R.B. 30/ABR/14 ''Por aqui a vida não vale nada''


R.B.

"Por aqui a vida não vale nada"

 

São Paulo, 30 de abril de 2014 (QUARTA-FEIRA).


Mercados e Economia:

 

Hoje (1) a BOVESPA deve seguir em alta, ampliando a valorização acumulada no mês (2,8%) e no ano (0,6%), já que o aumento das chances de derrota de Dilma nas eleições presidenciais certamente atrairá investimentos para o setor produtivo da economia e (2) o DÓLAR pode cair, ampliando a baixa acumulada no mês (-1,5%) e no ano (-5,3%), apesar da esperada volatilidade que é típica do último dia útil do mês, quando a taxa de fechamento é formada.

 

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,9%, acompanhando o desempenho positivo das bolsas de NY e também ‘’comemorando’’ mais uma queda de Dilma nas pesquisas de intenção de voto para presidente e (2) o DÓLAR caiu 0,2% à R$ 2,23, revertendo quase todas as perdas da abertura, na qual a moeda norte-americana chegou a bater R$ 2,20, em um movimento de reflete a ‘’briga’’ de comprados e vendidos para a formação da cotação de fechamento do mês.

 

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 1,4% e China 0,9%, acompanhando o desempenho positivo das bolsas de NY no dia anterior, recuperando perdas recentes e com destaques de alta para as exportadoras, (2) da EUROPA, Inglaterra 1,0%, França 0,8% e Alemanha 1,5%, lideradas pelos papéis das empresas de tecnologia, após a divulgação de resultados acima do esperado da fabricante de chips Infineon e da fabricante de produtos de telecomunicações Nokia melhorarem a perspectiva para o setor e (3) dos EUA, S&P 0,5%, DJ 0,5% e NASDAQ 0,7%, impulsionadas por balanços positivos de companhias como a Merck (3,6%) e pela recuperação do papel do Facebook (3,6%).

 

Apesar de ficar um pouco abaixo das estimativas (3,2%), o que reforça o porquê de o BC do referido país seguir dizendo que não elevará as taxas de juros rapidamente, segundo dados oficiais divulgados ontem a economia do Reino Unido registrou no início de 2014 seu crescimento anual mais forte em mais de 6 anos (3,2%).

 

Colocando novamente o Brasil entre os piores, com uma projeção de avanço de apenas 2,3% do PIB, segundo um estudo Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, na média as economias da referida região devem crescer 2,7% em 2014, patamar inferior ao anunciado na estimativa anterior de 3,2%, porem ligeiramente melhor que a expansão de 2,5% efetivamente registrada pela região em 2013.

 

Obviamente para não atrapalhar ainda mais a campanha pela reeleição de Dilma, ainda que tenha admitido que o setor elétrico brasileiro vive um momento conjuntural desfavorável, com a maior seca dos últimos 82 anos, o Ministério de Minas e Energia afirmou que não pretendente colocar em prática qualquer campanha ou medida oficial para racionar o consumo de energia no país.

 

Pegando o setor de surpresa e mostrando como é desafiador investir em um país que tem um governo que muda as ‘’regras do jogo’’ toda hora, ontem o governo Dilma, pela segunda vez em menos de 1 mês, resolveu aumentar novamente os impostos da cerveja e das demais bebidas frias, o que pode acarretar uma elevação média de 1,3% no preço final desses produtos.

 

Principalmente por conta da queda na demanda e pelo consequente aumento da competitividade, o ciclo de elevação da taxa básica de juros, que começou em MAR/13 e já fez a Selic subir 3,75%, ainda não foi totalmente absorvido pelos bancos, já que no mesmo período os juros médios para empréstimos a pessoas físicas cresceram 3,3%.

 

Finalmente dando um sinal de controle da inflação, o IGP-M de ABR/14 ficou em 0,78%, patamar abaixo do auferido em MAR/14 (1,67%) e também aquém da média das ‘’apostas do mercado’’ (0,83%), influenciado principalmente pela taxas menores nos preços agropecuários e industriais no atacado.

 

A Oi recebeu ontem R$ 13,2bi em uma das maiores captações do país e negócio, que é parte da fusão com a Portugal Telecom, foi bom para a empresa, que ganhou novo fôlego para competir no acirrado jogo da telefonia tupiniquim, mas foi melhor para o BNDES e para seus antigos controladores, a AG Telecom e a La Fonte, que receberão seu dinheiro investido na empresa de volta.

 

-    A Eletrobrás subiu 3,6% e o Banco do Brasil avançou 1,9%, ‘’comemorando’’ a queda das intenções de voto de Dilma, já que os investidores consideraram excessivas e negativas as intervenções do atual governo federal nas estatais.

-    O Santander disparou 15, 8%, reagindo ao anúncio de que na Espanha o banco espanhol lançou uma oferta para comprar a fatia que ainda não detém da filial brasileira, equivalente a 25% dos papéis negociados na Bolsa.

-    A OI caiu -11,0%, em um movimento de ajuste ao valor definido para as ações na precificação do aumento de capital da operadora, que ficou em R$ 2,00 par as preferenciais e R$ 2,17 para as ordinárias.

-    O Itaú subiu 0,1%, mesmo após anunciar que, com queda na inadimplência (-3,5%), seu lucro no primeiro trimestre deste ano foi 27,3% maior que no mesmo período de 2013, totalizando a ‘’bagatela’’ de R$ R$ 4,4bi.


Política:

 

Causando uma enorme alegria na oposição e aumentando na base aliado o coro ‘’volta Lula’’, segundo a última pesquisa de intenções de voto para presidente divulgada ontem, a petista Dilma caiu de 43,7% para 37,0%, o tucano Aécio subiu de 17,0% para 21,6% e Eduardo Campos, do PSB, avançou de 9,9% para 11,8%.

 

Pressionado pelo PMDB, que falta muito pouco para ir para o lado da oposição, o peemedebista Renan Calheiros, que é presidente do Senado, pediu ontem que os líderes dos partidos indiquem os membros para a CPI da Petrobras para que os trabalhos de investigação na Casa comecem já na próxima terça-feira.

 

Ex-ministro da Saúde e pré-candidato ao governo de São Paulo, o petista Alexandre Padilha afirmou ontem que sua intenção é que o ex-presidente Lula esteja ‘’livre’’ para ser seu "principal cabo eleitoral" na campanha e que por este motivo quer que Dilma continua sendo a candidata do PT à presidência.

 

-    Certamente trazendo impactos negativos na arrecadação dos Estados, ontem o Senado um projeto de lei que reduz a carga tributária de parte das microempresas e empresas de pequeno porte que estão no Simples Nacional, regime unificado de cobrança e arrecadação de tributos.

-    Pressionada pelo setor produtivo da economia, na noite de ontem a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que flexibiliza a jornada de trabalho dos caminhoneiros, permitindo agora menos horas de descanso e mais horas na estrada.


Crítica:

 

Mostrando que estamos em uma guerra civil e que ‘’por aqui a vida não vale nada’’, no Brasil, que lidera o ranking mundial da impunidade, menos de 10% dos assassinatos são solucionados e os culpados são presos, já nos EUA este patamar chega a 85% e na Inglaterra, onde a maioria dos policiais nem usa arma, supera os 90%.

 

Na antiguidade era senso comum afirmar que as classes mais altas trabalham menos, tanto que o economista americano Thorstein Veblen afirmava que as classes altas, por não precisarem trabalhar para sobreviver, podiam dedicar mais tempo ao lazer, porem segundo um estudo recente da American Time Use Survey, os norte-americanos com diploma universitário trabalhavam em média duas horas a mais por dia que os não graduados.


PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com


Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com

Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil 


Nenhum comentário:

Postar um comentário