R.B. 3/JUL/09 "Talk show"

--------------------------------------------------------------------------------
R.B.

"Talk show"

São Paulo, 3 de julho de 2009 (SEXTA-FEIRA).
--------------------------------------------------------------------------------
Mercados:

HOJE
- A BOVESPA pode subir, tentando uma recuperação após as perdas do pregão anterior, influenciada pelas boas perspectivas para a economia brasileira, porem com baixo volume de negócios diante do feriado nos EUA.
- O DÓLAR deve cair, retomando sua ''trajetória natural'' após a alta do pregão anterior, influenciado principalmente pelo retorno das operações de captação externa, como a do BNDES (US$ 1bi) e a da Petrobras (US$ 1,2bi).

ONTEM
- BOVESPA -1,0%, abriu em queda, para na mínima recuar -1,8% e, com baixo volume de negócios (R$ 4,0bi), manteve a trajetória descendente ao longo de todo pregão, ''desanimada'' com a divulgação de números negativos da economia norte-americana e prejudicada pelo recuo do preço das commodities, como o petróleo (-4,0%).
- DÓLAR 1,2% à R$ 1,95, já abriu em alta e, seguindo a piora do ''humor'' na Bovespa, manteve a trajetória positiva ao longo de todo pregão, também influenciado pelos leilões de compra do BC e pela forte elevação do risco-Brasil (5,1%).
- Na ÁSIA, sem uma tendência única, JAPÃO -0,6%, com destaque negativo para as ações do setor imobiliário, como as da Mitsubishi Estate (-3,2%), após um analista observar que os preços dos terrenos à beira de estradas, incluindo em grandes cidades como Tóquio, caíram pela primeira vez em 4 anos, CHINA 1,7%, no maior patamar desde 10/JUN/09, beneficiada pela alta nos papéis das seguradoras, diante da notícia de que as empresas do setor tiveram um retorno dos investimentos acima das expectativas nos 5 primeiros meses do ano e CORÉIA -0,1%, com as vendas programadas das ações de empresas de grande capitalização anulando os ganhos iniciais.
- Na EUROPA, seguindo o desempenho negativo das bolsas de NY, INGLATERRA -2,5%, FRANÇA -3,1% e ALEMANHA -3,8%, também prejudicadas pelo anuncio de que a taxa de desemprego entre os países da zona do euro ficou em 9,5% em MAI/09, contra 9,3% em ABR/09, o que representa o nível mais alto desde MAI/99.
- Nos EUA, em mais um dia de perdas, S&P -2,9%, DJ -2,6% e NASDAQ -2,7%, já que, mostrando um retrato da economia norte-americana ainda pior do que o esperado por muitos economistas do setor financeiro, foram perdidos 467 mil postos de trabalho em JUN/09, fazendo a taxa de desemprego subir para 9,5%, o que representa o maior patamar desde 1983.
--------------------------------------------------------------------------------
Economia:

Aumentando ainda mais a lista daqueles que corroboram com a opinião do governo brasileiro, Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial, destacou a posição vantajosa dos maiores países da América Latina para enfrentar a crise econômica já que contam com (1) orçamentos mais fortes, (2) maiores reservas, (3) melhor posição comercial e (4) um manejo flexível do tipo de câmbio.

Dando mais um sinal da confiança externa no Brasil, a agência de classificação de risco Fitch Ratings elogiou o sistema financeiro brasileiro, ressaltando que ele está bem posicionado para administrar o efeitos da desaceleração econômica global sem danos significativo às suas rentabilidades.

Ajudando a fortalecer o G-20, o que coincide plenamente com os desejos da diplomacia brasileira, ontem, 1 semana antes da 35ª cúpula do G8, (1) Angela Merkel, a chanceler alemã, afirmou que o G8 se tornara "obsoleto" e definiu o G20 como o "formato ideal" para cuidar do futuro do mundo e (2) Michael Froman, conselheiro para Assuntos Econômicos Internacionais da Casa Branca, classificou o encontro do G-8 na Itália como uma espécie de "talk show", aonde pontos de vista podem ser trocados mas nenhuma decisão pratica pode ser tomada.

Com destaque para o aumento de 21% no volume de liberações para micro e pequenas empresas, o BNDES, ajudando a financiar o setor produtivo da economia, desembolsou R$ 92,2bi no acumulado dos últimos 12 meses terminados em MAI/09, o que representa uma alta de 17% sobre o obtido nos 12 meses imediatamente anteriores.

''Apostando'' no Brasil, mais até do que muitos brasileiros, ontem a fabricante de pneus Pirelli anunciou que vai investir R$ 391 milhões no Brasil de 2009 a 2011 a fim de aumentar em 20% sua produção.

Indicando mais uma vez que a economia interna está se recuperando, em MAI/09, apresentando o quinto resultado positivo consecutivo, a produção industrial brasileira teve alta de 1,3% sobre ABR/09.

- A Sadia subiu 1,9% e a Perdigão avançou 1,1%, após o governo chinês anunciar que pode suspender suas importações de carne de frango dos EUA.
--------------------------------------------------------------------------------
Política:

Ressaltando que Lula ''abusa'' das palavras, principalmente quando está no exterior, FHC classificou como levianas as declarações do presidente petista, de que o PSDB quer "ganhar o Senado no tapetão" ao defender o afastamento de José Sarney da presidência da Casa, ressaltando que se Sarney renunciar, haverá uma nova eleição.

Em uma demonstração de que não está disposto a cair sozinho, Agaciel Maia, ex-diretor do Senado, prestou depoimento ontem à Polícia Legislativa e fez novas denúncias de irregularidades na Casa, o que pode aumentar a tensão na instituição.

Pouco mais de 1 ano antes das eleições estaduais, mostrando que dificilmente o PSDB deixará de comandar o maior estado do Brasil, a ultima pesquisa divulgada indica que o tucano Geraldo Alckmin poderia vencer no primeiro turno com até 51% das intenções de voto, porem Ciro Gomes, que anda não foi convencido pelo PSB a entrar ''na briga'', já aparece em terceiro lugar, com 12% das intenções de voto.
--------------------------------------------------------------------------------
Crítica:

Pressionado por 99,9% da comunidade internacional, desta vez inclusive pelo ditador Chavez da Venezuela, o governo interino de Honduras abriu espaço para uma antecipação das eleições como via para solucionar a crise política no país.

Se esquecendo de falar do salto alto ou do espartilho, que também ''oprimem'' as mulheres, e mostrando uma enorme ignorância e um desrespeito às diferenças culturais, Sarkozy, presidente da França, está insuflando os parlamentares da sua maioria a criarem um projeto de lei contra o uso da burca, ressaltando que ela é um ''sinal de servidão" da mulher e não é bem-vinda na França.
--------------------------------------------------------------------------------
PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho
--------------------------------------------------------------------------------
O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br
--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário