R.B. 14/AGO/14 "Algumas perguntas"


R.B.

"Algumas perguntas"

 

São Paulo, 14 de agosto de 2014 (QUINTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, acompanhando o desempenho positivo das principais bolsas mundiais e diante da avaliação de que com Marina Silva na disputa as chances de segundo turno nas eleições presidenciais brasileiras é de quase 100% e (2) o DÓLAR pode cair, acompanhando a provável melhora do "humor" na Bovespa e também seguindo o movimento internacional da moeda norte-americana.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu –1,5%, revertendo uma abertura positiva, na qual avançou 0,5%, pressionada principalmente pelo recuo das ações da Petrobrás (-5,0%), diante da avaliação precipitada, e provavelmente errada, de que a morte de Eduardo Campos, terceiro colocado na disputa pela presidência do Brasil, poderia facilitar a reeleição de Dilma já em primeiro turno e (2) o DÓLAR subiu 0,1% à R$ 2,28, pressionado pelos leilões de venda do BC e acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,3% e China 0,1%, influenciadas pela divulgação de uma série de indicadores mais fracos que o esperado da economia chinesa, o que voltou a alimentar a expectativa de que Pequim implemente novas medidas de estímulo ao crescimento, e pelo anuncio de que os dados do PIB japonês do segundo trimestre vieram mais favoráveis do que as expectativas dos analistas econômicos, (2) da EUROPA, Inglaterra 0,4%, França 0,8% e Alemanha 1,4%, recuperando perdas recentes, diante da divulgação de bons resultados corporativos e mesmo com o anuncio de que em JUN/14 a produção industrial da zona do euro caiu -0,3% ante MAI/14 e (3) dos EUA, S&P 0,7%, DJ 0,6% e NASDAQ 1,0%, também recuperando perdas recentes, desta vez com destaques de alta para as empresas do setor de biotecnologia, mesmo diante da divulgação de números decepcionantes sobre as vendas no varejo, o que por sua vez pode levar o FED (BC local) a agir lentamente ao aumentar as taxas de juros, o que favorece os investidores em ações.

 

Diante da "condução acéfala" da economia brasileira, segundo o indicador de clima econômico, que é elaborado desde 1989 pela FGV, em JUL/14 o clima econômico no Brasil estava em 55pts, o que representa a pior avaliação desde JAN/91, época de hiperinflação e 21 meses antes de o Congresso Nacional afastar o então presidente Fernando Collor de Mello, atual aliado da presidenta Dilma, no processo de impeachment.

 

Considerado pelo mercado um "midas da economia", Armínio Fraga, coordenador da área econômica da campanha de Aécio e provável ministro da Fazenda em caso de vitória do candidato do PSDB à presidência, prometeu um ajuste fiscal rápido e queda gradual da meta de inflação em um eventual governo tucano.

 

Obviamente fazendo o consumidor pagar a conta, o que deve gerar mais pressão inflacionária, ontem o Ministério da Fazenda informou que a segunda rodada de crédito às distribuidoras de energia, de R$ 6,6bi, foi fechada com a presença de 13 bancos.

 

A venda de produtos agrícolas europeus foi bloqueada pelo governo de Moscou em resposta às sanções estabelecidas pelo bloco por conta do conflito na Ucrânia, porem o Brasil, principal beneficiado desta briga, ressaltou ontem que não teme pressão da União Europeia para que o país desista de substituir as exportações de alimentos para a Rússia.

 

Dando mais um exemplo da capacidade administrativa de Eike, a empresa do setor naval OSX informou ontem que acumulou um prejuízo líquido de R$ -191,4mi no segundo trimestre deste ano, patamar superior ao prejuízo de R$ -152,7mi registrado no mesmo período do ano passado.

 

-    A Petrobrás caiu –5,0%, porem após o fechamento do pregão a empresa informou que a perfuração do poço nomeado como Apollonia comprovou a extensão da descoberta na área de Júpiter, onde a empresa disse ter encontrado "grande" reserva de petróleo, gás e condensado, no pré-sal da Bacia de Santos.

-    A Lojas Americanas subiu 0,2% e, após o fechamento do pregão a empresa anunciou que no segundo trimestre deste ano seu lucro líquido foi de R$ 40,5mi, o que representa uma alta de 15,1% na comparação anual, patamar aliás um pouco abaixo do esperado por analistas (R$ 53mi).

-    A Cosan caiu –0,6%, porem após o fechamento do pregão a empresa anunciou que teve lucro líquido de R$ 104,1mi segundo trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 201,5mi registrado no mesmo período de 2013.

-    A Light subiu 0,7% e após o fechamento do pregão anunciou que registrou lucro líquido e R$ 15,3mi no segundo trimestre, resultado -73,8% inferior ao apurado em igual período do ano passado.


Política:

 

"Algumas perguntas" surgidas após a trágica, inesperada e lamentável morte de Eduardo Campos começam a ser respondidas hoje, (1) Marina Silva deve assumir a candidatura, (2) a coligação do PSB precisa buscar um nome forte da região nordeste para a vaga de vice, (3) as chances de segundo turno são de quase 100%, (4) Dilma é quem mais perderá votos para Marina, provavelmente em uma proporção de 2 para 1 na comparação com Aécio, (5) será difícil para PT e PSDB atacar os ideais, as ideias e as posições defendidas por Eduardo Campos, que certamente terá sua imagem bastante usada na campanha do PSB e (6) existe uma remota possibilidade de termos um segundo turno sem Dilma.

 

Ofuscado pela tragédia ocorrida no mesmo dia, ontem o ministro Ricardo Lewandowski foi eleito presidente do Supremo Tribunal Federal, em substituição ao então presidente Joaquim Barbosa que aposentou-se de maneira bastante precoce e não usual.

 

De maneira discreta, ontem o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, determinou a libertação de 10 suspeitos de integrar uma máfia de venda ilegal de ingressos para partidas da Copa do Mundo.

 

Após ligar para Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, prestando sua "solidariedade", o ex-presidente Lula afirmou a interlocutores que o ideal, para a candidata Dilma, seria o PSB optar pela neutralidade, mas segundo ele isso é praticamente impossível.


Crítica:

 

Há 30 anos, cada trabalhador brasileiro produzia cerca de 25% do que um norte-americano, porem atualmente este percentual caiu para 20% e, segundo o economista José Alexandre Scheinkman, que é professor das universidades americanas Columbia e Princeton, o que explica esta questão é que o Brasil não está conseguindo absorver as evoluções técnicas globais e principalmente investe muito pouco na educação dos seus trabalhadores.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com 


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil 



Nenhum comentário:

Postar um comentário