R.B. 21/SET/16 "Lula cada dia mais perto da cadeia"



"Lula cada dia mais perto da cadeia"

São Paulo, 21 de setembro de 2016 (QUARTA-FEIRA).

Mercados e Economia:

Hoje (1) a BOVESPA deve subir, “aliviada” com a provável decisão de manutenção dos juros nos EUA, “animada” com as novas medidas de estímulo anunciadas pelo BC japonês e beneficiada pela valorização das commodities e (2) o DÓLAR pode cair, para fechar o dia abaixo do “suporte” dos R$ 3,25, influenciado pelos mesmos motivos que devem levar à valorização da bolsa tupiniquim e também pela redução do volume de compras da moeda norte-americana pelo BC brasileiro.

Ontem, no BRASIL, (1) a BOVESPA subiu 0,7%, com baixo volume de negócios (R$ 5,3bi), influenciado positivamente pela consolidação das “apostas” de que a taxa de juros norte-americana será mantida no patamar e impulsionada pelo bom desempenho das ações da Petrobrás (3,4%) e (2) o DÓLAR caiu -0,3% à R$ 3,26, devolvendo os ganhos auferidos no pregão anterior e seguindo a trajetória internacional da moeda norte-americana.

Também ontem, nas principais bolsas (1) da ÁSIA, Japão -0,2% e China -0,1%, %, em compasso de espera antes das reuniões dos BCs japonês e norte-americano, (2) da EUROPA, próximas da estabilidade e sem uma direção única, Inglaterra 0,2%, França -0,1% e Alemanha 0,2%, divididas pelo noticiário corporativo, que por conta da semana de moda de Londres beneficiou a grife Burberry (3,61%), por conta da queda das commodities prejudicou a BP (-0,6%) e a ArcelorMittal (-2,8%) e por conta da melhora das projeções de receita impulsionou a Bayer (0,6%) e (3) dos EUA, com baixos volumes de negócios por conta da cautela antes da decisão do Fed (“BC” local) sobre os juros do país, S&P 0,1%, DJ 0,1% e NASDAQ 0,1%, sustentadas pela ações de empresas do setor de saúde, que recuperam perdas acumuladas no ano.

Contribuindo para consolidação ainda maior das “apostas” de que na reunião que acaba hoje o Fed (“BC” dos EUA) manterá a taxa básica de juros da maior economia do mundo no patamar atual, em AGO/16 o índice norte-americano de novas construções de casas caiu -5,8% na comparação com JUL/16, patamar acima do esperado pelo “mercado”.

Tentando transmitir “otimismo moderado”, Ilan Goldfajn, presidente do BC tupiniquim, afirmou ontem que a meta de inflação de 4,5% para 2017 é ambiciosa, mas possível de ser atingida, ressaltando que atualmente as expectativas do “mercado” para o IPCA do ano que vem já estão em 5,12% e que prevê que o Brasil volte a crescer em 2017, a uma taxa de 1,6%.

Defendendo os interesses do país, faltando apenas 2 semanas da primeira votação, o Ministério da Fazenda quer transmitir a mensagem de que a proposta que limita o crescimento dos gastos públicos à variação da inflação beneficiará principalmente a população mais pobre do país, que é a que mais depende mais de serviços públicos e a que mais sofre com a recessão e o desemprego.

Desde MAI/16, quando ficava cada vez mais claro que o governo Dilma iria cair, o "risco Brasil" acumulou queda superior a -25% e, se agora o Congresso confirmar a aprovação da proposta de controle de gastos, o BC terá o “conforto” necessário para iniciar a redução da taxa básica de juros, o que por sua vez estimulará investimentos no setor produtivo da economia tupiniquim.

Como não poderia ser diferente em um país em recessão, em AGO/16, segundo um estudo da Fipe, mais da metade das negociações coletivas resultaram em ajustes salariais abaixo da inflação, o que tem um lado positivo de contribuir para a redução das pressões inflacionárias.

Mostrando um lado positivo do elevado patamar dos juros, da restrição ao crédito e da falta de confiança, no primeiro semestre deste ano quase metade (42%) dos veículos leves vendidos no Brasil foram pagos à vista, o que representa o maior percentual desde 2008, quando teve início este levantamento.

Com o minúsculo mercado financeiro tupiniquim ressurgindo das cinzas, no primeiro semestre deste ano os anúncios de fusões e aquisições, ofertas públicas de aquisições de ações (OPAs) e reestruturações societárias, somaram R$ 57 bilhões, o que representa uma alta de 128% em comparação a igual período de 2015.

-    A Royal Caribbean subiu 4,5% na bolsa de NY, após a empresa elevar seu dividendo trimestral.
-   A Petrobrás subiu 3,4%, mesmo com a fraqueza nos preços do petróleo no mercado internacional, já que o novo plano de negócios da companhia, que reduziu em 25% a projeção de investimentos em relação ao plano anterior, e a solicitação da empresa para comparar uma plataforma no exterior agradaram os investidores.

Política:

Trabalhando em prol da redução da maquina publica tupiniquim, ontem, conforme esperado, o Senado aprovou a Medida Provisória 731/2016, que acaba com 4,3 mil cargos em comissão no governo, sendo 3.384 de Direção e Assessoramento Superiores, os chamados DAS, o que vai gerar uma economia de R$ 230 milhões por ano aos cofres públicos.

Colocando, para o bem do Brasil, “Lula cada dia mais perto da cadeia”, ontem a Justiça Federal do Paraná aceitou a denúncia contra o referido ex-presidente, que inicialmente é acusado “apenas” de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá e será julgado pelo renomado juiz Sergio Moro.

Segundo informado por deputados e senadores, que com medo de retaliações pedem o anonimato, foi Renan Calheiros, maior bandido do país ainda com mandato e presidente do Senado, que articulou a manobra, até agora sem sucesso, de tentar aprovar uma anistia aos políticos que fizeram Caixa 2 nas eleições passadas e que são alvos da Operação Lava Jato.

Com a oposição 6 países irrelevantes (Equador, Nicarágua, Cuba, Bolívia, Costa Rica e Venezuela) e que representam menos de menos de 3% dos membros da ONU, ontem, durante seu discurso na Assembleia Geral da referida Organização das Nações Unidas Temer, presidente do Brasil, defendeu a legitimidade do processo que levou ao impeachment de Dilma, ressaltando que no Brasil ninguém está imune à ação da lei e que o país vive um processo de "depuração política", que por sua vez demonstra a força de suas instituições.

Comprando briga com aliados que fizeram coligações majoritárias com o PSC, dos deputados Jair Bolsonaro e Marco Feliciano, Marina Silva, “dona” do partido Rede Sustentabilidade, pediu na Justiça Eleitoral a impugnação de alianças da legenda em 39 cidades que não seguiram diretrizes nacionais do partido.

Percebendo que agora são reais as chances de vitória, depois de muita resistência em embarcar na campanha do candidato de Geraldo Alckmin em SP, FHC, Serra e Aécio decidiram adotar um tom de unificação do partido e vão gravar declarações de apoio para o programa de TV do tucano João Doria que disputa a prefeitura de SP e cresce nas pesquisas.

Crítica:

Enquanto a grande maioria dos reclama apenas dos políticos, mostrando mais uma vez que cada povo tem o governo que merece,  segundo um levantamento divulgado ontem pela Controladoria-Geral da União em 57 das 104 Gerências Executivas do INSS, 45% dos 1,6 milhão de auxílios-doença pagos pelo no Brasil tem algum indício de irregularidade.

PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho

O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer crítica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alfredo@relatoriobrasil.com

Conheça e indique nosso Blog: www.relatoriobrasil.com
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/relatoriobrasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário