R.B. 11/OUT/18 "FHC, o Mick Jagger da política tupiniquim"



"FHC, o Mick Jagger da política tupiniquim"

São Paulo, 11 de outubro de 2018 (QUINTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, alheia ao movimento descendente das principais bolsas mundiais, com os investidores “animados e aliviados” com o resultado da primeira pesquisa de intenções de voto para o segundo turno divulgada ontem pelo Datafolha e (2) o DÓLAR pode cair, acompanhando a esperada melhora do “humor” na bolsa tupiniquim e influenciado pelas expectativas de aumento do fluxo positivo de recursos externos.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu -2,8%, realizando lucros após acumular uma alta de 8,5% no mês, seguindo as perdas das demais bolsas mundiais e em um movimento de cautela antes da divulgação da primeira pesquisa de intenções de voto para presidente após o primeiro turno e (2) o DÓLAR subiu 1,3% à R$ 3,76, em um “ajuste técnico” diante das fortes perdas recentes, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e pressionado pelos mesmos motivos que derrubaram a bolsa tupiniquim.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,2% e China 0,2%, em dia positivo para ações do setor de energia em geral, diante da valorização do petróleo, (2) da EUROPA, Inglaterra -1,3%, França -2,1% e Alemanha -2,2%, prejudicas pela intensificação das tensões na Itália, após a apresentação do plano orçamentário ao Parlamento que não foi aceito pelos parlamentarem, que julgaram as estimativas para o PIB como muito otimistas, e também pressionadas pelas revisões para baixo nas projeções de crescimento global feitas pelo FMI e (3) dos EUA, em um forte movimento de realização de lucros, que levou o NASDAQ a registrar a maior retração diária desde 24/JUN/16, S&P -3,3%, DJ 3,1% e NASDAQ -4,1%, temendo a possibilidade de uma alta mais intensa dos juros norte-americanos, diante de relatórios bastante otimistas sobre a economia do país divulgados pelo UBS e pelo Goldman Sachs, e levando em consideração a “bronca” do FMI sobre a guerra comercial do país com a China.

Claramente contrário ao governo Trump, que com todo o direito coloca em primeiro lugar os interesse do seu país, Christine Lagarde, diretora do FMI, “alertou” que os riscos ao sistema financeiro global aumentaram ao longo dos últimos 6 meses e podem se elevar com força se as pressões nos mercados emergentes ampliarem ou as relações comerciais globais se deteriorarem mais.

Aumentando cada dia mais a pressão para o Copom elevar a taxa básica de juros na sua próxima reunião, que ocorrerá nos dias 30 e 31/OUT/18, o IGP-M acelerou para 1,06% na primeira prévia de OUT/18, patamar bem acima do registrado no mesmo período do mês anterior (0,79%), pressionado principalmente pelos preços de combustíveis e lubrificantes.

Diante de um cenário de desemprego em alta e renda em queda, a Confederação Nacional do Comércio acredita que as vendas do Natal deste ano devem crescer 2,3% na comparação com o ano passado, patamar inferior ao registrado em 2017 na comparação com 2016 (3,9%).

Fazendo um discurso mais ao centro, para atrair eleitores de Alckmin e de Ciro, porem desagradando o “mercado”, Bolsonaro afirmou que é contrário à privatização de ativos na área de geração de energia elétrica, principalmente para empresas chinesas, ressaltando também que gostaria de manter estatal o "miolo" da Petrobras.

Tirando dinheiro dos bolsos dos contribuintes e privilegiando os “amigos do governo”, pela segunda vez uma medida provisória editada para extinguir um subsídio, criado em 2013, de mais de R$ 700 milhões por ano que beneficia principalmente a Braskem, da Odebrecht, deve perder a validade por não ser votada a tempo pelo Congresso.

-    A Petrobrás caiu -2,9%, porem após o fechamento do pregão a empresa anunciou um acordo com a norte-americana Murphy Oil para fusão de atividades de exploração e produção de petróleo nos EUA, o que renderá R$ 4,1bi à estatal tupiniquim.

Política:

A pesquisa Datafolha divulgada ontem apontou que Bolsonaro, candidato à presidente pelo PSL, tem 58% dos votos válidos e o petista Haddad, candidato à presidente de Lula, tem 42%, o que surpreendeu já que 2 semanas atrás, antes do primeiro turno, este mesmo instituto dava 45% a 39% para o candidato do PT.

Preparando para soltar uma “delação-bomba” que atingir cerca de 70% dos políticos tupiniquins e quase 90% dos petistas, Palocci disse às autoridades de Brasília que a descoberta do pré-sal foi encarada como um "bilhete premiado" para o governo Lula, passando a permear as ações do governo, ações do Congresso Nacional, ações de governadores e prefeitos pelos royalties.

Obviamente dando motivos para Haddad, poste do presidiário Lula, dizer que iria até em uma enfermaria para debater com ele, Bolsonaro, por proibição médica, avisou que, por conta da facada que tomou de um militante do PSOL e que quase lhe custou a vida, terá que ficar fora dos debates até o dia 18/OUT/18.

Colocando mais um “tucano emplumado na gaiola”, Marconi Perillo, o ex-governador de Goiás que não conseguiu se eleger senador, foi preso ao se apresentar à Polícia Federal para prestar depoimento no âmbito da Operação Cash Delivery.

Seguindo rapidamente as ordens de seu chefe Lula, a campanha de Haddad já tirou a cor vermelha do material de campanha, substituindo pelas cores da bandeira do Brasil, e agora está usando o slogan “todos pelo Brasil”.

Após receber declaração de voto de Doria e Marcio França, os 2 candidatos que disputam o segundo turno da eleição para o governo de SP, Bolsonaro, que já tinha recebido o apoio de Zema, candidato do NOVO ao governo de MG, também recebeu o apoio do tucano Anastasia, que também disputa o governo de MG.

Apesar do DEM ter se declarado neutro na eleição presidencial, ontem ACM Neto, prefeito de Salvador, “avisou” que vai trabalhar pela eleição de Bolsonaro como presidente, o que pode ajudar muito o candidato do PSL a ganhar votos na Bahia, que é dominada pelo PT.

Mostrando toda sua canalhice ao desrespeitar a vontade dos eleitores, a senadora Kátia Abreu, que foi vice na chapa de Ciro, pediu que Haddad desista de sua candidatura em favor de Ciro, que segundo ela teria mais chances de derrotar Haddad no segundo turno.

Alertando que “não quer imaginar a volta daquilo que já experimentamos por 13 anos e que o país precisa combater a corrupção”, Ronaldo Caiado, governador eleito no primeiro turno em Goiás pelo DEM, foi ao RJ para se reunir com Bolsonaro e se colocar a sua disposição.

Em troca do apoio à candidatura presidencial de Haddad, o PT, junto com PDT, PP, PCdoB e até o PSDB, ofereceu ao deputado democrata Rodrigo Maia, presidente da Câmara, apoio à sua reeleição no cargo.

No velho “toma lá dá cá”, o petista Haddad, candidato de Lula à presidente, já ofereceu as pastas da Agricultura e das Cidades para o PP de Ciro Nogueira, que por sua vez conseguiu escapar da Lava Jato elegendo-se para o Senado.

Comandado pelo petista José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça de Dilma, um grupo de petistas viciados em mortadela se reuniu para criar uma tal “frente pela democracia” contra Bolsonaro e a primeira missão, muito simples aliás, é atrair FHC, fã confesso de Lula, para o time.

Candidata à vice na chapa presidencial de Alckmin, que foi humilhado nas urnas, a senadora Ana Amélia foi à tribuna do Senado para alertar que o PT vai fazer tudo, inclusive o diabo, para ganhar este segundo turno, ressaltando que Haddad “tirou a camiseta Lula Livre, mas segue sendo um lobo vestido de cordeiro”.

Apesar de certamente estar com muita vontade de declarar logo seu voto para Haddad, que aliás ele admira bem mais do que Alckmin, o ex-presidente “FHC, o Mick Jagger da política tupiniquim”, está se segurando ao máximo para se bandear para o lado do poste de Lula pois sabe que se fizer isto estará (1) prejudicando o candidato petista e (2) destruindo definitivamente o PSDB.

Crítica:

Após comparar Bolsonaro à Collor, ressaltando que ambos são populistas, porem “alertando” que o candidato do PSL é mais antidemocrático, o cientista político norte-americano Scott Mainwaring, que apesar de socialista mora em Boston, aconselhou Haddad a descolar sua imagem da de Lula.

Cada dia mais canalha, a Folha de SP, certamente preocupada com o fim da mortadela, divulgou ontem uma matéria dizendo que o apoio de Bolsonaro ao Estado de Israel vai prejudicar as exportações tupiniquins para ditaduras Islâmicas.

Defensor da eliminação do estado de Israel, apoiador de regimes socialistas e ditatoriais e infelizmente um gênio da música, Roger Waters, que foi expulso do Pink Floyd e agora segue carreira solo, foi vaiado durante um show que deu em SP para 45 mil pessoas ao exibir o # elenão, o que aliás poderia causar uma tragédia por conta da enorme tensão que existe no país.

PAZ, amor e bons negócios;

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: rb@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário