R.B. 26/ABR/11 ''Passos curtos, porem sólidos''


R.B.

"Passos curtos, porem sólidos"

 

São Paulo, 26 de abril de 2011 (TERÇA-FEIRA).


Mercados:

 

HOJE

-    A BOVESPA ainda tentando iniciar um movimento de recuperação das perdas acumuladas no mês (-2,3%), acompanhando a melhora do ''humor'' nas demais bolsas mundiais e impulsionada manutenção das expectativas de bons resultados corporativos por parte das empresas brasileiras.

-    O DÓLAR pode cair, retornando à sua ''trajetória natural'', com o aumento do fluxo positivo de recursos externos diretamente influenciado pelas ''apostas'' de ao menos mais uma elevação da Selic.

 

ONTEM

-    BOVESPA -0,1%, já abriu ''de lado'', para na máxima avançar 0,1% e na mínima recuar -0,5, em um movimento de cautela antes da divulgação dos juros norte-americanos e da ata do Copom brasileiro, manteve-se próxima da estabilidade ao longo de todo pregão, com baixo volume negócios (R$ 4,0bi), em um dia sem notícias de maior peso e marcado pela falta de dinheiro novo.

-    DÓLAR 0,1% à R$ 1,57, abriu em queda, para na mínima atingir R$ 1,56, porem recuperou ''terreno'' na parte da tarde e fechou próximo da estabilidade, pressionado pelos leilões de compra do BC e pelas compras de importadores, em uma reação bastante modesta à decisão do BC de subir os juros básicos em apenas 0,25% na reunião da semana passada.

-    Na ÁSIA, sem a referência dos EUA e da Europa, por conta do feriado de sexta-feira, JAPÃO -0,1%, em meio ao menor volume de negócios do ano e antes da divulgação dos balanços das principais companhias locais, CHINA -1,5%, diante do temor de que o BC local possa manter a política de aperto monetário por mais tempo do que o esperado, principalmente em virtude da alta no preço do petróleo e CORÉIA 0,8%, no nível recorde de 2.216pts, liderada pelas ações de montadoras e do setor químico, ante a expectativa positiva pelos balanços das companhias.

-    Na EUROPA, INGLATERRA, FRANÇA e ALEMANHA permaneceram fechadas por causa do feriado prolongado de Páscoa.

-    Nos EUA, bom baixos volumes de negócios (os menores do ano), realizando lucros recentes e em compasso de espera antes da decisão do Fed (''BC'' local) sobre a taxa de juros do país, S&P -0,2%, DJ -0,2% e NASDAQ -0,1%, prejudicadas por uma redução das projeções de lucros anuais da Kimberly-Clark, cujas ações recuaram –2,7%, que por sua vez intensificou os temores de que a alta nos preços das commodities reduzirá os lucros corporativos nos próximos trimestres.


Economia:
 

Como o Copom decidiu elevar a Selic em ''apenas'' 0,25% na reunião da semana passada, o ''mercado'' aumentou, desta vez de 6,29% para 6,34%, suas ''apostas'' para o IPCA deste ano, se aproximando cada dia mais do topo da meta do BC (6,5%).

 

Descartando a possibilidade de que o Brasil sofra com a falta de combustíveis por causa de uma oferta menor de álcool anidro no mercado, Paulo Miranda Soares, presidente da Fecombustíveis, afirmou que 80% das usinas de álcool já estão produzindo e que a tendência agora é de aumento da oferta de álcool anidro, que é responsável por 25% da composição da gasolina vendida nos postos.

 

Apresentando novos sinais positivos da economia interna, (1) as vendas do comércio na semana da Páscoa cresceram 9,1% em relação ao mesmo período do ano passado e (2) as empresas brasileiras de comércio eletrônico projetam faturar 20% no Dia das Mães de 2011 em relação ao mesmo período de 2010.

 

Pressionada principalmente pelos recentes aumentos da Selic, segundo dados divulgados ontem pelo Tesouro Nacional, a dívida pública federal cresceu 1,39% em MAR/11 e alcançou R$ 1,69tri e no mesmo período a dívida interna subiu 1,6% e agora soma R$ 1,61tri.

 

Também como ''fruto amargo'' dos recentes aumentos da Selic, que obviamente retiram a atratividade dos investimentos no setor produtivo da economia, a Fiesp projeta para este ano investimentos -4,7% menores em máquinas, equipamentos, instalação, inovação, gestão além de pesquisa e desenvolvimento na comparação com o total investido em 2010.

 

''Apostando'' no bom desempenho da economia brasileira, a produtora japonesa de vidros AGC anunciou que investirá US$ 470mi em um complexo produtivo no Estado de SP, que será o seu primeiro na América do Sul, para produção de vidros automotivos e para construção.

 

Dando ''passos curtos, porem sólidos'', para desenvolver o ''Imperialismo tupiniquim'', após comprar o norte-americano Eurobank, o Banco do Brasil ''avisou'' que investirá US$ 25mi nos EUA nos próximos 3 anos para expandir suas operações no país.


Política:
 
Dando seqüência à demandada tucana, Walter Feldman, atual secretário municipal de Esportes e Lazer de SP e fundador do PSDB, anunciou ontem a sua saída do partido de FHC e Serra, provavelmente para se filiar ao PSD de Kassab.
 
Com o aval de Lula, a corrente do PT Construindo um Novo Brasil, atualmente majoritária no partido, dará largada ao processo de refiliação de Delúbio Soares, o ex-tesoureiro que deixou o partido em 2005 em meio ao mensalão.

Crítica:
 
Mostrando que comunista não é necessariamente ecologista, o deputado federal Aldo Rebelo, do PCdoB de SP, quer fazer uma reforma do Código Florestal que causará uma redução da mata ciliar (que protegem os rios) dos atuais 30 metros a partir da margem para 15 metros, o que segundo os cientistas poderá trazer "um impacto enorme" sobre as espécies de plantas e animais.
PAZ, amor e bons negócios;

Alfredo Sequeira Filho


O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br

Conheça e indique nosso novo Blog ( http://relatoriobrasil.blogspot.com )

Nenhum comentário:

Postar um comentário