R.B. 26/ABR/16 "Sua velha fórmula para acabar com a concorrência"


"Sua velha fórmula para acabar com a concorrência"

 

São Paulo, 26 de abril de 2016 (TERÇA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, tentando uma recuperação após 3 pregões seguidos de alta, acompanhando a valorização das commodities e a melhora do "humor" nas principais bolsas mundiais e influenciado pela instalação da comissão especial do impeachment no Senado e (2) o DÓLAR pode seguir em queda, influenciado pelos mesmos motivos que devem impulsionar a bolsa brasileira e também pela ausência do BC na ponta compradora.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –2,0%, para fechar em território negativo pelo terceiro pregão consecutivo, desta vez acompanhando as perdas das demais bolsas mundiais, com baixo volume de negócios (R$ 5,7bi) e destaque de queda para as ações da Vale (-7,5%), que seguiram o recuo internacional do minério de ferro e os temores em torno do ritmo lento da economia da China e (2) o DÓLAR caiu –0,7% à R$ 3,55, com baixa volatilidade, influenciado pela ausência do BC na ponta compradora e acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão –0,8%, realizando lucros após encerrar a semana passada no maior nível desde 2/FEV/16, com destaque de queda para as ações da Sony (-6,0%), que divulgou dados desanimadores de sua projeção de lucro e China –0,4%, pressionados por temores relacionados ao calote no pagamento de bônus de empresas estatais, (2) da EUROPA, Inglaterra –0,8%, França –0,5% e Alemanha –0,8%, em um sinal de cautela entre os investidores antes das reuniões de política monetária de dois dos BCs dos EUA e do Japão, que ocorrem nos próximos dias, e também prejudicadas pelo resultado abaixo do esperado do índice de sentimento das empresas alemãs e (3) dos EUA, S&P –0,2%, DJ –0,2% e NASDAQ –0,2%, pressionadas pela baixa do petróleo (-2,5%) e por dúvidas em relação a balanços corporativos, como o da Xerox (-13,3%) e da farmacêutica Perrigo (-18,1%).

 

Falando o que nenhum político brasileiro tem coragem de dizer, a economista italiana Teresa Ter-Minassian, ex-diretora do FMI, afirmou que o Brasil precisará diminuir o tamanho do Estado e enfrentar alguns tabus se quiser voltar a crescer, como privatizar a Petrobrás e Eletrobrás e rever a obrigatoriedade dos gastos em educação e saúde.

 

Cada dia mais pessimista com o futuro do Brasil, o "mercado" piorou ainda mais, desta vez de –3,80% para –3,88%, suas "apostas" para o desempenho do PIB tupiniquim este ano e, diante de uma economia cada dia mais capenga, também reduziu, de 7,08% para 6,98%, suas projeções para a inflação oficial do país medida pelo IPCA.

 

Hoje começa a reunião do Copom e, mesmo diante da redução dos índices de inflação e da continua retração da economia, a grande maioria do "mercado aposta" que a taxa básica de juros da economia brasileira será mantida no atual patamar, de 14,25%, em vigor desde JUL/16.

 

-    Fruto de um governo incompetente e corrupto, entre FEV/16 e MAR/16 a dívida pública federal manteve sua trajetória de alta e cresceu 2,4%, com isto o total devido pelo governo alcançou R$ 2,88tri.

 

Revelando rapidamente a bolha do mercado imobiliário tupiniquim, a taxa de vacância nos imóveis comerciais de SP cresceu de 12,4% no primeiro trimestre do ano passado para 14,9% no mesmo período deste ano, com destaque negativo para os espaços corporativos classe A, cuja taxa de vacância está em 20,39%.

 

Os 10 motivos que farão os preços dos imóveis seguirem em queda no Brasil são (1) os juros do credito imobiliário estão altos, (2) os recursos da poupança são cada dia mais escassos, (3) o governo está reduzindo os programas habitacionais, (4) o FGTS dá sinais de esgotamento, (5) os estoques do setor estão elevados, (6) as devoluções disparam, (7) a confiança do consumidor está no menor patamar da história, (8) o preço dos aluguel está em queda livre, (9) o desemprego disparou e (10) só o mercado imobiliário ainda não passou por uma forte correção.

 

Ainda beneficiada pela forte redução de –27,4% das importações na comparação com o mesmo período de 2015, principalmente de siderúrgicos (-55,1%), aparelhos eletroeletrônicos (-35,6%) e veículos automóveis e partes (-35,5%), até o final da semana passada a balança comercial brasileira acumulava em 2016 um superávit de US$ 11,97bi, valor bem melhor do que o auferido no mesmo período de 2015, quando registrava um déficit de US$ -5,59bi.

 

Usando "sua velha fórmula para acabar com a concorrência", AmBev, como já faz com o mercado de cerveja, anunciou ontem a aquisição da fabricante da marca de sucos Do Bem, por valor não revelado, que aliás pertence, ou pertencia, a um ex-funcionário da companhia.


Política:
 
Como, diferentemente de Serra, Aécio e Alckmin, não tem pretensão de ser candidato à presidente em 2018, ontem o ex-presidente FHC afirmou que em sua opinião o seu partido, o PSDB, tem que participar ativamente do provável governo Temer, com indicação de cargos e pastas em ministérios.

 

Colocando a batata de Dilma para assar, hoje o Senado instala a comissão especial do impeachment da presidenta Dilma com o governo em ampla desvantagem, sem a presidência e a relatoria do colegiado que, apesar dos protestos do PT, deve ficar com o senador tucano Antonio Anastasia.

 

Indicando que serão bastante turbulentos os 180 dias que Dilma será afastada antes do julgamento final no Senado, ontem o ex-presidente Lula viajou a Brasília para se reunir com a presidenta e tratar das estratégias que petistas chamam de "resistência" enquanto o processo de impeachment tramita no Congresso.

 

Esculhambando as instituições brasileiras, Milena Santos, Miss Bumbum EUA em 2013 e esposa do novo ministro do turismo, o petista Alessandro Teixeira, fez um ensaio fotográfico sensual no gabinete do Ministério do Turismo e afirmou que "quem não mama, chora".

 

Como já era de se esperar, um grupo de deputados do Parlamento do Mercosul deverá censurar hoje o presidente da casa, o argentino Jorge Taiana, por ele ter colocado um comunicado no site da instituição em que afirma que o impeachment da presidenta Dilma é um "escândalo".

 

-    Preparando, como sempre, para ser ministro de Temer, o senador Serra afirmou ontem que seu partido tem de participar do provável governo peemedebista caso o novo presidente aceite as propostas dos tucanos.

-    Apesar da promessa de não votar nada enquanto o impeachment não passar no Senado, a Câmara deve abrir exceção para uma medida provisória que dá benefícios a produtores rurais

-    Mostrando que o partido dos políticos é o dinheiro no bolso, Luciana Temer, filha do vice-presidente, é secretária de Assistência e Desenvolvimento Social da gestão do petista Fernando Haddad, em SP.


Crítica:
 

Finalmente modernizando o mercado de capitais tupiniquim, ontem o BC brasileiro divulgou uma resolução que permite que a abertura de contas bancárias ocorra por meio eletrônico, proporcionando mais conveniência, garantindo maior segurança e eficiência nos processos e também incentivando a bancarização do país.

 

Mostrando mais uma vez que "no Brasil o crime compensa", Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal, decidiu ontem que o banqueiro André Esteves pode voltar a trabalhar no BTG Pactual, banco que controlava até ser preso na Lava Jato, está dispensado de se apresentar quinzenalmente à Justiça e pode sair do país por até 7 dias sem ter que avisar.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso site: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário