R.B. 10/JAN/18 "Sem mais delongas"



"Sem mais delongas"

São Paulo, 10 de janeiro de 2018 (QUARTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve voltar a cair, devolvendo mais uma parte dos fortes ganhos acumulados nos últimos 12 meses (27,6%), acompanhando a realização de lucros das principais bolsas mundiais e cada dia mais prejudicada pelo aumento das “apostas’ de que a reforma da previdência não será aprovada e (2) o DÓLAR pode subir, para fechar em território positivo pelo terceiro pregão seguido e rumo aos R$ 3,30, pressionado pelos mesmos motivos que devem derrubar e consequentemente reduzir o fluxo positivo de recursos externos.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA caiu -0,7%, “finalmente”, mesmo com o desempenho positivo das bolsas de NY, realizando lucros após 11 pregões consecutivos de alta, com bom volume de negócios (R$ 9,2bi) e influenciada pelo recuo das commodities e pelo aumento das “apostas” de redução da “nota” do Brasil pelas agências de classificação de risco e (2) o DÓLAR 0,3% à R$ 3,25, influenciado pelos mesmos motivos que derrubaram a bolsa tupiniquim e acompanhando a trajetória internacional da moeda norte-americana.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão 0,6%, no maior patamar em 26 anos, apesar da moeda local, o iene ter se fortalecido ante o dólar após o BC local reduzir o tamanho de sua última operação de compra de bônus e China 0,1%, no oitavo pregão consecutivo de valorização, sequência mais longa desde março de 2015, (2) da EUROPA, com a bolsa inglesa fechando no maior patamar da história pela terceira vez em 2018, Inglaterra 0,4%, França 0,7% e Alemanha 0,1%, desta vez impulsionadas pela divulgação de dados melhores do que o esperado da economia alemã, como o crescimento de 3,4 da produção industrial, e da economia da zona do euro, como o recuo da taxa de desemprego para o menor nível desde JAN/09 e (3) dos EUA, batendo novos recordes históricos de alta, S&P 0,1%, DJ 0,4% e NASDAQ 0,1%, desta vez com destaques positivos para as ações dos bancos, como Goldman Sachs (0,9%), Citigroup (1,1%) e J.P.Morgan (0,5%), diante da expectativa positiva para a temporada de balanços que se aproxima.

Com potencial para reduzir consideravelmente a credibilidade da equipe econômica de Temer, Ilan Goldfajn, o presidente do BC, “avisou” que não tem a intenção de assumir o ministério da Fazenda caso Henrique Meirelles saia para disputar a Presidência do Brasil.

Dando mais um sinal de que a economia tupiniquim começou a sair do fundo do poço, em 2017 os pedidos de falência no Brasil caíram -18,2% na comparação com 2016 e os pedidos de recuperação judicial recuaram 23,7% na mesma base de comparação.

Mostrando que a recuperação econômica do país ainda é lenta e incerta, em NOV/17, mesmo com toda a algazarra feita pelo Black Friday, as vendas do comércio varejista tupiniquim cresceram apenas 0,7% na comparação com OUT/17.

No “olho do furacão da corrupção tupiniquim”, no ano passado o BNDES, mesmo diante da forte redução da taxa básica de juros e dos sinais de que a economia brasileira saiu do fundo do poço, emprestou -19% menos dinheiro do que em 2016, o que segundo empresários consultados ocorreu pois o referido banco de fomento ficou mais criterioso na concessão de crédito após a revelação de esquemas de desvios da Lava Jato.

Mostrando, pela enésima vez, como é difícil fazer negócios em um país com mentalidade socialista como o Brasil, ontem, atendendo a um pleito do sindicato dos professores, a oitava Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo suspendeu a dispensa de cerca de 70 profissionais da faculdade Metodista, que como todas as outras sofre com a falência do Fies.

Responsáveis pela viabilização de operações de milhares de pequenos e médios produtores agrícolas, em 2017 as cooperativas brasileiras, beneficiadas pelo bom desempenho da produção agropecuária do país, elevaram em 20% suas exportações na comparação com 2016.

Pela “bagatela” de R$ 1bi, ontem a Amaggi, empresa do ministro da Agricultura Blairo “motosserra” Maggi, anunciou a compra da fazenda Itamarati, que pertencia aos herdeiros de Olacyr de Moraes e que possui 105 mil hectares, área equivalente a ocupadas por metrópoles como a capital do RJ ou a cidade de NY.

Evitando, já na “prorrogação”, a oficialização de mais um calote, ontem a Venezuela pagou a parcela de US$ 262mi (cerca de R$ 850mi) da dívida que tem com o Brasil e que já estava vencida desde SET/17.

-    A BRF subiu 0,4%, após anunciar a criação de uma nova linha de carnes, com preços 15% abaixo dos praticados pela média do mercado de processados, que foi batizada de Kidelli e que começará a ser vendida neste início do ano em atacarejos e por distribuidores independentes, com foco em baixa e renda e comerciantes de alimentos em todo o país.

Política:

Sem mais delongas, como é seu estilo, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, alertou que a crescente movimentação de partidos e políticos, como inclusive ele e Meirelles, em torno das eleições de 2018 pode atrapalhar o avanço da reforma da Previdência.

Reagindo de forma “negativa e assustada”, assim como fez o PT, integrantes do Planalto viram na participação de Luciano Huck no “Domingão do Faustão” um movimento político da TV Globo, ressaltando que seria ingênuo acreditar que a direção da emissora não deu aval à programação.

Em uma disputa que deve causar ainda mais desunião no ninho tucano, o PSDB, depois de um pente-fino em sua relação de filiados, fechou em 800 mil o universo de tucanos que terão direito a voto nas prévias do partido para a eleição presidencial, que será entre o governador de SP Alckmin e o prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Novamente imerso em acusações relacionadas à delação da Odebrecht, o senador tucano José Serra, para não ir parar na cadeia, vem sendo aconselhado por seus advogados a não disputar qualquer cargo nas eleições 2018, já que tem mais 4 anos de mandato, e consequentemente imunidade parlamentar, no Congresso.

Após oferecer para as centrais sindicais, que até agora se opõe ao texto, liberar o pagamento de cerca de R$ 500mi em verbas do imposto sindical que estavam retidas na União, o presidente Temer, também agindo de forma sorrateira e nefasta, prometeu aos parlamentares até R$ 10bi para a finalização de obras em redutos eleitorais de quem votar à favor da reforma da Previdência.

Ex-terrorista e ex-comparsa de Dilma, o tucano Aloysio Nunes, atualmente ministro das Relações Exteriores do governo Temer, afirmou que seu correligionário Alckmin, governador de SP, é o candidato à presidente que tem "maior densidade eleitoral" para representar o centro reformista nas eleições presidenciais deste ano, o que certamente lhe causará problemas com Rodrigo Maia e Meirelles.

Vetado pelo “coronel” Sarney para assumir o Ministério do Trabalho mesmo depois de ter seu nome indicado pelo presidente Temer, o deputado Pedro Fernandes, do PTB do Maranhão, pediu ontem para deixar o cargo de vice-líder do governo na Câmara.

Mesmo com sua posse suspensa pela Justiça, a deputada federal Cristiane Brasil, do PTB do RJ, “garantiu” que, como continua com apoio do presidente Temer, não há hipótese de ela desistir de assumir o Ministério do Trabalho.

Tentando passar uma imagem de que está enxugando a incompetente e corrupta máquina pública tupiniquim, ontem o presidente Temer assinou um decreto que extingue 60,9 mil cargos vagos, e os que vierem a vagar, na administração pública federal, autarquias e fundações.

Além do julgamento e provável condenação em segunda instância no TRF-4, Lula, nas próximas semanas, deve ser condenado mais duas vezes em primeira instancia pelo juiz Sergio Moro, primeiro no caso do prédio do Instituto Lula, comprado com propina da Odebrecht, e segundo pelo sítio de Atibaia, reformado com propina da Odebrecht, da OAS e de José Carlos Bumlai.

Segundo especialistas do meio jurídico, mesmo que condenado em segunda instância no julgamento do TRF-4, marcado para o próximo dia 24/JAN/18, é quase certo que a fotografia de Lula estará na urna eletrônica em OUT/18, por conta de recursos que seus advogados enviarão aos tribunais de Brasília postergando o fim do processo.

Crítica:

Único partido político do Brasil que, por uma questão de princípios e valores, não usa recursos do Fundo Partidário, contando apenas com doações dos filiados para manter-se e para financiar suas campanhas, o NOVO consultou o TSE para saber se poderia doar os valores, já que caso devolva dinheiro público que recebe compulsoriamente mesmo sem concordar esta grana seria redistribuída para os outros partidos, porem a resposta dada foi que isto não é permitido, o que levou a direção do partido a decidir aplicar os recursos enquanto trabalha para eleger parlamentares para acabar com esta lei estupida.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário