R.B. 29/JAN/16 "Jogar combustível na fogueira já apagada"


"Jogar combustível na fogueira já apagada"

 

São Paulo, 29 de janeiro de 2016 (SEXTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em alta, acompanhando a trajetória ascendente das principais bolsas mundiais e também recuperando perdas recentes e (2) o DÓLAR pode voltar a cair, pressionado pelos leilões de venda do BC e influenciado pela esperada melhora do "humor" na bolsa brasileira.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,7%, para fechar em território positivo pelo segundo pregão seguido, puxada pelo bom desempenho dos papéis bancos, como Itaú (0,7%) e Banco do Brasil (2,2%), que reagiram positivamente ao lucro histórico divulgado pelo Bradesco e (2) o DÓLAR caiu -0,1% à R$ 4,08, em um pregão marcado pela forte volatilidade, com mínima de R$ 4,03 e máxima de R$ 4,12, influenciado pelo movimento dos preços do petróleo, pela decisão do BC dos EUA de manter os juros e pelo tom brando do BC brasileiro na ata da última reunião do Copom.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão -0,7%, influenciada por incertezas sobre a perspectiva da política monetária dos EUA e com destaques de queda para as fabricantes de eletrônicos, como Murata (-6,6%) e Sharp (-5,3%) e China -2,9%, em baixa pelo terceiro dia consecutivo e atingindo o menor patamar desde NOV14, em meio a preocupações com as crescentes saídas de capital, (2) da EUROPA, devolvendo os ganhos da abertura, Inglaterra -1,0%, França -1,3% e Alemanha -2,4%, prejudicadas pela divulgação de dados pessimistas da zona do euro, como o recuo do índice de sentimento econômico, e com destaques de queda para as ações de instituições financeiras, como o Deutsche Bank que caiu -5,4% após reportar seu primeiro prejuízo no ano fiscal desde a crise de 2008 e (3) dos EUA, após uma sessão volátil, S&P 0,5%, DJ 0,8% e NASDAQ 0,9%, sustentadas pela valorização do petróleo e pela divulgação de bons resultados corporativos, como o do Facebook (15,5%) e o da Caterpillar (4,7%).

 

Mandando a ortodoxia às favas, na ata da reunião do Copom da semana passada, quando a Selic foi mantida em 14,25%, o BC adotou um tom mais brando em relação à condução da política econômica, sugerindo uma maior tolerância com a inflação neste ano.

 

Após mais uma vez creditar a fatores externos a culpa da crise (fiscal, econômica, polícia e de confiança) brasileira, Alexandre Tombini, presidente do BC, afirmou ontem que permanecerá vigilante quanto à evolução da economia, porem ressaltou que a inflação só deve chegar a meta de 4,5% ao ano em 2017, o que obviamente confirma que o governo Dilma desistiu de controlar a inflação.

 

Todo mundo, até a torcida do Corinthians, sabe que o caminho para colocar a economia tupiniquim nos eixos passa necessariamente pela redução dos gastos públicos, pelas reformas tributária e da previdência e pelos estímulos aos investimentos em infraestrutura, porem, como a presidenta Dilma sempre escolhe o caminho errado, ontem o governo confirmou o lançamento de um pacote de estímulo ao credito que, diante de um cenário de falta de confiança, juros altos e elevado grau de endividamento da população, é como "jogar combustível na fogueira já apagada".

 

Pregando aos ventos e em busca de recursos para pagar a conta dos seus erros e da corrupção no seu governo, ontem a presidenta Dilma afirmou, durante a reunião do seu Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, que a recriação da CPMF é a melhor solução para o ajuste das contas públicas.

 

Como que obstinada a acabar com o já minúsculo mercado de capitais tupiniquim, ontem a presidenta Dilma, também na reunião do seu ''Conselhão'', defendeu a a tributação dos juros sobre capital próprio, que é a forma como as empresas, após já pagarem as centenas de impostos do país, repartem o lucro entre seus acionistas.

 

Confirmando mais uma vez sua falta de capacidade gerencial, apesar das tentativas de promover um ajuste nas contas públicas em 2015, o governo federal encerrou o ano passado com déficit de R$ -115bi, o que representa o pior resultado em 19 anos e um forte aumento na comparação com 2014 (R$ -17,2bi).

 

Dando novos sinais negativos da economia brasileira, (1) atingindo o maior patamar para o mês em 8 anos, em DEZ/15 o desemprego no país subiu para 6,9%, (2) em DEZ/15 o índice de confiança do comércio ficou em 67,2pts, patamar cerca de -20% menor do que o auferido em JAN/15 (81,6pts), (3) segundo o FMI o Brasil terminou o ano de 2015 com uma dívida bruta de 70% do PIB, contra 65,2% em 2014, ultrapassando assim a Índia e passando a deter o título de país emergente com o governo mais endividado do Mundo, (4) após uma retração de –8,5% em 2015, a  produção nacional de transformados plásticos deve cair -2,7% neste ano e (5) em 2015 o rendimento real, que já desconta a inflação, registrou uma retração de -3,7% frente ao ano anterior, o que representa a primeira queda desde 2004.

 

-    Pressionado principalmente pelos preços dos produtos agropecuários, o IGP-M subiu 1,14% em JAN/16, contra 0,49% em DEZ/15, acumulando com isto uma alta de 10,95% nos últimos 12 meses.

 

-    A Microsoft subiu 3,7%, após anunciar que teve um lucro líquido de US$ 5bi em seu segundo trimestre fiscal, patamar superior às expectativas do ''mercado''.

-    O Bradesco subiu 0,2%, após anunciar um lucro líquido de R$ 17,1bi em 2015, o que representa o segundo maior lucro da história já registrado por um banco brasileiro com ações negociadas na Bolsa.

-    A Vale caiu –1,2% e, após o fechamento do pregão, a empresa informou que irá propor ao Conselho de Administração que não sejam distribuídos dividendos aos acionistas ao longo de 2016.

-    Fibria caiu –3,0%, mesmo após resultado trimestral considerado forte por analistas, já que a fabricante de celulose voltou a citar pressão de clientes chineses para redução dos preços.

-    A Rumo ALL subiu 6,0%, após acumular forte queda no início do ano por preocupações com o seu endividamento.

-    A Usiminas caiu -4,4%, um dia após a agência de classificação de risco Moody's cortar a nota de crédito da siderúrgica em dois graus, de "B2" para "Caa1", mantendo a companhia sob observação para possíveis novas reduções.


Política:
 
No dia seguinte do caso do AP no Guarujá e na mesma semana em que vieram à tona as investigações contra o grupo JBS, ontem o ex-presidente Lula, quiçá cada dia mais perto da cadeia, foi acusado por uma ex-dona de uma loja de materiais de construção e por um prestador de serviço de Atibaia de ter seu sítio, que obviamente está no nome de laranjas, reformado pela construtora Odebrecht, que inclusive usou o mesmo engenheiro que cuidou da construção do Itaquerão.

 

Apenas 1 dia após procuradores da Operação Lava Jato ameaçarem anular seu acordo de delação premiada, o lobista Fernando Moura, ressaltando que recebeu ameaça de morte contra seus netos, mudou de versão pela segunda vez e voltou a incriminar o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

 

Certamente tirando o sono de muitos políticos, na fase Triplo X da Operação Lava Jato foi apreendida na empresa Mossack Fonseca uma planilha com centenas de nomes das empresas offshore e os seus respectivos proprietários brasileiros, o que já é considerado pelos investigadores uma potencial jazida de informações sobre brasileiros que remeteram ilegalmente recursos para o exterior nos últimos anos e que agora aliás seriam beneficiados pela anistia decretada por Dilma.

 

Com Dilma se esforçando em fazer inimigos, sindicalistas saíram ontem da reunião do Conselhão bufando com a ideia da reforma da previdência, já que para eles o tema não devia sequer ter entrado na pauta, e também reclamaram da irresponsável e até criminosa autorização de uso do saldo do FGTS como garantia de crédito consignado.

 

Apesar de defender publicamente, acreditando que isto lhe rende votos, o projeto de eleição para subprefeitos de SP, vereadores afirmam que o prefeito petista de SP, Fernando Haddad, ainda não se movimentou para garantir a aprovação do projeto.

 

Indicando que a maracutaia era coordenada no alto escalão, um grampo da Polícia Civil, feito em 4/DEZ/15, dia da demissão de Herman Voorwald da Secretaria de Educação do governo Geraldo Alckmin, revela que integrantes do esquema que fraudava merenda escolar ficaram preocupados com as mudanças na pasta.


Crítica:
 
Certamente com os objetivos de lavar dinheiro e de gerar publicidade, o filme os Dez Mandamentos, produzindo pela Igreja Universal do Reino de Deus e que foi lançado ontem em todo Brasil, já teria vendido 3 milhões de ingressos antes mesmo de chegar às salas de cinema, porem logo nas primeiras sessões as salas já estavam quase que totalmente vazias.

 

Por culpa de um governo federal incompetente, irresponsável e corrupto, a microcefalia, causada pelo zika vírus, está criando no Brasil uma geração perdida, que não vai ter nenhum grau de autonomia, prejudicará ainda mais o desenvolvimento do país, causará transtorno e tristeza às famílias e custará bilhões os cofres públicos.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso site: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário