R.B. 4/FEV/09 "Velha ladainha"

--------------------------------------------------------------------------------
R.B.

"Velha ladainha"

São Paulo, 4 de fevereiro de 2009 (QUARTA-FEIRA).
--------------------------------------------------------------------------------
Mercados:

HOJE
- A BOVESPA deve seguir em alta, para fechar novamente acima dos 40.000pts, ainda estimulada pelo aumento das chances de (1) aprovação do pacote de socorro à economia dos EUA e (2) novas reduções da Selic no Brasil.
- O DÓLAR pode voltar a cair, ainda com ''boas chances'' de fechar a semana abaixo dos R$ 2,30, acompanhando a provável melhora do ''humor'' na Bovespa, apesar de ainda existem muitos agentes financeiros que mantém contratos futuros de dólar e do cenário externo ainda estar nebuloso.

ONTEM
- BOVESPA 2,8%, já abriu em alta e, tentando uma recuperação após 3 pregões consecutivos de queda, manteve a trajetória positiva ao longo de todo pregão, diante da retomada das ''apostas'' de (1) aprovação do pacote de Obama e (2) que a economia brasileira seguirá crescendo apesar da crise mundial.
- DÓLAR -0,1% à R$ 2,32, abriu ''de lado'', para na máxima avançar 0,4%, porem passou a cair ainda na parte da manhã, acompanhando a melhora do ''humor'' nas bolsas mundiais e também influenciado pelo recuo do risco-Brasil (-2,8%).
- Na ÁSIA, sem uma tendência única, JAPÃO -0,6%, revertendo uma abertura positiva, causada pelo anuncio de que o BC local vai gastar o equivalente a US$ 11,1bi para comprar ações em posse dos bancos japoneses, com destaque negativo para ações defensivas, como algumas dos setores farmacêutico e de alimentos, CHINA 2,4%, impulsionada pela valorização das ações dos estaleiros e dos setores maquinário e têxtil, diante do aumento das ''apostas'' de que o governo local anunciará pacotes de estímulo para esses segmentos e CORÉIA 1,4%, com destaques de alta para ações de empresas de tecnologia, como Samsung Electronics (3,5%) e Hynix Semiconductor (2,4%).
- Na EUROPA, seguindo o movimento ascendente das bolsas de NY, INGLATERRA 2,1%, FRANÇA 1,8% e ALEMANHA 2,4%, impulsionadas principalmente por ações de empresas do setor de telecomunicações, como Vodafone (7,0%), Telecom Itália (7,3%), Deutsche Telekom (5,4%) e France Telecom (4,2%), após a Vodafone, maior companhia de telefonia do mundo, informar que sua receita cresceu 14,3% no quarto trimestre do ano passado.
- Nos EUA, iniciando novamente um movimento de recuperação, S&P 1,6%, DJ 1,8% e NASDAQ 1,5%, beneficiadas pelo anuncio de crescimento de 6,3% das vendas de imóveis pendentes em DEZ/08 e pelo aumento das ''apostas'' de uma rápida aprovação no Senado do plano de reativação econômica de Obama.
--------------------------------------------------------------------------------
Economia:

Repetindo algo que tem se tornado um consenso entre os principais analistas e economistas do mundo, o banco de investimentos Credit Suisse ''avisou'' que o Brasil é seu mercado preferindo dentro da América Latina e, citando a solidez dos fundamentos macroeconômicos e a relativa atratividade das ações, indicou investimentos nos setores com maior previsibilidade de retorno, reduzida necessidade de financiamento e mais protegidos ante o cenário de fraqueza da economia, como telefonia móvel, bebidas, energia & saneamento, saúde e concessão rodoviária.

Com o governo Federal tomando novas medidas para minimizar os efeitos negativos da crise externa na economia brasileira, (1) Dilma, ministra Casa Civil, deve anunciar ainda hoje a ampliação em cerca de R$ 130bi do PAC, o que representa um aumento de 26% da previsão inicial e será a primeira ''turbinada'' de recursos do programa criado em 2007 e (2) Lula anunciou ontem que um programa nacional de habitação que prevê a construção de 500 mil casas populares.

Dando novos sinais de desaceleração da economia brasileira, que provavelmente farão o Copom seguir cortando a Selic em -1,0%, (1) em DEZ/08 a produção industrial do país apresentou uma retração de -12,4% na comparação com NOV/08, o que representa o pior desempenho desde 1991, quando teve início esta série histórica e (2) no quarto trimestre de 2008 o faturamento da industria nacional caiu -16,2% na comparação com o período anterior.

Agindo corretamente ao invés de reclamar dos juros elevados dos banco privados, o Banco do Brasil reduziu as taxas de juros de uma série de operações de crédito para as empresas, principalmente no segmento de capital de giro.
--------------------------------------------------------------------------------
Política:

Surpreendendo positivamente até os petistas mas otimistas, em JAN/09 a aprovação de Lula, ignorando a crise externa, atingiu a marca histórica de 84%, o que supera o recorde anterior de 83,6% atingido pelo próprio petista em JAN/03, ano em que foi empossado no cargo.

Fazendo Lula continuar iludido sobre as chances de Dilma ganhar as eleições presidenciais de 2010, segundo a ultima pesquisa divulgada Serra tem 42,8% das intenções de voto, contra 13,5% da petista, que na pesquisa anterior tinha 10,4%, e 11,2% de Heloísa Helena, do PSOL.

Como prometeu o que não pode cumprir, já que não dá para criar mais cargos e no seu discurso de posse repetiu a ''velha ladainha'' de cortar despesas de custeio, Sarney, depois de ganhar a disputa pela presidência do Senado, terá agora de arbitrar a disputa pelos cargos da Mesa e pelas comissões, o que certamente deixará alguém descontente.

Contrariando as pretensões de Serra, no momento em que a cúpula do PSDB se articula para evitar estragos de uma prévia na escolha do candidato que disputará a Presidência em 2010, as principais lideranças tucanas nos Estados defendem a realização de primárias, caso não haja consenso em torno do nome que concorrerá ao Planalto.

Cada vez mais convicto de que a melhor opção para o partido em 2010 será lançar candidatura própria de Ciro Gomes à presidência e até aventando a possibilidade de se aliar a Serra, o PSB não se conforma por ter sido esmagado nas eleições para a presidência da Câmara, já que apoiaram Aldo Rebelo, e estão mordidos com o fortalecimento do PMDB.
--------------------------------------------------------------------------------
Crítica:

Respondendo às criticas da Europa e até do Brasil, o que aliás nunca foi comum entre os presidentes dos EUA, Obama afirmou que quer evitar qualquer medida para estimular a economia que possa sinalizar protecionismo ou que cause uma "guerra comercial", ressaltando que seria um erro começar a mandar uma mensagem de que, de alguma forma, os norte-americanos estão pensando apenas em si mesmos, sem se preocupar com o comércio global.
--------------------------------------------------------------------------------
PAZ, amor e bons negócios;
Alfredo Sequeira Filho
--------------------------------------------------------------------------------
O "R.B." representa uma opinião, não uma indicação, é proibida sua reprodução, sem a devida autorização, e qualquer critica, dúvida ou sugestão, favor contatar: alcabi@uol.com.br
--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário