R.B. 15/SET/14 "Excelente ideia"


R.B.

"Excelente ideia"

 

São Paulo, 15 de setembro de 2014 (SEGUNDA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, acompanhando a melhora do "humor" nas bolsas da Europa e dos EUA e tentando uma recuperação após fechar o pregão de sexta-feira no menor patamar desde 14/AGO/14 (aos 56.927pts) e também após acumular uma baixa de -7,1% neste mês de SET/14 e (2) o DÓLAR pode cair, devolvendo uma parte da forte alta acumulada nos últimos pregões e influenciado pelos leilões de venda do BC.

 

Sexta-feira, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –2,4%, com bom volume de negócios (R$ 9,8bi), acompanhando as perdas das bolsas dos EUA, diante do aumento das tensões geopolíticas globais, e prejudicada principalmente pelo avanço da presidenta Dilma das pesquisas de intenção de voto e (2) o DÓLAR subiu 1,9% à R$ 2,33, acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana, mesmo diante dos leilões de venda do BC.

 

Também sexta-feira, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,2% e China 0,9%, com as exportadoras, como Toyota (1,4%) e Fuji Heavy Industries (2,6%), beneficiadas pela valorização do dólar frente as moedas locais e pelas expectativas de novos estímulos que podem ser lançados por Pequim, (2) da EUROPA, sem uma direção única, Inglaterra 0,1%, França 0,1% e Alemanha –0,2%,  diante da divulgação de novas pesquisas que apontaram leve vantagem para o "não" à independência da Escócia, no plebiscito que será realizado no dia 18 desta semana e (3) dos EUA, realizando lucros recentes, S&P –0,6%, DJ –0,4% e NASDAQ –0,5%, desta vez com destaques de queda para as ações dos setores de energia, de utilidades públicas e telecomunicações, diante da valorização da remuneração dos títulos do Tesouro do país.

 

Segundo Henrique Meirelles, ex-presidente do BC de Lula, são desafios de curto prazo para o próximo governo (1) o aumento do superávit fiscal, o que pode evitar a redução da nota de classificação de risco do país, (2) a convergência da inflação ao centro da meta e (3) a redução do déficit nas transações com o exterior, o que contribuiria para elevar confiança e investimentos. E são desafios de longo prazo (1) a elevação da qualidade da educação do país, (2) a redução e a desburocratização dos impostos, (3) a diminuição dos custo de energia e (4) a melhora da logística.

 

Com uma credibilidade cada dia menor, a área econômica do governo Dilma, que é comandada pelo ministro demissionário Mantega, avalia anunciar uma nova redução na meta de superávit primário de 2014, que atualmente está em apenas 2,1% do PIB.

 

Dando mais um sinal do péssimo momento pelo qual passa a economia brasileira, segundo um estudo do Serasa, em JUL/14 mais de 3,5 milhões de empresas brasileiras estavam com algum tipo de dívida em atraso no país, o que equivale a quase metade das 7 milhões de empresas "operacionais" do país, representa o maior volume de inadimplentes já registrado no setor produtivo e foi causado por uma combinação de queda das vendas e com o aumento de custos com fornecedores, funcionários e bancos.

 

Por serem educados para se tornarem bons empregados, 94% dos jovens brasileiros afirmam ter um perfil conservador ou moderado, por falta de educação financeira, a grande maioria destes jovens tem alta expectativa de retorno num curto espaço de tempo, o que obviamente são variáveis que têm difícil combinação.

 

Estimulados pelo atual governo para consumir cada dia mais, mesmo que tenham que se endividar para isto, para 2/3 dos brasileiros guardar parte da renda para fazer uma popança de longo prazo é uma preocupação inexistente, já que a grande maioria acredita que é obrigação do Estado dar uma renda para terem velhice digna, o que desestimula reserva financeira.

 

Burocratizando, gerando lentidão, facilitando a corrupção e criando custos extras à administração pública, foi aprovada uma lei federal que determina que licitações de itens de até R$ 80 mil têm de ser destinadas apenas às microempresas e que a administração publica pode pagar até 10% a mais do que a melhor oferta para privilegiar uma microempresa.

 

Supostamente por ter muito mais demanda do que oferta, a gigante do comércio eletrônico chinesa Alibaba quer encerrar antecipadamente o período em que aceitará pedidos de compra de suas ações para sua entrada na Bolsa NYSE, em uma operação que deve levantar US$ 21,1bi, o aliás que será um montante recorde.

 

-    A Vale subiu 1%, após anunciar que firmou acordo com a chinesa Cosco para cooperação estratégica no transporte marítimo de minério de ferro.


Política:
 
Enquanto sua equipe de campanha sataniza empresários para atacar Marina Silva, a equipe econômica da presidenta Dilma tenta fazer um caminho oposto, já que agendou para hoje uma reunião com executivos de 20 grandes empresas brasileiras com atuação no exterior para discutir e anunciar medidas como a redução do Imposto de Renda cobrado sobre o lucro no exterior destas multinacionais brasileiras e simplificações na cobrança do PIS/Cofins.

 

Novamente abusando da ignorância do seu eleitorado, a propaganda do PT mente ao afirmar que um BC autônomo estaria entregue à sanha dos banqueiros, porem, não fosse a constante interferência do Planalto nas decisões do BC durante o mandato de Dilma, com impactos nefastos para a credibilidade da instituição, dificilmente discussões sobre sua independência teriam adquirido tamanho destaque na campanha presidencial.

 

Após novamente "garantir" que não sabia de nenhum esquema de corrupção na Petrobrás, a presidenta Dilma, mais uma vez dando provas da sua falta de capacidade gerencial, afirmou que demitiu o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, preso por envolvimento em um esquema de desvio de recursos, por "falta de afinidade", se esquecendo porem de que o referido ex-funcionário publico foi convidado para a festa de casamento de sua filha em ABR/08.

 

Dando uma "excelente ideia", que para ser implantada necessita de uma mudança na constituição, a Associação Comercial e Industrial de Ponta Grossa se tornou motivo de controvérsia na região ao propor a suspensão do direito ao voto de todos os cidadãos beneficiados por programas de distribuição de renda, como e principalmente o Bolsa Família que é recebido por 13 milhões de brasileiros.

 

Esquecendo-se de que saiu do PDT para se filiar ao PT e ser candidata a presidenta, no final de semana passado, durante um comício em SP, Dilma afirmou, obviamente com a intenção de atacar Marina Silva, que um verdadeiro líder não muda de partido e não muda de opinião.

 

Apoiada "só por gente fina" como Anthony Garotinho, do PR, Marcelo Crivella, do PRB, e Lindbergh Farias, do PT, a presidenta Dilma intensificou a aproximação com o governador peemedebista do Rio, Luiz Fernando Pezão, durante a campanha eleitoral.

 

Condenado pela lei do ficha limpa, José Roberto Arruda, do PR e que liderava as pesquisas para o governo do DF, anunciou que desistiu de concorrer porque o PT trabalhou para "ganhar no tapetão", ressaltando que os petistas são "vagabundos".


Crítica:
 
Sem uma lei trabalhista paternalista como a brasileira, funcionários do Google nos EUA, que tem benefícios como comida grátis e academia, passam semanas vivendo na sede da empresa em Mountain View, na Califórnia, para assim evitar despesas como água, luz e aluguel.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil 



Nenhum comentário:

Postar um comentário