R.B. 14/JUL/17 "Baratear, simplificar, estimular e ampliar"



"Baratear, simplificar, estimular e ampliar"

São Paulo, 14 de julho de 2017 (SEXTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, realizando lucros após 4 pregões consecutivos de alta, prejudicada pelas expectativas de novo aumento das tensões políticas e pressionada pela decisão do FMI de reduzir suas "apostas" para o desempenho da economia tupiniquim e (2) o DÓLAR pode subir, retornando à sua trajetória de alta, acompanhando a esperada piora do "humor" na bolsa brasileira e influenciado pela trajetória internacional da moeda norte-americana.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,5%, para fechar o dia no maior patamar desde 17/MAI/17 (aos 65.178pts), acompanhando o movimento ascendente das bolsas de NY e ainda "comemorando" a condenação de Lula e (2) o DÓLAR caiu -0,2% à R$ 3,20, seguindo a melhora do "humor" na bolsa e influenciado pelos leilões de venda do BC.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,1% e China 0,6%, seguindo o desempenho positivo das bolsas de NY no dia anterior e também impulsionadas pelo ótimo resultado melhor da balança comercial chinesa, cujas exportações (11,3%) e as importações (17,2%) cresceram mais do que o esperado (9% e 12,4% respectivamente), (2) da EUROPA, sem uma tendência única e próximas da estabilidade, Inglaterra -0,1%, após autoridades darem declarações consideradas favoráveis a um aperto na política monetária no Reino Unido, porem França 0,2% e Alemanha 0,1%, com destaques de alta para as ações dos bancos, como Commerzbank (2,7%) e BNP (1,4%) e (3) dos EUA, com o DJ fechando no maior patamar da história, S&P 0,2%, DJ 0,1% e NASDAQ 0,2%, impulsionadas pelo bom desempenho das ações do setor financeiro e de tecnologia, diante de expectativas positivas para a temporada de balanços.

Mais pessimista que o "mercado tupiniquim", que na média "aposta" em 2,0%, e também abaixo do que projeta o governo (2,5%), ontem, após o fechamento do pregão, o FMI anunciou que reduziu, de 1,7% para 1,3%, suas estimativas para o crescimento do PIB brasileiro em 2018, ressaltando que, apesar da recessão estar próxima do fim, espera efeitos negativos da crise política especialmente sobre os investimentos privados.

Com o objetivo de "baratear, simplificar, estimular e ampliar" o financiamento do setor produtivo da economia brasileira, a CVM anunciou que passará a autorizar captações de até R$ 5 milhões para pequenas empresas a partir de plataformas para financiamento coletivo pela internet.

Já afetado pela crise política detonada pela gravação da conversa nada republicana de Joesley e Temer, em MAI/17, o setor de serviços brasileiro reduziu com força o ritmo de expansão, auferindo um crescimento de apenas 0,1% na comparação com MAR/17 e recuando -1,9% na comparação com MAI/16, patamares piores do que o esperado pelo "mercado" (respectivamente 0,5% e -1,6%).

Dando alguns sinais positivos da economia brasileira, (1) segundo Glauco Humai, presidente da associação dos shopping centers, as vendas do setor, que no primeiro semestre de 2017 cresceram 5% na comparação com o mesmo período de 2016, devem aumentar ainda mais na segunda metade do ano e (2) as vendas de medicamentos em drogarias tiveram faturamento 12% maior no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2016.

Símbolo maior da "falta de capacidade técnica da indústria tupiniquim", o Brasil, que é o maior exortador mundial de café, gastou no primeiro trimestre de 2017 US$ 37 milhões importando capsulas de café, valor que, mesmo com a crise, é 61% superior ao auferido no mesmo período de 2016 (US$ 23 milhões).

-    A JBS disparou 9,4%, após a Justiça tupiniquim, que é sempre "gente fina" com a empresa de Joesley, liberar a venda de ativos da companhia, que tem cerca de R$ 50bi em dívidas.
-    O Bradesco subiu 0,9%, após o banco anunciar programa de demissão voluntária.

Política:

Na tentativa de se manter no poder, com fórum privilegiado, e assim se livrar da cadeia, Temer ofereceu a dirigentes de partidos como PP, PR, PSD e PRB os cargos atualmente ocupados pelo PSDB em seu governo e principalmente dinheiro para obrar em seus currais eleitorais e assim conseguiu derrubar na Comissão de Constituição de Justiça da Câmara o parecer favorável ao andamento das investigações contra ele no Supremo Tribunal Federal.

Com a votação em plenário da denúncia contra Temer marcada para 2/AGO/17, entusiastas da queda do governo esperam que, até lá, o presidente seja alvejado por novos tiros, como a delação de Eduardo Cunha ou mesmo uma segunda denúncia de Rodrigo Janot.

Escalado para achar uma forma de pagar, obviamente com dinheiro público, a dívida de Temer com os sindicatos, Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho, defendeu a necessidade de regulamentação da contribuição assistencial como uma forma de financiamento às centrais sindicais diante do fim do imposto sindical.

Ontem, no mesmo dia em que foi revelado que o doleiro Lúcio Funaro contou para a Polícia Federal que fez várias viagens a Salvador para entregar malas de dinheiro diretamente ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, o referido peemedebista recebeu a feliz notícia de que, por determinação do desembargador Ney Bello, do TRF-1, seria colocado em liberdade.

Ainda que obtida com manobras escusas, a vitória de Temer na CCJ enviou o recado que o presidente precisava para reestimular bases de apoio que lhe são caras no Congresso e em setores importantes da economia.

Como está correto em pensar que sua única defesa é o ataque, o ex-presidente Lula vai aproveitar a série de viagens que articulava pelo país no segundo semestre para combater a sentença de Sergio Moro e defender sua pré-candidatura à Presidência.

Conforme já se esperava, o Congresso Nacional aprovou ontem a Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2018, que serve de base para a elaboração do Orçamento de todo o poder público no ano que vem, e com isto entra automaticamente em recesso a partir de meia noite da próxima terça-feira (18/JUL/17).

Crítica:

Defensor do estado gigantesco, que cuida da população "coitadinha", Ronaldo Fleury procurador-geral do Trabalho, afirmou que a reforma trabalhista sancionada ontem beneficia os maus empregadores e institucionaliza fraudes atualmente praticadas.

Provando mais uma vez que "é uma enorme vantagem ser caloteiro no Brasil", o novo programa de refinanciamento de dívidas com o fisco, proposto pelo deputado peemedebista Newton Cardoso Jr, tem condições espetaculares para as empresas caloteiras, como descontos em multas e juros para até 99%, valores irrisórios de entrada e parcelas à perder de vista.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário