R.B. 15/OUT/12 "Não devemos, não pagamos"


R.B.

"Não devemos, não pagamos"

 

São Paulo, 15 de outubro de 2012 (SEGUNDA-FEIRA).


Mercados:

 

HOJE

-    A BOVESPA deve subir, rumo aos 60.000pts, acompanhando a melhora do ''humor'' nas demais bolsas mundiais e reagindo positivamente ao crescimento de 0,98% do índice de atividade econômica do Brasil em AGO/12 ante JUL/12, porem com boa volatilidade e aumento do volume de negócios diante do vencimento de opções sobre ações.

-    O DÓLAR pode seguir em queda, porem ainda apresentando variações modestas em função das recentes atuações do BC e desta vez acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana e a provável melhora do ''humor'' na bolsa brasileira.

 

QUINTA-FEIRA

-    BOVESPA 1,2% (aos 59.161pts), já abriu em alta e, com investidores aproveitando a melhora de humor nos mercados externos para comprar ações brasileiras após as quedas recentes, manteve a trajetória ascendente ao longo de todo pregão, ainda com baixo volume de negócios (R$ 6,5bi) e desta vez também beneficiada pela redução da taxa básica de juros.

-    DÓLAR –0,1% à R$ 2,04, já abriu em queda e, acompanhando o bom humor no mercado externo, manteve a trajetória descendente ao longo de ''quase'' todo pregão, também diante da avaliação de que, mesmo com o decimo corte seguido da Selic, os juros reais da economia brasileira cairão de 2,2% para para 1,95% ao ano e assim seguem sendo o quarto maior do mundo.

 

SEXTA-FEIRA

-    Na ÁSIA, sem uma tendência única, JAPÃO -0,1%, em queda pelo quarto pregão consecutivo, desta vez pressionada por um forte volume de venda de ações da operadora de telefonia Softbank (-17,1%) e da varejista Fast Retailing (-9,9%), CHINA 0,1%, aguardando balanços importantes vindos dos EUA e de dados macroeconômicos do país e CORÉIA -0,1%, pressionada pelas ações da Samsung Electronics (-0,6%), apesar de um tribunal de apelações dos EUA ter decidido a seu favor em uma disputa de patentes com a Apple.

-    Na EUROPA, devolvendo os ganhos do pregão anterior, já que as preocupações sobre o crescimento reduziram o apetite de investidores por risco, INGLATERRA –0,6%, FRANÇA –0,7% e ALEMANHA –0,7%, prejudicadas principalmente pela fraqueza de papéis de commodities.

-    Nos EUA, fechando em território negativo e registrando a pior semana em 4 meses, S&P –0,3%, DJ –0,1% e NASDAQ –0,2%, desta vez com destaques de queda para as ações do setor financeiro, após os resultados do Wells Fargo (-2,6%) e do JPMorgan (-1,8%) reforçarem os ''temores'' de margens de lucro menores para grandes bancos.


Economia:
 
Em JAN/11, quando Dilma assumiu a presidência do Brasil, o investimento externo líquido em ações e títulos de dívida acumulado em 12 meses era de 1,8% do PIB, já em AGO/12 este número chegou a 0,3% do PIB, influenciado principalmente pela crise financeira mundial e porque os investidores estrangeiros dizem que o intervencionismo da presidenta na economia e o baixo crescimento da economia estão reduzindo seu interesse pelo Brasil.
 
Corroborando parcialmente com a tese de Mantega, Christine Lagarde, diretora-gerente do FMI, afirmou que as medidas anticrise adotadas pelos BCs dos países ricos podem desestabilizar os emergentes, criando "desequilíbrios" e "bolhas" financeiras.
 
Adepto de uma política monetária mais ''conservadora'', que no começo do primeiro mandato de Lula elevou a Selic para mais de 40%, Armínio Fraga, ex-presidente do BC, afirmou que as reduções mais recentes da taxa básica de juros preocupam, ressaltando que mais um corte neste momento requer uma explicação do BC principalmente diante de um cenário de inflação persistentemente acima da meta e de economia à pleno emprego.
 
Confirmando que é o mercado interno que tem ''segurando a onda'' do PIB brasileiro, em AGO/12 o volume de vendas do comércio varejista cresceu 0,2% na comparação com JUL/12 e ''incríveis'' 10,1% na comparação com AGO/11.
 
À espera de mais definições sobre marcos regulatórios, principalmente nos setores de aeroportos e portos, cerca de US$ 11bi em investimentos em participações de empresas estão paralisados no Brasil, valor que representa um terço do montante disponível para a China e metade da verba para a Índia.
 
Como o custo de demitir no Brasil é alto e a expansão do crédito impulsionou o avanço das atividades do setor de serviços, que por sua vez absorveu a mão de obra desempregada da indústria, os empresários brasileiros estão adiando as demissões, ''apostando'' que crescimento da economia brasileira a partir do próximo ano será consistente, o que mantem a taxa de desemprego em torno de 5,4%, um número muito baixo.
 
''Apostando'' no Brasil, a montadora Volvo, que tem fábrica em Curitiba, anunciou que investirá US$ 500mi no país nos próximos 3 anos em um programa inclui a introdução no país de uma segunda marca do grupo, além da atual, de caminhões.
 
Confirmando mais uma vez seu estilo responsável de gestão, Graças Foster, presidenta da Petrobrás, ''avisou'' aos membros do conselho da empresa que começará a cortar projetos bilionários de investimento se não houver reajuste de combustíveis nos próximos meses.
 
-    A Gafisa subiu 8,5%, após ter sua ''nota'' elevada pelos analistas do JP Morgan.

Política:
 
Como uma eventual derrota na disputa pela prefeitura de SP colocaria em dúvidas seu futuro na política, Serra certamente vai ''jogar pesado'' no segundo turno das eleições para a prefeitura de SP, atacando seu adversário petista com golpes abaixo da linha da cintura.
 
Como quem ascende uma vela para Deus e outra para o Capeta, Kassab ''avisou'' que em 2013, ao deixar o mandato em SP, (1) desembarcará em Brasília "toda semana" para tratar da entrada de seu partido (o PSD) no governo federal e (2) será "conselheiro" de Serra caso o tucano se eleja.
 
Na reta final do julgamento do mensalão, os ministros do Supremo Tribunal Federal começam a discutir o momento em que os 25 réus condenados serão mandados à prisão e a tendência é que não prevaleça o pedido do Ministério Público de prisão imediata.
 
Certamente contrariando Michel Temer, o peemedebista Eduardo Paes, prefeito reeleito do RJ, defendeu que o governador Sérgio Cabral, do RJ, seja o candidato a vice-presidente da presidenta Dilma em 2014.

Crítica:
 
Sob o lema "não devemos, não pagamos", homens e mulheres de todas as idades saíram às ruas de Madri batendo panelas, frigideiras e tampas para protestar que os efeitos da crise recaem na população, enquanto os bancos são resgatados.
 
Tão grave, ou até mais intensa, que a intolerância do ocidente com o islamismo, é a intolerância do oriente com os costumes do ocidente, já que é impossível abrir um Igreja cristã no Irã e uma menina do Paquistão pode ser assassinada apenas porque quer ir para a escola.
 
Levantando uma bandeira polemica, o governo Dilma Rousseff planeja estender sua política de cotas raciais, já aprovada para as universidades federais, ao serviço público.

PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br

Conheça e indique nosso Blog http://relatoriobrasil.blogspot.com
Conheça e indique minha página no Facebook http://facebook.com/Alfredosequeirafilho

Nenhum comentário:

Postar um comentário