Paulo, 6 de julho de 2011 (QUARTA-FEIRA).


Mercados:

 

HOJE

-    A BOVESPA deve subir, retornando seu movimento de recuperação, beneficiada pela melhora do ''humor'' nas principais economias do mundo e também pelas boas noticias corporativas de empresas brasileiras.

-    O DÓLAR pode voltar a cair, seguindo o ''crescente e constante'' fluxo positivo de recursos externos, que alias deve aumentar com o anuncio de que o Tesouro Nacional prepara a primeira captação externa do governo Dilma.

 

ONTEM

-    BOVESPA -1,3%, abriu ''de lado'' e, realizando lucros recentes, logo passou a cair e manteve a trajetória descendente ao longo de todo pregão, seguindo as perdas das demais bolsas mundiais diante do anuncio de rebaixamento da ''nota'' de Portugal pela agência de classificação Moody's.

-    DÓLAR 0,7% à R$ 1,56, já abriu em alta e, em um ''ajuste técnico'' após 6 pregões consecutivos de queda, manteve a trajetória ascendente ao longo de todo pregão, pressionado pelos leilões de compra do BC e seguindo a piora do ''humor'' na Bovespa.

-    Na ÁSIA, seguindo o bom desempenho das demais bolsas mundiais no dia anterior, JAPÃO 0,1%, em um movimento de cautela antes da divulgação dos dados sobre emprego nos EUA, que serão divulgados na sexta-feira, CHINA 0,1%, com o receio de que o BC local possa aumentar os juros nos próximos dias limitando os ganhos no setor imobiliário, já que a oradora China Vanke informou que suas vendas em JUL/11 cresceram 51% em relação ao mesmo mês do ano passado e CORÉIA 0,8%, a quinta alta consecutiva e com destaques positivos para Samsung (2,4%) e Hynix (3,9%).

-    Na EUROPA, realizando lucros recentes, INGLATERRA -0,1%, FRANÇA -0,6% e ALEMANHA -0,1%, ''temendo'' mais medidas de aperto monetário na China, decepcionadas pela queda de -1,1% das vendas no varejo nos países do bloco em MAI/11 e também prejudicadas pelo rebaixamento da ''nota'' de Portugal pela Moody's.

-    Nos EUA, sem uma tendência única, S&P -0,1%, DJ -0,1% e NASDAQ 0,3%, divididas entre o bom desempenho das ações do setor de petróleo, diante da divulgação de um relatório revisando para cima as estimativas de preço da commodity, e o rebaixamento da ''nota'' de Portugal pela Moody's.


Economia:
 

Apesar de afirmar que as taxas de inflação verificadas nos últimos meses estão dentro do percentual que corresponde a uma taxa anual de 4,5%, valor que é o centro da meta fixada para este e para os próximos 2 anos, Tombini, presidente do BC, ''avisou'' que os juros no Brasil só poderão convergir para as taxas praticadas internacionalmente no futuro, pois hoje a prioridade é combater a inflação.

 

Em mais uma de suas ''ameaças'', Mantega, ministro da Fazenda, ''avisou'', durante uma palestra em Londres, que o governo Dilma está atento à questão cambial e que estuda novas medidas para conter a valorização do real.

 

Sem muito alarde, principalmente para não derrubar ainda mais a cotação do dólar, e esperando taxas de juros mais baixas, já que este ano 2 agencias de classificação de risco elevaram a ''nota'' do Brasil, o governo Dilma se prepara, através do Tesouro Nacional, para fazer a sua primeira captação de recursos no mercado externo via emissão de títulos, o que deve ocorrer antes do período de férias no Hemisfério Norte.

 

Dando mais um sinal positivo da economia interna, segundo uma pesquisa do Serasa, no primeiro semestre deste ano a atividade do comércio em todo o país cresceu 9,6% na comparação com o mesmo período no ano passado, com destaque positivo para o segmento de material de construção, que avançou 12,8% na mesma base de comparação.

 

Mostrando que a demanda reprimida ainda é enorme, o que afasta muito a possibilidade de bolha no setor imobiliário, segundo uma pesquisa recente cerca de 9,9 milhões de famílias brasileiras pretendem comprar, para uso próprio e não para investimento, um imóvel ou terreno nos próximos 12 meses, dos quais 47% pertencem à classe média, com renda familiar mensal entre 3 e 10 salários mínimos.

 

''Apostando'' no bom desempenho da economia brasileira, a Hyundai Heavy Industries anunciou que investirá US$ 150mi para, até o final de 2012, concluir a construção de uma fábrica de máquinas de construção pesada no RJ que produzirá até 5 mil máquinas por ano.

 

Indicando mais uma vez que a inflação está perdendo ''força'', o Índice de Preços ao Produtor apresentou deflação de -0,55% em MAI/11, revertendo variação positiva de 0,28% registrada em ABR/11.


Política:
 
Com o apoio da opinião publica e da mídia, que já se posicionou contra o uso de dinheiro publico para ajudar empresário ''turrão'', a oposição começou a coleta de assinaturas para instalar uma CPI no Senado para investigar a atuação do BNDES em processos de fusão, especialmente a do Carrefour com o Pão de Açúcar.
 
Fazendo justiça, obviamente também em beneficio próprio, ontem o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória que corrige em 4,5% ao ano a tabela do Imposto de Renda até 2014.
 
Mostrando porque a ''cabeça'' do ministro Alfredo Nascimento sendo ''caçada'', as construtoras Queiroz Galvão, Sanches Tripoloni e Andrade Gutierrez são os principais doadores de campanha do PR, partido que controla o Ministério dos Transportes, receberam ano passado R$ 986,2 milhões de órgãos vinculados à pasta.

Crítica:
 
Como um ''velho turrão que não quer largar o osso'' para se aposentar e curtir a vida ''de chinelo'', Abílio Diniz, lutando apenas pelos seus próprios interesses de poder, afirmou ontem que tem certeza de que poderá convencer o Casino a aprovar a operação de fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br

Conheça e indique nosso novo Blog ( http://relatoriobrasil.blogspot.com )

Nenhum comentário:

Postar um comentário