R.B. 5/ABR/10 ''No resto do Brasil''

--------------------------------------------------------------------------------
R.B.

"No resto do Brasil"

São Paulo, 5 de abril de 2010 (SEGUNDA-FEIRA).
--------------------------------------------------------------------------------
Mercados:

HOJE
- A BOVESPA deve subir, para fechar em alta pelo sexto pregão consecutivo, ''aliviada'' com a decisão de Meirelles de continuar à frente do BC e seguindo a provável valorização das bolsas de NY, diante da divulgação de dados emprego acima do esperado na sexta-feira nos EUA.
- O DÓLAR pode voltar a cair, agora rumo aos R$ 1,75, acompanhando a provável melhora do ''humor'' na Bovespa e nos demais mercados mundiais e ainda influenciado pelo ''crescente e constante'' fluxo positivo de recursos externos.

QUINTA-FEIRA
- BOVESPA 1,1%, já abriu em alta e, acompanhando o desempenho positivo das bolsas de NY, manteve a trajetória ascendente ao longo de todo pregão, para fechar no maior patamar em 21 meses (aos 71.136pts), beneficiada pela valorização das commodities.
- DÓLAR -0,7% à R$ 1,77, já abriu em queda e, seguindo o ''humor positivo'' na Bovespa, manteve a trajetória descendente ao longo de todo pregão, para fechar em baixa pelo quarto dia consecutivo, já que China e EUA forneceram notícias positivas.
- Na EUROPA, seguindo o desempenho positivo das bolsas de NY, INGLATERRA 1,1%, FRANÇA 1,5% e ALEMANHA 1,3%, com destaques de alta para ações de empresas ligadas ao segmento de matérias-primas após dados melhores que o previsto sobre a atividade industrial na China e na zona do euro terem impulsionado os preços das commodities.
- Nos EUA, revertendo uma abertura negativa, S&P 0,7%, DJ 0,6% e NASDAQ 0,2%, antes de um fim de semana prolongado, durante o qual aliás foram publicados dados emprego acima do esperado.

SEXTA-FEIRA
- Na ÁSIA, com baixos volume de negócios, devido ao feriado de Páscoa nos mercados da Europa e das Américas, JAPÃO 0,4%, CORÉIA 0,2% e CHINA 0,3%, seguindo o fechamento positivo das bolsas mundiais na quinta-feira.
--------------------------------------------------------------------------------
Economia:

Confirmando que tem muita habilidade para a economia e pouco traquejo para política, Meirelles, assim como ''pediu'' Lula, desistiu de ser candidato ao senado, à vice ou até à governador nas próximas eleições e ''avisou'' que permanecerá no comando do BC até o final deste governo, o que certamente será motivo de comemoração tanto no ''mercado'' como no PMDB.

Acreditando que ocorrerá um aquecimento nas operações de emissões de ações a partir do segundo trimestre deste ano, Edemir Pinto, presidente da BM&FBovespa, afirmou que o ano 2010, devido aos planos de investimentos das empresas brasileiras e da perspectiva de crescimento da economia, será marcado por um volume elevado de oferta de ações e o valor total deverá ficar próximo ou mesmo superar o recorde registrado em 2007.

Com o Brasil se destacando naquilo que faz de melhor, no primeiro trimestre de 2010 as exportações brasileiras de minério de ferro, a maior parte delas feita pela Vale, aumentaram 25,7% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Dando novos sinais positivos da economia brasileira (1) superando as ''apostas do mercado'', a produção industrial brasileira teve um crescimento de 1,5% em FEV/10, pelo segundo mês consecutivo e (2) o volume financeiro de fusões e aquisições envolvendo empresas brasileiras deu um salto de 75% no primeiro trimestre de 2010 em relação ao mesmo período do ano passado.

Mostrando mais ma vez que, após o repique sazonal do inicio de ano, a inflação está novamente ''comportada'', o IPC de MAR/10 ficou em 0,34%, patamar abaixo do apurado em FEV/10 (0,74%) e ligeiramente abaixo do piso das expectativas do mercado financeiro, que iam de 0,35% a 0,42%, com mediana de 0,38%.

''Brigando'' pelos seus interesses, os produtores de etanol dos EUA, que usam o milho como matéria-prima, lançaram nova ofensiva para tentar barrar a entrada do etanol brasileiro, de cana-de-açúcar, já que apoiados por 2 deputados da bancada ruralista, em Washington, apresentaram um projeto de lei para tentar prorrogar por mais 5 anos os subsídios aos plantadores de milho e as tarifas à importação de etanol.

- ''Animado'' com o desempenho dos EUA e dos principais mercados emergentes, o FMI aumentou, de 3,9% para 4,1%, sua expectativa de expansão econômica para este ano.

- A Vale subiu 0,8% e, na sexta-feira, anunciou que fechou com a sul-coreana POSCO, a quarta maior siderúrgica do mundo, um acordo de preços "provisório".
--------------------------------------------------------------------------------
Política:

Comemorando mais um avanço nas pesquisas, Dilma, na sua primeira semana como ex-ministra, já recebeu o apoio formal de 2 partidos, o PR, de direita, e o PCdoB, de esquerda, e seu comando de campanha já tenta agendar ainda para ABR/10 encontros com outras duas legendas, o PP e o PTB.

Após afirmar que está convencido de que Dilma será a próxima presidente do Brasil, Lula ''prometeu'' que só fará campanha nos horários fora do seu expediente de trabalho, ressaltando que nos finais de semana subirá ao palanque da petista.

Se tornando a principal bandeira de luta das centrais sindicais em 2010, enquanto a proposta de emenda constitucional que reduz a jornada legal, das atuais 44 horas para 40 horas semanais, permanece parada no Congresso, sem previsão de data para ser votada, os sindicatos de categorias mais organizadas de trabalhadores já estão conquistando acordos de redução da jornada sem cortes nos salários.

Exemplo perfeito da ''elite paulistana'', que pelo rancor gerado fortalece o PT ''no resto do Brasil'', e crítica de programas como o Bolsa Família, que segundo ela dá dinheiro mensal para a pessoa se acomodar, Deuzeni Goldman, a nova primeira-dama de SP, afirmou que tem ''aversão do PT''.

- Segundo a ultima pesquisa de intenção de votos para presidente, Serra manteve-se com 34%, Dilma subiu de 27% para 31%, Ciro Gomes tem 10% e Marina Silva está com 5%.
--------------------------------------------------------------------------------
Crítica:

Cada dia mais próximos, o que certamente preocupa dos EUA, Putin, primeiro-ministro russo, e Chávez, presidente da Venezuela, formalizaram na sexta-feira passada um acordo petrolífero bilionário para a criação de uma empresa binacional de produção e extração de petróleo e também comemoraram a entrega dos 4 últimos helicópteros militares Mi-17 que completam o lote de 38 aeronaves compradas em 2006 pelo governo venezuelano.
--------------------------------------------------------------------------------
PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho
--------------------------------------------------------------------------------
O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br
--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário