R.B. 2/MAR/09 "Votos por favores pessoais"

--------------------------------------------------------------------------------
R.B.

"Votos por favores pessoais"

São Paulo, 2 de março de 2009 (SEGUNDA-FEIRA).
--------------------------------------------------------------------------------
Mercados:

HOJE
- A BOVESPA pode cair, ampliando as perdas acumuladas na semana passada (-2,8%), influenciada pelos novos sinais negativos da economia mundial, porem ainda deve-se ressaltar que o atual patamar é atraente para investimentos de longo prazo.
- O DÓLAR deve seguir em alta, ampliando a valorização acumulada em FEV/09 (2,2%) e seguindo a provável piora do ''humor'' na Bovespa, porem deve-se ressaltar que a moeda norte-americana pode estar muito próxima do seu ''teto'', já que a economia brasileira crescerá acima da média mundial.

SEXTA-FEIRA
- BOVESPA 0,1%, abriu em queda, para na mínima recuar -2,2%, porem, apesar da manutenção da trajetória negativa das bolsas de NY e do baixo volume de negócios (R$ 3,8bi), passou a subir na parte da tarde, beneficiada pela valorização das commodities no mercado internacional.
- DÓLAR 1,0% à R$ 2,37, já abriu em alta e, apesar dos momentos de melhora do ''humor'' na bolsa brasileira e do recuo do risco-Brasil (-0,7%), manteve a trajetória positiva ao longo de todo pregão, acompanhando o nervosismo do mercado a respeito da economia norte-americana, que apresentou novos sinais de deterioração.
- Na ÁSIA, sem uma tendência única, JAPÃO 1,5%, sustentada pelas ações de seguradoras e siderúrgicas, diante das ''apostas'' de apoio do governo ao preço das ações, apesar do anuncio de queda recorde na produção industrial em JAN/09 (-10,0%), CHINA -1,8% (-7,9% na semana), com destaques de queda para papéis de companhias não-ferrosas e de fabricantes de veículos, diante das perspectivas negativas para a divulgação de seus resultados de 2008 e CORÉIA 0,8%, com destaques de alta para as ações de bancos, diante de ''rumores'' de que Citigroup e o governo dos EUA se aproximam de um acordo para aumentar a participação do governo no banco.
- Na EUROPA, seguindo o desempenho negativo das bolsas de NY, INGLATERRA -2,2%, FRANÇA -1,5% e ALEMANHA -2,5%, com destaques de queda para ações de empresas do setor financeiro, como ING (-11,4%), Deutsche Bank (-5,1%), Société Générale (-4,9%) e Lloyds Banking (-22,3%).
- Nos EUA, novamente nos menores patamares em 12 anos, S&P -2,4%, DJ -1,7% e NASDAQ -1,0%, após um pregão marcado pela contração histórica do PIB norte-americano no quarto trimestre de 2008 (-6,2%) e pelos ''temores'' com os desdobramentos do caso Citigroup, que por sua vez informou que o Departamento do Tesouro vai converter até US$ 25,7bi de suas ações preferenciais (sem direito a voto) em ações ordinárias (com direito a voto).
--------------------------------------------------------------------------------
Economia:

Atento, porem ainda mostrando otimismo com relação ao mercado interno, Meirelles, presidente do BC, ''garantiu'' que em 2009 a economia brasileira crescerá acima da média mundial, ressaltando também que o Brasil enfrenta a crise em melhores condições que outros países por (1) ser credor líquido em nível internacional, (2) contar com grandes reservas financeiras, (3) apresentar solidez das finanças públicas e (4) ter uma crescente demanda doméstica.

Ressaltando que para ''lutar'' contra a crise econômica mundial é preciso resistir à tentação protecionista, Pacal Lamy, diretor-geral da OMC, elogiou a mentalidade aberta dos negociadores brasileiros e sua defesa do livre comércio.

Como conseqüência da crise externa na economia brasileira, em FEV/09 o nível de confiança do consumidor brasileiro na economia do país retraiu para 94,6pts, o que representa o menor patamar desde SET/05, quando aliás esta série histórica foi iniciada.

Mostrando um ''lado bom'' da crise financeira internacional, diante da queda da demanda mundial diminuiu a pressão interna sobre os alimentos, derrubando os preços, ajudando a reduzir a inflação e também incentivando o Copom a seguir cortando a taxa básica de juros.

Dando mais uma sinal de controle da inflação, que também pode ''forçar'' o Copom a seguir cortando a Selic, o IPC da segunda quadrissemana de FEV/09 registrou alta de 0,32%, abaixo do 0,45% visto na semana anterior e também aquém das ''apostas do mercado'' (0,41%).

- A Tim Participações caiu -3,2%, apesar de ter divulgado que em 2008 acumulou um lucro líquido 163,8% maior do que em 2007.
- A Embraer caiu -2,1%, após a Justiça trabalhista conceder uma liminar que suspendeu as 4.200 demissões anunciadas pela empresa na semana passada.
--------------------------------------------------------------------------------
Política:

Confirmando que a opinião de Lula continua sendo ''lei'' no PT, segundo uma recente pesquisa Dilma, a ''toda poderosa'' ministra da Casa Civil que nunca disputou uma eleição majoritária, tem o apoio de 81% da cúpula petista para disputar a Presidência da Republica pelo partido em 2010.

Ao mesmo tempo que governo e Congresso tentam retomar a discussão da reforma política, que atualmente está parada depois de várias tentativas fracassadas de votação, avança rapidamente no País o movimento para a fundação do Partido da Justiça Social, o PJS, que será comandado pelos ''bispos e apóstolos'' das igrejas evangélicas.

Confirmando que a justiça eleitoral as vezes não funciona em um país aonde os eleitores ainda trocam ''votos por favores pessoais'', ontem a cidade de Patu, no Rio Grande do Norte, elegeu como prefeita Evilásia Gildênia de Oliveira, que é esposa de Ednardo Moura, eleito no dia 5/OUT/08 mas que teve seu registro de candidatura cassado por ter sua prestações de contas de verbas federais reprovadas pelo Tribunal de Contas da União.
--------------------------------------------------------------------------------
Crítica:

Tomando mais uma atitude que confirma sua forma pouco democrática de governar, no ultimo sábado Chavez, o ditador da Venezuela, enviou tropas para assumir ''temporariamente'' fábricas de processamento de arroz no país, incluindo as instalações da gigante norte-americana Cargill, acusando as empresas de desorganizar a cadeia de suprimentos ao se recusarem a produzir arroz nos preços estabelecidos pelo governo.
--------------------------------------------------------------------------------
PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho
--------------------------------------------------------------------------------
O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br
--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário