R.B. 10/MAI/10 ''Tudo muda o tempo todo no Mundo''

--------------------------------------------------------------------------------
R.B.

"Tudo muda o tempo todo no Mundo"

São Paulo, 10 de maio de 2010 (SEGUNDA-FEIRA).
--------------------------------------------------------------------------------
Mercados:

HOJE
- A BOVESPA deve subir, após acumular uma baixa de -6,9% na semana passada, ''comemorando'' as liberações dos pacotes da União Européia e do FMI para proteger as economias dos mercados mais fracos da zona do euro e também seguindo a conseqüente recuperação dos preços das commodities.
- O DÓLAR deve cair, acompanhando a melhora do ''humor'' nos demais mercados mundiais para retomar sua ''trajetória natural'' diante do fluxo positivo de recursos externos e em um ''ajuste técnico'' após avançar 6,5% na semana passada.

SEXTA-FEIRA
- BOVESPA -0,9%, abriu em alta, para na máxima avançar 0,6%, porem, mais uma vez seguindo o ''humor negativo'' das bolsas da Europa e dos EUA, passou a cair ainda na parte da manhã, para fechar no menor patamar desde 5/FEV/10 e com bom volume de negócios (R$ 7,7bi).
- DÓLAR 0,1% à R$ 1,85, abriu em queda, para na mínima atingir R$ 1,82, porem, seguindo a tendência internacional da moeda norte-americana, passou a subir na parte da tarde, também influenciado pelos leilões de compra do BC e pela elevação do risco-Brasil (1,3%).
- Na ÁSIA, seguindo as perdas na Europa e nos EUA, JAPÃO -3,1% (-6,3% na semana e -1,7% no ano), com um dos maiores volume de negócios de 2010 e destaques negativos para as grandes exportadoras, como as fabricantes de aparelhos eletrônicos e de automóveis Sony (-3,2%) e Honda (-2,6%), CHINA -1,9%, no menor patamar em 8 meses, também afetadas pelas preocupações sobre medidas de aperto no âmbito doméstico e CORÉIA -2,2%, pressionada por um recorde de volume de vendas líquidas de ações por parte dos investidores estrangeiros.
- Na EUROPA, acumulando as maiores retrações semanais desde a semana do dia 21/NOV/08, INGLATERRA -2,6%, FRANÇA -4,6% e ALEMANHA -3,3%, ainda pressionadas preocupações relacionadas às elevadas dívidas de alguns países da zona do euro, pela ausência de uma maioria clara nas eleições do Reino Unido e pelas expectativas em relação aos desdobramentos da crise na Grécia.
- Nos EUA, também prejudicadas pelos problemas na Europa, apesar dos bons dados sobre o emprego local, S&P -1,5%, DJ -1,3% e NASDAQ -2,3%, já que as escassas tentativas do mercado para voltar ao equilíbrio durante a sessão foram rapidamente extintas pela pressão de baixa, em um clima de nervosismo e volatilidade exacerbados.
--------------------------------------------------------------------------------
Economia:

Confirmando como ''tudo muda o tempo todo no Mundo'', sexta-feira passada Mantega, ministro brasileiro da Fazenda, afirmou que o Brasil fará um aporte de US$ 286mi no FMI para ajudar a conter a crise na Grécia, ressaltando que estes recursos sairão das reservas internacionais do país, hoje estimadas em US$ 245bi, e que a crise européia terá consequências "muito leves" para o país e não afetará o crescimento econômico neste ano.

Dando novos sinais positivos da economia brasileira, (1) nos 4 primeiros meses deste ano a Caixa Econômica Federal emprestou R$ 21,2bi para financiamentos imobiliários, quase o total oferecido em 2008 (R$ 23,3bi) e 124% a mais do que no mesmo período de 2009 e (2) com um crescimento de 39% na comparação com o mesmo período de 2009, o número de fusões e aquisições no Brasil registrou um recorde histórico no primeiro quadrimestre de 2010, desempenho este que foi puxado pelas operações do setor de alimentação, que representaram 11% das transações.

''Apostando'' no Brasil, executivos da empresa sul-coreana Hyundai negociam com governos estaduais do Piauí, do Maranhão, do Tocantins e da Bahia a compra de terras com o objetivo de plantar e exportar soja para a Coréia do Sul.

Superando, em cerca de 25%, as previsões iniciais da organização do evento, a edição de 2010 da Agrishow em Ribeirão Preto atingiu o volume recorde de R$ 1,2bi em negócios fechados somente em financiamentos feitos por Bradesco, Banco do Brasil e Santander, sem contabilizar os financiamentos fechados pelos bancos próprios das fabricantes de máquinas e veículos e as transações pagas à vista.

Pressionado principalmente pelos alimentos, o IPCA de ABR/10 ficou em 0,57%, o que representa a maior taxa para o mês desde 2005, supera as ''apostas do mercado'' (0,55%) e o resultado de MAR/10 (0,52%), acumulando com isto uma alta de 5,26% nos últimos 12 meses.

- A Petrobrás caiu -0,2%, porem anunciou no s´´abado que bateu um recorde nacional de produção de petróleo em ABR/10, quando sua produção diária média chegou a 2,1 milhões de barris.
--------------------------------------------------------------------------------
Política:

Após, sem nenhuma modéstia, ''garantir'' que sua candidata ganhará as eleições presidenciais este ano, Lula afirmou que, ganhe quem ganhar, ninguém fará nenhum disparate nas áreas econômica e social.

Descumprindo deliberadamente uma determinação do TSE, o PT continuou a exibir na TV inserções publicitárias de promoção da pré-candidata Dilma e de comparação do governo Lula com o anterior.

Complicando cada vez mais a vida do papai, que este ano tentará se reeleger senador por SP, Romeu Tuma Jr., secretário nacional de Justiça, está envolvido em novas denúncias contra Li Kwok Kwen, preso como um dos chefes da máfia chinesa no Brasil e acusado de contrabando pelo Ministério Público Federal.

Como não poderia ser diferente, entre os opositores do projeto Ficha Limpa, que veda candidatos com condenações na Justiça, a bancada do PP na Câmara vem se destacando ao tentar desfigurar a proposta inicial e o ''nobre'' deputado Paulo Maluf é um dos poucos parlamentares que podem ser declarados inelegíveis caso o texto seja aprovado.
--------------------------------------------------------------------------------
Crítica:

Confirmando que político não liga para educação, já que para o eleitor é mais compensador trocar voto por farinha do que voto por lápis, o Ministério da Educação constatou que 21 estados deixaram de aplicar R$ 1,2bi em ensino básico no ano passado já que, numa espécie de sonegação contábil, o dinheiro acabou livre para custear outras atividades.
--------------------------------------------------------------------------------
PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho
--------------------------------------------------------------------------------
O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br
--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário