R.B. 13/JUL/11 ''110% vendida para o governo''


R.B.

"110% vendida para o governo"

 

São Paulo, 13 de julho de 2011 (QUARTA-FEIRA).


Mercados:

 

HOJE

-    A BOVESPA deve subir, em um movimento de ''caça de barganhas'' após 6 pregões consecutivos de queda e após acumular uma baixa de 14,1% no ano, com os investidores ''apostando'' no bom desempenho da economia brasileira.

-    O DÓLAR pode voltar a cair, acompanhando a provável melhora do ''humor'' na Bovespa e seguindo o ainda ''crescente e constante'' fluxo positivo de recursos externos oriundos de exportações, captações e ''investimentos''.

 

ONTEM

-    BOVESPA -0,9%, abriu ''de lado'', para na máxima avançar 0,4%, porem, seguindo a nova piora do ''humor'' nas bolsas de NY, passou a cair no inicio da tarde, para fechar abaixo dos 60.000pts (aos 59.704) pela primeira vez desde 25/MAI/10, pressionada principalmente pelas ações do setor bancário.

-    DÓLAR -0,1% à R$ 1,58, abriu ''de lado'', para na máxima avançar 0,2%, porem passou a cair na parte da tarde, diante das ''apostas'' de novas elevações na Selic e da manutenção da confiança na economia brasileira.

-    Na ÁSIA, seguindo as perdas das demais bolsas mundiais no dia anterior, JAPÃO -1,4%, com destaques de queda para as exportadoras, como Sony (-3,1%) e Mazda (-2,8%), diante da valorização da moeda local (o iene) frente ao dólar, CHINA -1,7, já que pesaram também as preocupações com o endividamento dos governos locais chineses e o temor de novas medidas de aperto monetário por parte de Pequim e CORÉIA -2,2%, pressionada principalmente por Samsung Electronics (-1,7%), Hyundai (-3,1%) e Posco (-1,4%).

-    Na EUROPA, cada dia mais pressionados por temores de que a crise da dívida soberana européia possa se alastrar para países com economias maiores, INGLATERRA -1,0%, FRANÇA -0,9% e ALEMANHA -0,8%, novamente com destaques de queda para as ações dos bancos.

-    Nos EUA, também afetadas pelas persistentes incertezas sobre os problemas da dívida na zona do euro, S&P -0,4%, DJ -0,5% e NASDAQ -0,7%, porem com os índices oscilando muito durante a sessão, o que indica um mercado que tenta recuperar-se após as quedas consecutivas.


Economia:
 
Segundo Tombini, presidente do BC, a autoridade monetária está ''confortável'' com suas previsões de inflação para 2011 apesar da leitura mais forte de alguns índices divulgados recentemente, como o IPCA de JUN/11, que alimentou apostas de que será necessário um juro ainda mais alto para manter os preços contidos.
 

Indicando que, mesmo com os ''problemas externos'', a economia brasileira segue crescendo, em MAI/11 o comércio varejista apresentou crescimento de 6,2% no volume de vendas na comparação com MAI/10.

 

Diante da queda do dólar, do bom momento de economia brasileira e do aumento da renda do trabalhador brasileiro, em 2011 o Brasil deve trazer do exterior cerca de 1 milhão de carros, o que representa um incremento de 52% em relação ao total de veículos importados vendidos no ano passado.

 

Apresentando um ótimo crescimento, no primeiro semestre deste ano os fundos de investimento imobiliário movimentaram R$ 375mi nos mercados de bolsa e balcão, volume que já é quase equivalente ao registrado no ano de 2010, quando esse mercado girou R$ 379mi.

 

Dando mais um sinal do ótimo momento do setor agrícola brasileiro, no primeiro semestre deste ano as vendas de fertilizantes, embaladas pela firme demanda do insumo para o cultivo do milho, saltaram quase 30% na comparação com o mesmo período de 2010.

 

Podendo beneficiar a Petrobrás, segundo a Agência Internacional de Energia a demanda mundial de petróleo deve registrar um aumento de 1,5 milhão de barris diários em 2012, contra 1,2 milhão de barris diários este ano, sobretudo por conta da progressão do consumo dos países emergentes.

 

-    O Pão de Açúcar caiu -2,0% após o governo sinalizar que o BNDES está fora da operação.

-    A MMX caiu -1,9%, mesmo após Eike Batista assinar um protocolo de intenções com o governo de MG investir R$ 4bi na ampliação da exploração de minério de ferro no complexo Serra Azul.

-    A Embraer caiu -0,3%, mesmo após anunciar que vendeu 48 aviões comerciais e executivos no segundo trimestre do ano, elevando para 76 o número de entregas entre JAN/11 e JUN/11.


Política:
 
Durante sua primeira entrevista após ser confirmado por Dilma como ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos ''prometeu'' que fará os ajustes necessários na pasta para garantir que o ministério trabalhe dentro das melhores regras da administração pública.
 
Como quer se candidatar a prefeito de Curitiba e os tucanos do Estado devem apoiar a tentativa de reeleição do atual prefeito Luciano Ducci, do PSB, o ex-deputado Gustavo Fruet anunciará hoje a sua saída do PSDB.
 
Frustrando os desejos do PSB, a ministra Nancy Andrighi, presidente em exercício do Tribunal Superior Eleitoral, negou o pedido de liminar do referido partido que solicitava a decretação da perda de mandato de Gabriel Chalita, que foi para o PMDB, por infidelidade partidária.
 
Ao mesmo tempo em que o PR ensaia uma rebelião, o PMDB valoriza sua aliança com o governo Dilma, já que ontem o partido deu um bolo ao PT com as imagens de Dilma ao lado de Temer com a inscrição "amor à 15ª vista".
Crítica:
 
Mostrando mais uma vez a atual falta de vergonha da classe universitária brasileira, que no passado foi responsável por derrubar a ditadura e exigir o voto direto para presidente e hoje está ''110% vendida para o governo'', estatais como a Petrobrás ''investiram'' R$ 4 milhões para realizar hoje em Goiânia o 52º Congresso da UNE, que deve receber cerca de 10 mil universitários para palestras, chops, futebol, churrasco e é claro, nenhum tipo de protesto ou reivindicação que comprometa sua ótima relação com o governo.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br

Conheça e indique nosso novo Blog ( http://relatoriobrasil.blogspot.com )

Nenhum comentário:

Postar um comentário