R.B. 14/JUN/16 "Reclamando do fim da mortadela grátis"



"Reclamando do fim da mortadela grátis"

São Paulo, 14 de junho de 2016 (TERÇA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve cair, acompanhando a priora do “humor” externo e prejudicada pela retração das commodities, porem deve-se ressaltar que para investidores de longo prazo o patamar é bom para compras e (2) o DÓLAR pode subir, para fechar em alta pelo quarto pregão consecutivo, seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana e influenciado pelos mesmos motivos que devem derrubar a bolsa brasileira.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,5%, recuperando as perdas da abertura, quando na mínima recuou -0,8%, com baixo volume de negócios (R$ 4,5bi), diante da expectativa por importantes definições do cenário internacional, com destaques de alta para as ações dos bancos, como Bradesco (1,6%) e Santander (1,6%) e (2) o DÓLAR subiu 1,7% à R$ 3,48, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e sustentado por sinais de que a autoridade monetária tupiniquim poderá retornar à ponta compradora.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão -3,5% e China -3,2%, prejudicadas por preocupações com o referendo no Reino Unido sobre e pelas incertezas em torno da economia chinesa e em um movimento de cautela antes das reuniões de política monetária dos BCs do Japão e dos EUA, (2) da EUROPA, próximas das mínimas do dia, Inglaterra -1,2%, França -1,8% e Alemanha -1,8%, com destaques de queda para as ações dos bancos, como Lloyds (-4,2%), Barclays (-2,5%) e Deutsche (-3,5%), e prejudicadas pelo aumento das “apostas” de saída do Reino Unido da União Europeia e (3) dos EUA, com o DJ e o S&P atingindo os menores patamares desde 24/MAI/16, S&P -0,8%, DJ -0,7% e NASDAQ -0,9%, pressionadas principalmente pelas perdas das ações das empresas aéreas e de turismo, por conta do covarde massacre ocorrido em Orlando.

Para trazer um horizonte de previsibilidade sobre as contas públicas, retomando a confiança na economia brasileira e garantindo a volta do crescimento, o Ministério da Fazenda prepara um projeto de Lei para que o mecanismo que limita o crescimento dos gastos públicos com base na inflação do ano anterior tenha um prazo de validade de no mínimo 6 anos, contados a partir de 2017, podendo ser prorrogado por igual período caso determinadas metas não sejam atingidas pelo governo federal.

Logo após tomar posse como novo presidente do BC, o prestigiado economista Ilan Goldfajn afirmou que seu objetivo será perseguir uma inflação baixa e estável para garantir a recuperação da economia, ressaltando que a eficácia da política monetária dependerá da aprovação das medidas na área fiscal propostas pelo governo e que a instituição usará com parcimônia os instrumentos cambiais dos quais dispõem, podendo inclusive reduzi-los quando houver condições.

Segundo José Julio Senna, economista da FGV, o BC brasileiro deveria perseguir uma meta de inflação ajustada no próximo ano, de algo entre 5,2% e 5,4%, pois assim, com uma meta um pouco maior, permitiria que, em algum momento, a autoridade monetária comece a promover cortes na taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 14,25% ao ano, ajudando a estimular a atividade econômica.

Um pouquinho mais otimista, principalmente diante da habilidade do novo governo Temer de provar matérias importantes no Congresso, o “mercado” reduziu, de -3,71% para -3,60%, suas “apostas” para a retração do PIB brasileiro em 2016, porem elevou novamente, desta vez de 7,12% para 7,19%, suas previsões para o IPCA deste ano.

Com o objetivo de gerar empregos no curto prazo, o que é bom para melhorar sua aprovação e reduzir o pessimismo dos investidores e dos trabalhadores, o presidente Temer (1) autorizou a elaboração do primeiro programa social de sua gestão, que prevê a liberação de até R$ 5mil em crédito diretamente para as famílias fazerem melhorias como construção de banheiro, troca de telhado e instalações elétricas e (2) determinou a liberação de R$ 1,2bi de recursos novos num prazo de 24 meses para construir as 15 mil casas vinculadas ao PAC.

Ontem, após se encontrar com o presidente Temer, Roberto Azevêdo, diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, afirmou que agora o estado de espírito na referida organização é encontrar coisas práticas, objetivas, que sejam alcançáveis, e negociar rápido, ressaltando ver boa vontade do novo governo brasileiro com as negociações multilaterais.

Acreditando que é um “Midas do investimento” e sem se preocupar com a crise, o empresário Carlos Wizard Martins decidiu investir R$ 100 milhões para trazer para o Brasil a Taco Bell, rede mundial de restaurantes tex-mex, cujas primeiras lojas serão abertas no complexo Brascan, no Itam Bibi, e na Avenida Paulista.

-    A Microsoft caiu -2,6% após anunciar que planeja comprar o LinkedIn, cujas ações dispararam 46,4%, por US$ 26,2bi.
-    A Ultrapar subiu 4,9%, após anunciar no domingo a compra da distribuidora de combustíveis Ale por sua subsidiária Ipiranga por R$ 2,2bi, o que aumentará a exposição à região Centro-Oeste, Nordeste e Norte, além de trazer potencial para sinergias.
-    A Vale subiu 1,8%, diante da alta de 1,5% do contrato futuro mais ativo do minério de ferro na bolsa de Dalian.
-    A Petrobrás caiu -1,8%, acompanhando o recuo dos preços do petróleo, que foram pressionados pelo dólar forte e perspectivas econômicas ruins na Europa e na Ásia.
-    A CCR recuou -2,5%, diante da notícia, publicada na Folha de S.Paulo, informando que as concessões de infraestrutura do governo federal ficarão paradas até a decisão do Senado sobre a cassação da ex-presidenta Dilma.
-    A Gerdau caiu -1,55, jpa que, segundo o jornal Valor Econômico, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais poderá analisar nesta semana os processos contra a empresa no âmbito da operação Zelotes.
-    A OI despencou -6,7%, após a renúncia do seu diretor-presidente Bayard Gontijo, o que segundo o Credit Suisse indica pouco sobre o andamento das negociações para a reestruturação da dívida da operadora de telecomunicações.

Política:

Ainda sem um acordo com as centrais sindicais, que teimam em não aceitar o aumento da idade mínima para a aposentadoria, o governo federal prorrogará o funcionamento de grupo de trabalho para discutir a reforma previdenciária e estima que agora a proposta será enviada ao Congresso apenas em JUL/16.

Com o objetivo de aumentar a arrecadação, segundo estimativas em até R$ 15bi por ano, e estimular a geração de empregos, governo Temer tem demonstrado uma disposição cada vez maior de apoiar o projeto de lei já em tramitação no Congresso que legaliza os jogos de azar no país.

Às vésperas da possível votação pelo Conselho de Ética do relatório que pede a cassação de Eduardo Cunha, aliados do referido peemedebista centraram suas articulações em três frentes para tentar livrá-lo da perda do mandato (1) a aprovação de uma punição mais branda, (2) alterar na Comissão de Constituição e Justiça as regras de cassação de mandato e (3) a renúncia à presidência da Casa, em troca do apoio da maioria dos deputados pela manutenção do mandato.

Complicando cada dia mais a vida da ex-presidenta, Dilma provavelmente terá suas contas de 2015 rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União pela forma como resolveu as chamadas pedaladas fiscais, um dos motivos que levaram à rejeição das contas do governo em 2014.

Acabando com a mortadela que sustentava as “canetas de aluguel” do PT, ontem o presidente Temer confirmou a suspensão da publicidade federal em sites próximos à presidente afastada, como Brasil 247, Diário do Centro do Mundo, Blog do Nassif e Carta Maior, o que vai gerar uma economia de R$ 11,2 milhões por ano.

Embora o DEM paulistano faça pressão para que o partido não apoie o tucano João Doria à Prefeitura de SP, a cúpula nacional da sigla, cada dia mais afinada com o PSDB, já bateu o martelo e fechará aliança com o candidato de Geraldo Alckmin.

Crítica:

Apresentando um dado pior do que estar na posição 58 entre 61 países no ranking da competitividade mundial, ontem foi divulgado que o Brasil está na posição 63 entre os 64 países em um ranking elaborado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico que mede o desempenho de estudantes em matemática básica, ciências e leitura em uma lista de 64 países de todo o mundo.

"Reclamando do fim da mortadela grátis", Luis Nassif, editor do site GGN e do blog que leva seu nome, afirmou que está sofrendo um processo de censura e, confessando que sempre foi bancado por dinheiro público, ressaltou que seus contratos de publicidade com os bancos federais vêm desde o governo FHC.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário